Gastroenterite

13 de janeiro de 2018
A gastroenterite é um quadro clínico que apresenta diarreia e vômitos como resultado da inflamação do trato gastrointestinal.

O que é gastroenterite?

A gastroenterite é uma síndrome que ocorre com diarreia e vômitos causados ​​por inflamação do trato gastrointestinal. Além desses sintomas, podem ocorrer dor abdominal e cãibras e casos mais graves podem causar desidratação severa.

A causa mais frequente de gastroenterite é de origem infecciosa. Nesse sentido, os micro-organismos causais mais comuns são vírus em crianças e bactérias em adultos.

Quem são os afetados?

Homem com cólica pela gastroenterite

A gastroenterite é uma das síndromes mais comuns atualmente, com entre 3 e 5 bilhões de casos por ano. É um dos principais motivos de consulta nos países desenvolvidos, o que implica um custo econômico muito elevado.

O maior risco de infecção ocorre durante as estações chuvosas ou durante o inverno, devido à diminuição da qualidade da água.

Isso pode afetar qualquer pessoa, mas grupo mais afetado de indivíduos são crianças, especialmente aquelas menores de 5 anos, uma vez que os adultos desenvolveram imunidade adquirida.

Os países em desenvolvimento têm uma alta taxa de incidência da síndrome. Isto é muitas vezes devido à cólera, uma vez que existem muitas  áreas onde a higiene é escassa e as águas estão contaminadas, com as quais existe um alto risco de epidemias.

Causas da gastroenterite

Criança com gastroenterite

Conforme mencionado acima, vírus e bactérias são a principal causa da síndrome, embora haja casos de gastroenterite causada por parasitas. Existe uma menor porcentagem de casos por causas não infecciosas, como a doença de Crohn ou a intolerância à lactose.

Vírus

  • Rotavírus.
  • Norovírus.
  • Adenovírus.
  • Astrovírus

O rotavírus é o principal agente infeccioso em crianças, sendo também o risco de infecção muito alto devido à falta de imunidade e à menor higiene destes. Em adultos, a principal causa de gastroenterite é o norovírus, especialmente na América.

Os vírus são responsáveis ​​por mais de 70% de diarreia infecciosa na infância, porque as crianças não possuem um sistema imunológico tão competente como um adulto.

Bactérias

  • Escherichia Coli.
  • Campylobacter jejuni.
  • Salmonela
  • Clostridium difficile.
  • Vibrio cholerae.

As bactérias muitas vezes causam gastroenterite por contaminação de alimentos. Se o alimento for mantido à temperatura ambiente, a bactéria irá proliferar e as chances de contrair uma infecção aumentam.

Campylobacter jejuni contamina especialmente a carne crua ou pouco cozida.

A cólera é uma doença, causada por V. cholerae, que é transmitida através de alimentos contaminados e / ou água. A cólera é uma das principais causas de gastroenteriteespecialmente em países da África e da Ásia.

O uso de antibióticos, por vezes, também favorece o aparecimento de gastroenterite. Uma das causas da diarreia em idosos e em pacientes hospitalizados é a infecção por Clostridium difficile.

Recomendamos que você leia: 6 infusões para desintoxicar o corpo naturalmente

Como é transmitida?

A transmissão pode ser feita por vários mecanismos, o mais comum é o que ocorre por contato físico com pessoas infectadas ou com água ou alimentos contaminados.

O maior risco de infecção ocorre durante as estações chuvosas ou durante o inverno, devido à diminuição da qualidade da água.

A transmissão também está associada a uma falta de higiene e a situações de desnutrição, que geralmente ocorre em crianças. No entanto, as causas da gastroenterite são tão diversas que é impossível definir um único método de transmissão.

Tempo de incubação e período de contágio

Mulher indo ao banheiro por causa da gastroenterite

Os sintomas da gastroenterite geralmente aparecem 1 a 3 dias após a contração da infecção.

A duração da gastroenterite é variável, a diarreia e os vômitos geralmente desaparecem entre os primeiros 3 e 8 dias. No entanto, se não for tratado adequadamente, a diarreia pode se tornar crônica.

Por outro lado, é digno de nota que os adultos podem desenvolver tolerância, por isso podem ser portadores de alguns agentes infecciosos e não ter uma infecção. Em outras palavras, os indivíduos podem continuar a sendo contagiosos após o período sintomático, pelo que devem ser tomadas precauções.

Não sabia? Diarreia nas crianças: como tratar?

Sintomas de gastroenterite

  • Vômitos
  • Diarreia: quando a causa é bacteriana, o sangue pode aparecer nas fezes.
  • Dor abdominal
  • Cãibras

A gastroenterite viral também apresenta febre, cansaço e dor muscular.

Complicações

A complicação mais comum da gastroenterite é a desidratação, como conseqüência da diarreia. A desidratação é classificada como leve (<5%), moderada (5-9%) e grave (> 10%). Na desidratação moderada e grave, os olhos ficam sem vida, falta de lágrimas e a boca seca, além disso, o indivíduo fica menos ativo e o turgor cutâneo é deficiente.

Diagnóstico diferencial

  • Volvulose
  • Diabetes
  • Apendicite
  • Doença celíaca.
  • Intoxicação alimentar.
  • Abuso de ingestão de laxante.
  • Doença inflamatória do intestino

O diagnóstico de gastroenterite é clínico, pelo que é necessário descartar outras patologias.

Tratamento

Água contaminada pode provocar gastroenterite

O tratamento da gastroenterite será baseado principalmente na reidratação e boa nutrição. Não é aconselhável administrar bebidas com açúcar porque podem agravar a diarreia.

A reidratação será realizada por meio de sais de reidratação oral ou com água pura, caso os primeiros não estejam disponíveis.

Recomenda-se manter a dieta normal, diminuir a ingestão de açúcares e aumentar a ingestão de probióticos. Alguns casos de gastroenterite podem ser tratados com antieméticos, antibióticos e antiespasmódicos, mas é excepcional.

Prevenção e vacinação

As principais medidas preventivas são a boa higiene e o consumo de água e alimentos não contaminados. A lavagem das mãos diminui para 30% de incidência de gastroenterite.

Atualmente, estão sendo realizados programas de vacinação contra rotavírus, que estão sendo muito eficazes em todo o mundo.

  • Álvarez García, J. F., Sánchez Sánchez, M. T., Chiquero Palomo, M., Costo Campoamor, A., Saponi Cortés, J. M., Pérez Reyes, F., & Luengo Álvarez, J. (2004, September). Gastroenteritis eosinofílica: a propósito de dos casos. In Anales de Medicina Interna (Vol. 21, No. 9, pp. 45-49). Arán Ediciones, SL.
  • De la Serna Higuera, C., Rodríguez Gómez, S. J., Martín Arribas, M. I., Martínez Moreno, J., & Pérez Villoria, A. (2002). Gastroenteritis eosinofílica: espectro clínico de una misma entidad. In Anales de Medicina Interna (Vol. 19, No. 7, pp. 361-364).
  • Delpiano, M., Riquelme, J., Casado, F., Cristina, M., & Álvarez, H. (2006). Comportamiento clínico y costos de la gastroenteritis por rotavirus en lactantes: Adquisición comunitaria versus nosocomial. Revista chilena de infectología23(1), 35-42.
  • Lucero, A. Y. (2014). Etiología y manejo de la gastroenteritis aguda infecciosa en niños y adultos. Revista Médica Clínica Las Condes25(3), 463-472.
  • Torner, N. (2009). Estudio clínico-epidemiológico de los brotes de gastroenteritis víricas en Cataluña. Revista española de salud pública83, 659-667.