Enxerto de pele: quando usar?

O enxerto de pele é uma técnica cirúrgica que permite a cobertura de danos cutâneos usando o tecido de outra parte do corpo. Saiba mais sobre esta intervenção.
Enxerto de pele: quando usar?

Última atualização: 21 julho, 2022

A pele é o órgão que cobre o nosso corpo e serve como uma barreira contra o mundo ao nosso redor. Desta forma, ela nos protege contra infecções e também preserva as condições do meio interno. Algumas lesões cutâneas são tão extensas ou complexas que requerem o uso de um enxerto de pele para o seu tratamento.

Esse tipo de tratamento cirúrgico tem como objetivo conferir integridade ao tecido. Desta forma, protegem-se as estruturas subjacentes e se garante o efeito de barreira que a pele exerce. Finalmente, cobre-se não apenas o dano causado pela lesão, como também se faz uma tentativa de criar resultados estéticos. A seguir, vamos falar mais sobre o assunto.

O que é um enxerto de pele?

Um enxerto de pele consiste em um fragmento de pele obtido através de uma cirurgia. Nela, separe-se completamente o referido fragmento de alguma região do corpo —chamada de doadora—, para então transplantá-lo para o local receptor, ou seja, o local que apresenta um dano ou lesão.

A partir do momento em que se separa do seu local doador, o enxerto perde o fluxo sanguíneo. Por esta razão, o tecido receptor deve ter a capacidade de fornecer o suprimento sanguíneo adequado. Dessa forma, a pele transplantada poderá ser revascularizada e, portanto, poderá sobreviver na sua nova localização.

enxerto de pele
O enxerto de pele permite a recuperação da função de barreira cutânea em caso de lesões graves.

Camadas da pele

Para entender os tipos de enxertos de pele existentes, é necessário conhecer as camadas histológicas da pele. A epiderme é a camada mais superficial. Essa estrutura não possui vasos sanguíneos próprios e recebe o seu suprimento sanguíneo das porções mais profundas da pele. Assim, os enxertos apenas de epiderme fracassam e, portanto, não são úteis.

Por outro lado, a camada mais profunda da pele é a derme. Por sua vez, é possível dividi-la em duas porções: a derme papilar e a derme reticular. A primeira é a camada mais superficial, por isso os seus vasos sanguíneos são os que permitem a nutrição da epiderme sobrejacente. Sob a derme, encontra-se o tecido celular subcutâneo, rico em gordura.

Tipos de enxerto de pele

A classificação mais utilizada em enxertos de pele responde à espessura da pele envolvida. Em geral, aceitam-se dois tipos: enxertos de espessura parcial e enxertos de pele de espessura total.

  • Enxertos de espessura parcial: a espessura é variável, mas sempre deve conter uma porção da derme. Dessa forma, garante-se a doação dos elementos necessários para a regeneração celular e a nutrição da epiderme sobrejacente. De acordo com a espessura da derme envolvida, a espessura desse tecido poderá ser mais ou menos fina.
  • Enxertos de espessura total: o fragmento de pele seccionado contém tanto a epiderme quanto toda a derme. O tecido deve ser desprovido de gordura subcutânea para permitir a neovascularização.

De acordo com a forma como se usa o enxerto de pele

De acordo com a necessidade de cobertura do dano, os enxertos podem ser contínuos, ou seja, formados por um ou vários fragmentos que, quando unidos, conseguem cobrir toda a perda de substância.

Da mesma forma, também existem enxertos cutâneos descontínuos, nos quais o dano não é totalmente coberto. Entre eles estão as seguintes opções:

  • Malha de Tanner e Vandeput.
  • Enxerto multifragmentado.
  • Enxerto em faixas de Trueba.
  • Selos de Gabarro.
  • Enxerto de Davis ou de pastilha.

Situações especiais

A escolha de um tipo de enxerto em detrimento de outro responde a várias questões. A localização da perda de substância é de extrema importância, assim como a seleção do local doador.

Da mesma forma, a extensão da lesão permitirá considerar diferentes tipos de enxerto. Enquanto isso, a causa da perda de substância ajuda o cirurgião a escolher a espessura mais adequada.

