Como detectar a tempo que sua tireoide está funcionando mal

12 de janeiro de 2019
Ainda que o hipotireoidismo seja mais frequente do que o hipertireoidismo, o fato é que ambos os problemas devem ser tratados para que não influencie no desenvolvimento normal da vida do paciente.

Quando algo não está bem em nosso corpo costumamos experimentar uma série de sintomas que podem interromper nossa rotina. Um dos mais recorrentes tem a ver com a glândula tireoide cujas alterações desencadeiam várias reações em nosso organismo.

Entretanto, quase sempre confundimos esses sintomas com problemas comuns, como por exemplo, resfriados ou problemas estomacais. Assim, não lhes damos a devida importância.

Entretanto, os problemas relacionados à tireoide, requerem mais atenção de nossa parte.

Esta pequena glândula, em forma de borboleta, está localizada no pescoço. É a encarregada de produzir hormônios para regular o crescimento, o metabolismo, a frequência cardíaca e outras funções vitais.

Apesar de a maioria dos sintomas terem a ver com outros problemas, estima-se que 10% da população mundial tem alguma alteração em sua função. As mais afetadas são as mulheres, especialmente a partir dos 40 anos ou depois da gravidez.

Como detectar o mau funcionamento da tireoide?

Estudo da tireoide

Se algo alterar a saúde da glândula tireoide podem ocorrer duas situações:

  • Hipertireoidismo: quando a glândula produz hormônios em excesso.
  • Hipotireoidismo: quando a glândula deixa de produzir a quantidade necessária de hormônios.

Os dois casos acontecem por questões imunológicas, porque os anticorpos começam a influenciar no órgão, então, ele trabalha de uma forma inadequada.

Assim, o ponto de partida para sua detecção são as anormalidades que os pacientes apresentam em sua saúde física e emocional.

Os sintomas variam segundo o tipo de problema mas, em geral, são eles que abrem portas para uma busca atenciosa por parte dos médicos.

Após suspeitar de um problema na tireoide, o médico, primeiramente, avalia o indivíduo apalpando seu pescoço. Logo depois, realiza um exame de sangue onde determina os valores de TSH e hormônio da tireoide para corroborar os níveis em que se encontram.

Finalmente, com o diagnóstico oportuno e adequado, faz-se uma série de modificações no estilo de vida e é proposto um tratamento para controlar problemas na glândula.

Como suspeitar do hipertireoidismo?

Médico examinando a tireoide de paciente

O hipertireoidismo ocorre quando o organismo segrega mais hormônios do que o necessário, então, há um aumento na taxa metabólica.

Não deixe de ler: Estresse e hipertireoidismo: um relacionamento que você deve conhecer

Devido a isso, o corpo experimenta algumas mudanças com relação ao seu estado normal e o paciente pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Palpitações ou aumento da frequência cardíaca.
  • Aumento da pressão sanguínea.
  • Nervosismo, ansiedade e insônia.
  • Aumento do apetite ou perda de peso excessiva.
  • Cabelo e unhas frágeis.
  • Cansaço muscular.
  • Sensibilidade ao calor e sudoração excessiva.
  • Dificuldades na visão.
  • Períodos menstruais irregulares.
  • Evacuações intestinais constantes.
  • Tremores.

Como suspeitar do hipotireoidismo?

Os casos de hipotireoidismo são até quatro vezes mais frequentes do que os de hipertireoidismo. Ocorrem pela diminuição na produção dos hormônios da tireoide.

Isso ocasiona um desequilíbrio no organismo, portanto, aparecem sintomas como:

  • Sensação de fraqueza ou fatiga crônica.
  • Intolerância ao frio.
  • Perda de apetite e ganho de peso.
  • Retenção de líquidos.
  • Pressão sanguínea alta.
  • Pele fria, seca e áspera.
  • Cabelo seco e fino e unhas quebradiças.
  • Dificuldades de concentração e problemas de memória.
  • Fala e movimentos lentos.
  • Irregularidades com o período menstrual.
  • Dor nas articulações.
  • Decaimento e sonolência.

Leia também: Dieta contra o hipotireoidismo

Como detectar em casa um problema na tireoide?

Mulher apalpando a tireoide

Além de considerar os sintomas mencionados em cada caso, existe um método simples para detectar uma doença na tireoide sem sair de casa.

Instruções

  • Primeiramente, pegue um espelho e se concentre na região frontal inferior do pescoço, acima das clavículas e abaixo da caixa de voz.
  • A seguir, incline a cabeça para trás, pegue um copo de água e preste atenção nos movimentos enquanto vai tomando a água.
  • Se ao engolir observar um nó ou protuberância nessa área, consulte um médico.

Se os incômodos em sua saúde forem permanentes e não melhorarem com os tratamentos comuns, então, o mais apropriado é consultar um especialista para receber um diagnóstico adequado.

Ao comprovar que algo anda mal na tireoide, comprometa-se com seu estilo de vida para que os sintomas não se agravem.

Tireoides e alimentação

A glândula tireoide usa iodo para a produção adequada de hormônios. Portanto, um teor deficiente deste nutriente pode alterar seu funcionamento ou piorá-lo.

Entretanto, o iodo pode ser absorvido de forma natural através de alimentos como por exemplo:

  • O alho.
  • O feijão.
  • O iogurte natural.
  • O queijo e o leite.
  • As algas marinhas.
  • O rabanete picante.
  • As maçãs.
  • As laranjas.
  • As acelgas.
  • A cebola.
  • O abacaxi.

A consulta com o médico é indispensável, pois, de acordo com sua avaliação, será determinado o tratamento adequado.

Além disso, para acertar na dieta, procure também consultar um nutricionista de confiança.

As informações foram úteis pra você? Sendo assim, continue lendo nossos artigos com mais dicas para a sua saúde e bem-estar.

  • Pineda, J., Galofré, J. C., Toni, M., & Anda, E. (2016). Hipotiroidismo. Medicine (Spain)12(13), 722–730. https://doi.org/10.1016/j.med.2016.06.002
  • Toni, M., Pineda, J., Anda, E., & Galofré, J. C. (2016). Hipertiroidismo. Medicine (Spain)12(13), 731–741. https://doi.org/10.1016/j.med.2016.06.003
  • Medrano, E., De Santillana, S., Torres, L., Gómez, R., Rivera, R., & Sosa-Caballero, A. (2012). Diagnóstico y tratamiento del hipotiroidismo primario en adultos. Rev Med Inst Mex Seguro Soc50(1), 71–80. https://doi.org/289-1A