Displasia de quadril: causas e tratamentos

03 Outubro, 2020
O objetivo dos diferentes tratamentos para a displasia de quadril é alcançar, rápida e precocemente, uma solução do problema, de maneira estável e segura.

A displasia de quadril é um distúrbio congênito, ou seja, aparece no nascimento. Esse distúrbio afeta a articulação do quadril. Tem uma incidência de um em cada 1.000 nascidos vivos.

Em situações normais, o quadril se forma como uma articulação de bola e soquete. Quando uma pessoa nasce com displasia de quadril, o soquete geralmente é raso. Dessa forma, permite que a área em forma de bola do fêmur deslize para dentro e para fora do copo. Assim, a “bola” pode sair parcial ou totalmente do soquete.

Por outro lado, cabe mencionar que a maioria das pessoas com esse distúrbio congênito geralmente é primogênito e do sexo feminino. Um histórico familiar de displasia de quadril favorece o desenvolvimento desse problema.

Causas da displasia de quadril

Causas da displasia de quadril

A displasia de quadril, portanto, é uma situação em que há uma alteração do crescimento no nível das estruturas anatômicas, incluindo as partes moles da articulação.

Hoje, esse distúrbio é considerado uma consequência das pressões excêntricas da cabeça femoral durante o último mês de gravidez.

No entanto, a displasia de quadril é considerada um distúrbio de “herança multifatorial”. Com esse termo, os especialistas definem que o defeito de nascença é determinado por vários fatores, tanto genéticos quanto ambientais.

Por exemplo, um dos fatores ambientais que se acredita contribuir para a displasia de quadril é a resposta do bebê aos hormônios da mãe durante a gravidez.

Um útero estreito que não permite o movimento fetal ou um parto pélvico também podem causar displasia de quadril. Além disso, outro fato a ter em mente é que o quadril esquerdo costuma ser o mais afetado. Isto ocorre devido à posição do feto dentro do útero.

Tratamento para a displasia de quadril

Fisioterapia para problemas de quadril

O objetivo dos diferentes tratamentos para a displasia de quadril é alcançar, rápida e precocemente, a redução da articulação e a estabilização do quadril de maneira estável e segura.

Após uma redução e restauração da pressão concêntrica da cabeça femoral dentro do acetábulo, o teto do fêmur se ossifica e se desenvolve novamente, especialmente nos primeiros dois anos de vida, período em que a displasia é reversível, em grande medida.

O tratamento indicado dependerá de vários fatores, por exemplo, se a luxação for típica ou teratogênica, a idade ou duração da luxação, entre outros.

Tratamento da displasia de quadril desde o nascimento até seis meses

Após a redução, o segundo estágio visa preservar a posição fisiológica. Para isso, normalmente são utilizados diferentes dispositivos, sendo o mais utilizado o suspensório de Pavlik.

Este suspensório é um dispositivo dinâmico que permite o movimento ativo do quadril dentro da zona de segurança. Assim, permite o desenvolvimento normal do acetábulo e da cabeça femoral, à medida que o quadril se move em sua posição reduzida.

A duração do tratamento varia de acordo com a criança. Uma vez concluído o tratamento, é necessário fazer radiografias para verificar se a articulação está se desenvolvendo corretamente.

Leia também: A necessidade dos controles médicos em seu bebê

Tratamento de seis a dezoito meses

Controle pediátrico

Este tratamento é utilizado quando o anterior falhou e nos casos em que o diagnóstico foi tardio. Normalmente, o tratamento nesse período é a cirurgia. O fator fundamental no tratamento da displasia de quadril é conseguir uma redução concêntrica da cabeça femoral.

Uma vez alcançado, o segundo passo é manter a redução e melhorar a estabilidade do quadril, e pode ser necessário realizar osteotomias (seção ou corte cirúrgico de um osso). Vários tipos podem ser distinguidos, como:

  • Osteotomia de Salter.
  • Femoral.
  • Acetabular.
  • Osteotomia de Sutherland.
  • Osteotomia tripla de Steel.
  • Acetabuloplastias.

Não deixe de ler: Doenças do recém-nascido tratadas com cirurgia

Conclusão

A displasia de quadril é um distúrbio que é desencadeado com mais frequência em bebês do sexo feminino. Aparece no momento do nascimento, razão pela qual é considerado um distúrbio congênito e afeta 1 em cada 1.000 bebês nascidos vivos.

Hoje, esse distúrbio pode ser revertido, normalmente de uma maneira bastante simples. No entanto, quando diagnosticado tardiamente, os profissionais costuma optar por submeter o paciente a uma intervenção cirúrgica.

Se você tiver alguma dúvida sobre esse distúrbio, não hesite em consultar um profissional para que ele possa lhe dizer qual é o tratamento mais adequado para a sua situação.

  • Delgadillo Avendaño, J. M., Macías Avilés, H. A., & Hernández Yáñez, R. (2006). Desarrollo displásico de cadera. Revista Mexicana de Pediatría.
  • Moraleda, L., Albiñana, J., Salcedo, M., & Gonzaléz-Morán, G. (2013). Dysplasia in the development of the hip. Revista Española de Cirugía Ortopédica y Traumatología (English Edition). https://doi.org/10.1016/j.recote.2013.01.009
  • Isunza-Ramírez, A., & Isunza-Alonso, O. D. (2015). Displasia de la cadera. Acta Pediátrica de México. https://doi.org/10.18233/apm36no3pp205-207