Como promover um namoro saudável na adolescência?

Os primeiros relacionamentos amorosos podem ser complicados e tendem a deixar cicatrizes emocionais. Como ajudar seus filhos a terem um namoro saudável?
Como promover um namoro saudável na adolescência?

Última atualização: 01 Setembro, 2021

Promover um namoro saudável na adolescência é crucial para evitar que os jovens se exponham a feridas emocionais ou situações com resultados indesejados. É preciso lembrar que essa etapa da vida é marcada por grandes mudanças e transições que afetam o desenvolvimento da própria identidade. Portanto, os primeiros relacionamentos amorosos acabam nos afetando mais do que o esperado.

É preciso lembrar que, neste momento da vida, as emoções estão na superfície e são vividas intensamente. Assim, o primeiro amor pode parecer o único e muitas coisas começam a girar em torno dele. Embora isso seja muito normal, como pais é importante orientar e supervisionar para que a experiência não se torne desagradável ou perigosa. O que fazer quanto a isso?

Dicas para promover um namoro saudável na adolescência

É impossível prever 100% como serão as primeiras relações afetivas dos nossos filhos. No entanto, o trabalho educacional prévio tem uma grande influência.

Não estamos nos referindo à formação acadêmica ou aos bons modos, mas ao grau em que o jovem conseguiu desenvolver uma autoestima saudável e uma boa inteligência emocional. Por esse motivo, é importante realizar essas tarefas o mais rápido possível.

Potencialize sua autoestima e dignidade

Esses elementos podem se tornar a tábua de salvação dos adolescentes no início da sua vida emocional. Um jovem com uma autoestima forte e saudável poderá escolher parceiros que o nutram, respeitem e elevem.

Além disso, ele também poderá perceber claramente quando um vínculo já estabelecido não está atendendo a padrões mínimos de carinho e bom tratamento, e terá menos dificuldade em encerrá-lo.

Para conseguir isso, é imperativo que a criança cresça em um ambiente amoroso e harmonioso, onde possa aprender o que é o amor, o que ela vale e que tipo de atitude pode esperar dos outros. A maneira como os pais lidam com a criança e como a tratam estabelecerá a base para o que ela procurará reproduzir no futuro.

Ofereça a ele uma boa educação emocional

A inteligência emocional é a capacidade que nos permite identificar o que sentimos, expressar esses sentimentos e gerenciá-los, bem como reconhecer as emoções dos outros e saber como lidar com elas. Você consegue pensar em um aspecto mais importante do que este ao estabelecer um namoro saudável na adolescência?

É importante que, desde a infância, você ensine seus filhos a navegar pelo mundo emocional; que você forneça a eles um amplo vocabulário sobre isso e lhes ofereça ferramentas para lidar com estados emocionais intensos. Isso evitará explosões de raiva, angústia e tristeza incontrolável, e também permitirá que o jovem seja mais empático com os demais.

Dicas para promover um namoro saudável na adolescência
Uma boa educação emocional ajudará o adolescente a reconhecer aqueles comportamentos do parceiro(a) que não são saudáveis.

Ensine-o a usar a assertividade

Todos os relacionamentos humanos passam por conflitos em algum momento; o importante é que seus filhos saibam como resolvê-los de forma saudável. Para isso, a comunicação assertiva é essencial.

Ao chegar à adolescência, eles devem ser capazes de expressar suas opiniões e preferências, estabelecer limites e fazer solicitações firmes, mas respeitosas. Desta forma, reduz-se o risco de implementarem ou serem vítimas de atitudes dominantes, coerção e chantagem emocional.

Envolva-se a partir do entendimento, não do julgamento

Não importa quão bem você os tenha educado durante a infância e a puberdade, é lógico e esperado que seus filhos ainda tenham dificuldades(típicas da idade e falta de experiência) no que diz respeito aos relacionamentos emocionais. Portanto, é importante que eles contem com a sua supervisão e orientação.

Você precisa se envolver, conhecer as pessoas com quem ele anda (incluindo seus parceiros) e abordá-las de maneira respeitosa e solidária. Evite julgamentos e críticas, pois isso só criará distância e falta de comunicação.

Pelo contrário, ouça o que o jovem tem a dizer, valide as suas emoções e dê conselhos, tendo consciência da fase que ele está a atravessar. Agora, se você detectar qualquer vínculo perigoso ou prejudicial, fique à vontade para impor limites.