Características dos enxertos de pele

Dependendo da espessura do fragmento, cada tipo de enxerto apresenta algumas vantagens em relação aos demais. Além disso, o tecido lesionado também desempenha um papel importante para o enxerto “pegar”, ou seja, para o sucesso da técnica. Vamos descrever abaixo algumas das características que é preciso considerar.

Doador e receptor

Uma vez que a pele tem uma alta antigenicidade, os enxertos de pele só podem ser originários da própria pessoa. Isso ocorre porque o sistema imunológico não é capaz de reconhecer outros elementos além dos seus. Assim, desencadeia-se uma resposta imune que acaba por rejeitar o tecido enxertado.

Esse tipo de transplante – em que o doador é o mesmo indivíduo que o receptor – é conhecido como “autoenxerto”. No entanto, existem situações (tais como grandes queimaduras) em que o uso de enxertos de pele de cadáveres, ou até mesmo de porcos, tem alguma utilidade.

Condições do tecido doador

A escolha do local de onde será retirado o enxerto de pele deve ser criteriosa para garantir o melhor resultado possível. Portanto, os fragmentos geralmente vêm de locais próximos à lesão. Em geral, sugerem-se as seguintes recomendações:

  • Ter coloração semelhante ao local receptor.
  • Nos casos de ressecção de tumores, é aconselhável escolher o membro contralateral para retirar o enxerto.
  • O tecido deve estar livre de infecção.
  • Recomenda-se que a textura e a distribuição do pelos corporais entre os dois locais (doador-receptor) sejam semelhantes.

Condições do tecido lesionado

O leito receptor é o fundo onde se deve aderir o enxerto de pele. Ele deve ter vascularização abundante para permitir que o novo tecido sobreviva. No entanto, a presença de infecções ou hemorragias diminui as taxas de sucesso e, por isso, é preciso tratá-las primeiramente.

Situações em que o enxerto de pele é útil

Apesar de representar uma solução para as lesões cutâneas complexas, nem todas as localizações do corpo permitem que os enxertos de pele sejam a melhor opção. Apesar deste problema, as principais situações em que são utilizados são as seguintes:

queimadura cuidados
Os enxertos de pele só podem vir da própria pessoa; caso contrário, ocorre uma resposta imune que rejeita o tecido.

Cicatrização da lesão

Além de proporcionar a vascularização do tecido, o leito receptor pode produzir retrações no enxerto de pele, principalmente se ele for de espessura parcial. Por isso, recomenda-se a utilização de enxertos de espessura total em áreas estéticas como a face, pois apresentam melhor cobertura e menor retração.

Por outro lado, quando as perdas de substância são muito extensas, é mais adequado utilizar fragmentos de espessura parcial, que também sejam descontínuos. A malha, por exemplo, permite aumentar a dimensão de um enxerto de pele contínuo em até três vezes. Isso amplia a capacidade de cobertura do fragmento, embora represente resultados menos estéticos.

Complicações do enxerto de pele

Assim como em qualquer tratamento cirúrgico, existem alguns riscos com o enxerto de pele. Os mais comuns incluem o seguinte:

Por outro lado, retrações, cicatrizes e mudanças na pigmentação podem afetar a aparência final do enxerto de pele. Nesses casos, pode haver a recomendação de procedimentos dermatológicos adicionais para melhorar a aparência final.

Pode interessar a você...
O que saber sobre as queimaduras
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que saber sobre as queimaduras

Sofrer de uma queimadura dentro de casa é algo muito comum. Podem variar desde leves até severas e podem chegar a serem fatais. Por isso, é fundame...



  • Prohaska J, Cook C. Skin Grafting. [Updated 2022 May 1]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2022 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK532874/
  • Revol; M.; Servant.; Injertos Cutáneos; Cirugía Plástica Reparadora y estética; 45 – 070; 2010.
  • Avellaneda, E.; Coberturas Especiales I: Injertos de Piel; Proyecto Lumbre; 7 – 18;
  • Avellaneda, E.; González, A.; González, S.; Palacios, P.; Rodríguez, E.; Bugallo, J.; Injertos en Heridas; Heridas y Cicatrización; 2 (8); 2018.
  • Blatière, V.; injertos Cutáneos: Injertos de Piel de Grosor Variable y Total; EMC – Dermatología; 55 (1) 2021.
  • Castillo. P.; Villafranca, A.; Injertos de Davis; Cuad. Cir.; 16: 64 – 68; 2002.