Tudo que você precisa saber sobre a cauda vestigial

07 Setembro, 2020
A cauda vestigial é uma das doenças mais raras do mundo. Acredita-se que seja decorrente de alterações genéticas. No entanto, sua causa não é conhecida com precisão.
 

A cauda vestigial, também conhecida como cauda humana, é uma extravagância fenotípica da qual apenas cerca de 100 casos são conhecidos em todo o mundo. É uma das doenças mais raras que existem.

Essa cauda cresce na parte final do sacro, na altura do cóccix, e costuma ser composta por tecido conjuntivo, músculos, vasos sanguíneos, nervos e pele. No entanto, em alguns casos, outras estruturas com vértebras e cartilagem também podem aparecer.

Geralmente, a cauda vestigial é removida assim que o bebê nasce. No entanto, em algumas ocasiões, essa intervenção não é realizada e, portanto, o adulto a preserva ao longo da sua vida.

Além disso, muitos desses casos foram relacionados à doença da espinha bífida, um problema congênito que faz com que o canal espinhal não se feche completamente durante a gravidez.

Estudos confirmam que os casos de cauda vestigial são duas vezes mais prováveis ​​nos homens do que nas mulheres.

Causas do aparecimento da cauda vestigial

A causa da cauda vestigial é uma mutação genética

A realidade é que a causa desta doença rara não é totalmente conhecida.

Os cientistas deduziram que se trata de uma mutação genética, que reativa um caráter oculto do nosso desenvolvimento evolutivo que permaneceu reprimido no genoma humano.

 

Além disso, estudos e pesquisas recentes obtiveram resultados que reforçaram essa teoria. Para verificar se esses genes também estavam no genoma humano, foram estudados os genes responsáveis ​​pelo desenvolvimento da cauda em camundongos e outros animais vertebrados.

Os seres humanos não desenvolvem mais uma cauda, ​​apesar de possuírem genes para tal, porque a regulação desses genes causa a morte celular, ou a apoptose das células que estavam destinadas ao desenvolvimento dessa cauda vestigial.

Leia também: Que aparência seus filhos podem ter segundo a genética

Em outras palavras, em nosso organismo, temos ordens e instruções suficientes para desenvolver uma cauda, mas essas ordens são destruídas. Como consequência desses genes, uma cauda pode ser observada em humanos entre 4 e 8 semanas de gestação.

Devido a esses poucos casos de humanos com caudas vestigiais, ​​um animado debate foi aberto no mundo da medicina e da evolução.

Características

Características genéticas

É importante levar em conta que, embora tenha esse nome, na maioria dos casos não se trata de uma cauda propriamente dita. Uma cauda normal, como a de um gato ou cachorro, é composta por uma série de ossos, cartilagens, medula espinhal e músculos bem diferenciados, que permitem seu movimento correto.

 

No entanto, nos casos da cauda vestigial descrita, nenhuma dessas estruturas existe e os poucos músculos que a formam, sem ossos para se juntar e inserir, não serão capazes de se contrair de forma coordenada ou se mover como faria a cauda de qualquer animal.

Como vimos, a cauda vestigial é formada por:

  • Tecido conjuntivo.
  • Estruturas musculares.
  • Vasos sanguíneos.
  • Nervos.
  • Pele.

Todas essas estruturas permitirão que a cauda se mova e contraia de acordo com a vontade da criança, mas sem nenhuma coordenação e com muitas limitações.

Isso também pode interessar você: Detecção de anomalias congênitas no recém-nascido

Por outro lado, o tamanho da cauda vestigial varia de acordo com os casos observados. A mais longa registrada foi há um tempo atrás, em um garoto da então Indochina francesa. O tamanho da cauda vestigial era de 229 mm.

Muitas vezes é difícil diferenciar entre espinha bífida e cauda vestigial. Por exemplo, há um caso de um garoto indiano chamado Chandre Oram que ficou famoso pela sua longa “cauda”. No entanto, essa alteração não foi uma cauda verdadeira, e sim um caso de espinha bífida.

 
  • Manuel Soler. (2002). EVOLUCION La base de la Biologia. © Proyecto Sur de Ediciones, S.L.
  • Rouco, I., Barredo, J., & Zarranz, J. J. (2013). Enfermedades de la médula espinal. Neurología. https://doi.org/10.1016/B978-84-8086-750-4/00019-3
  • Río, R. Del, & Guiñez Gahona, R. (2015). Espina bífida, prevención, diagnóstico y manejo prenatal. Rev. Ped. Elec.