Características de um namoro saudável na adolescência

É verdade que a adolescência é marcada pela paixão, impulsividade e intensidade emocional, mas isso não é motivo para justificar ou normalizar abusos de qualquer natureza. Nesse sentido, procure transmitir em que consiste um namoro saudável e fique atento a qualquer sinal que se desvie dessa descrição.

Sinceridade

A confiança é a base de qualquer relacionamento saudável e, para que exista, ambas as partes devem ser honestas e sinceras. Mentiras, trapaças e infidelidade não têm lugar no vínculo que os jovens devem buscar.

Respeito

Nem o ciúme, nem a raiva, nem qualquer outra emoção justificam o desrespeito ou os maus-tratos. Por mais irritada que uma pessoa possa estar, ela nunca terá o direito de atacar, humilhar ou insultar. Esses são sinais de alerta aos quais os adolescentes devem estar muito atentos para ficar longe desde o primeiro momento em que aparecerem.

Por outro lado, respeitar o parceiro implica permitir que ele se desenvolva de forma plena e abrangente. Nenhum jovem deve desistir de seus hobbies ou amigos por outra pessoa. Ninguém deve negligenciar seus estudos, se afastar de sua família ou mudar sua aparência física. Alguém que deseja mudar ou isolar você não está lhe oferecendo um relacionamento saudável.

Apoio

Durante a adolescência – e em qualquer momento da vida – o parceiro deve ser, antes de mais nada, um amigo. Deve ser alguém que oferece escuta, compreensão e conforto, alguém que incentiva e motiva.

Reciprocidade

É comum que muitos jovens estabeleçam relações desiguais em que uma parte está muito mais envolvida do que a outra ou investe mais tempo, esforço e emoções. Deve ficar claro para eles que o vínculo afetivo consiste em dar e receber, em compartilhar, e não em se esvaziar para preencher o outro.

Características de um namoro saudável
A reciprocidade é uma das principais características dos relacionamentos amorosos.

Boa comunicação

Por fim, ambos os membros do casal devem estar dispostos a ouvir, dialogar, negociar e chegar a acordos. O adolescente deve sentir que pode expressar ao outro como se sente e saber que suas emoções serão atendidas e validadas.

Se o parceiro amoroso acusa seu filho ou filha de ser exagerado ou louco quando expõe algo que lhe causa dor ou conflito, ele deve saber que este não é o seu lugar.

É possível promover um namoro saudável na adolescência

É verdade que é impossível proteger os jovens dessas primeiras e dolorosas decepções românticas. Ainda assim, como pais é possível disponibilizar recursos pessoais para que possam tomar boas decisões e se afastar de situações perigosas.

Não podemos ignorar que as futuras interações românticas também podem depender dessas primeiras experiências. Por isso, certifique-se de que seu filho encontre em você um aliado e um guia para acompanhá-lo nesta difícil etapa.

Pode interessar a você...
Saúde na adolescência: sinais de alerta que merecem a nossa atenção
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Saúde na adolescência: sinais de alerta que merecem a nossa atenção

Os sinais de alerta relacionados à saúde na adolescência e a sua identificação precoce são fundamentais para o bem-estar do adolescente.



  • Moral, M. V., García, A., Cuetos, G., & Sirvent, C. (2017). Violencia en el noviazgo, dependencia emocional y autoestima en adolescentes y jóvenes españoles. Revista iberoamericana de psicología y salud8(2), 96-107.
  • Gómez-González, M. L., Castaño-Gallego, Y. T., Concha-Hurtado, I., Pérez-Henao, Y., & Valencia-Galvis, Y. (2020). Saber para crecer en el amor: Conocimientos de los adolescentes sobre la violencia en el noviazgo. Una revisión de literatura.
  • Collins, N. L., Cooper, M. L., Albino, A., & Allard, L. (2002). Psychosocial vulnerability from adolescence to adulthood: A prospective study of attachment style differences in relationship functioning and partner choice. Journal of personality70(6), 965-1008.
  • Medina, C. J., Rivera, L. Y., & Aguasvivas, J. A. (2016). El apego adulto y la calidad percibida de las relaciones de pareja: evidencias a partir de una población adulta joven. Salud & Sociedad7(3), 306-318.