Biópsia da tireoide: tudo que você precisa saber

A biópsia da tireoide é um exame que ajuda a descartar e diagnosticar os diferentes tipos de câncer que podem ocorrer nessa glândula. Explicaremos em que consiste e como é feito a seguir.
Biópsia da tireoide: tudo que você precisa saber

Última atualização: 23 Julho, 2021

A biópsia da tireoide é um procedimento muito comum atualmente. Permite extrair amostras da glândula e analisá-las em laboratório. Isso pode diagnosticar ou descartar muitas doenças, como o câncer.

Existem diferentes métodos para realizar a biópsia. A mais utilizada é a punção aspirativa por agulha fina, embora existam outras que auxiliam quando um diagnóstico claro não é obtido.

Graças à biópsia da tireoide, um tratamento específico pode ser estabelecido dependendo da patologia. Portanto, neste artigo, explicaremos tudo o que você precisa saber sobre este exame, como é realizado e para que serve.

O que é uma biópsia da tireoide?

A biópsia da tireoide é um procedimento utilizado para diagnosticar diversas patologias que acometem essa glândula. A tireoide é um órgão localizado na parte frontal do pescoço, em frente à traqueia. É responsável pela produção de hormônios que têm um papel fundamental no controle do metabolismo.

A biópsia da tireoide consiste na remoção de uma amostra do tecido da glândula tireoide. Esta amostra é examinada em laboratório com um microscópio.

Como apontamos na introdução, existem diferentes maneiras de fazer isso. A mais comum é a biópsia aspirativa por agulha fina. Nesses casos, geralmente é feita em ambiente ambulatorial e usando apenas anestesia local.

No entanto, outras técnicas requerem anestesia geral e são um pouco mais complexas. A ideia é obter parte do tecido a partir dos nódulos que surgiram. Em geral, as amostras são retiradas daqueles que podem ser sentidos através da pele.

Conforme declarado em uma publicação do Radiology Info, os nódulos dos quais a amostra é obtida geralmente são um pouco maiores que 1 centímetro. Para realizar este exame de forma mais segura ou específica, um ultrassom é realizado simultaneamente. Graças a ele, é mais fácil localizar a posição exata dos nódulos, principalmente se forem pequenos.

Câncer na tireoide
Os nódulos da tireoide são uma indicação comum de biópsia para descartar a malignidade.

Tipos de biópsia da tireoide

A biópsia da tireoide pode ser realizada de diferentes maneiras. Em geral, elas são divididas em dois tipos: punção e aberta. Nas seções a seguir, explicaremos em que consiste cada uma.

1. Biópsia por punção

A biópsia por punção é aquela realizada com agulhas de calibres diferentes. Dentro deste grupo encontramos a biópsia por aspiração com agulha fina. É a mais usada. Conforme explicado por especialistas da Clínica Mayo, uma agulha fina e oca é usada para extrair as células.

Geralmente é combinada com um ultrassom simultâneo para direcionar a agulha para um ponto específico. Essa técnica é realizada no hospital ou no próprio consultório. Dura cerca de 10 minutos e não requer anestesia geral, pois é um exame minimamente invasivo.

Para realizá-lo, o paciente deve se deitar de costas com o pescoço estendido. É essencial que ele permaneça imóvel e quieto durante o processo, pois qualquer movimento pode interferir na direção da agulha.

A biópsia por punção também pode ser feita com uma agulha grossa. Permite extrair amostras do tamanho de um grão de arroz. É importante que as amostras sejam obtidas dos diferentes nódulos da glândula.

Terminado o processo, a área é limpa e um curativo é colocado nos pontos onde a agulha foi inserida. É normal que, depois disso, haja um leve desconforto na área.

2. Biópsia aberta

A biópsia da tireoide também pode ser feita mediante uma cirurgia. Nesses casos, é chamada de biópsia aberta. Consiste em fazer um pequeno corte no pescoço e retirar o nódulo ou colher uma amostra menor para enviar ao laboratório.

Em alguns casos, uma grande parte da glândula é removida. Essa técnica é indicada quando a biópsia por punção não fornece um diagnóstico preciso.

A anestesia geral é necessária para esta cirurgia, que deve ser realizada no centro cirúrgico. É menos usada porque apresenta mais riscos. Por exemplo, aumenta a chance de infecção, sangramento e problemas de cicatrização.

Por que fazer uma biópsia da tireoide?

Uma biópsia da tireoide é realizada para determinar a causa de um nódulo (caroço) que aparece na glândulaA maioria deles é detectada com antecedência por meio de um exame físico. Eles também podem ter sido vistos por um ultrassom.

Graças a esse exame, as células que compõem o nódulo são observadas. Isso permite verificar se há malignidade e se há presença de câncer ou não.

A biópsia da tireoide também é usada para estudar certos casos de bócio, caracterizados por um aumento da tireoide.

Como se preparar para este procedimento?

Antes de realizar uma biópsia da tireoide, é essencial que o médico conheça o histórico médico do paciente. Ele deve saber se você toma algum medicamento ou se tem alguma outra patologia. Um exame prévio também é necessário para localizar os nódulos.

O normal é que alguns exames complementares sejam feitos antes da biópsia, como um exame de sangue e um ultrassom.

Nenhuma preparação específica é necessária para a biópsia por punção. Por se tratar de um exame ambulatorial e sem anestesia geral, não é necessário fazer jejum prévio.

Se a biópsia da tireoide for aberta, será usada anestesia geral. Por se tratar de uma intervenção mais complexa, serão dadas indicações específicas ao paciente. Nesse caso, você não deve comer ou beber antes do procedimento. Além disso, será necessário permanecer em repouso nas horas seguintes.

Possíveis resultados de uma biópsia da tireoide

Análise de exame
A análise da anatomia patológica da amostra de biópsia permite determinar a malignidade das células.

A biópsia da tireoide oferece muitas informações sobre o estado da glândula. Quando a amostra é analisada em laboratório, é feito um extenso relatório que descreve diferentes parâmetros.

Primeiro, a cor, a consistência e a aparência geral são explicadas. Em seguida, são descritas as células que a compõem, tanto em número quanto em morfologia. Desta forma, conforme explicado pela American Thyroid Association, os resultados de uma biópsia da tireoide podem ser os seguintes:

  • Benigno: a maioria das biópsias fornece esse resultado. São nódulos constituídos por células diferenciadas, sem atipias. Um monitoramento periódico costuma ser realizado nos meses seguintes e não é necessária intervenção.
  • Suspeito de malignidade: estes tipos de resultados significam que existem certas características que orientam para um diagnóstico de malignidade, mas não são conclusivos.
  • Malignidade: é quando células cancerosas são observadas na amostra. O câncer de tireoide mais comum é o papilar. O tratamento costuma ser cirúrgico.
  • Atipia de significado indeterminado: semelhante à categoria de suspeita de malignidade. No entanto, embora se observem traços preocupantes, há também características que se orientam para algo benigno. Idealmente, deve-se repetir a biópsia em caso de dúvida.
  • Não diagnóstico: é aquele em que não foram obtidas células suficientes para estabelecer um diagnóstico preciso.

A biópsia é um exame fundamental para o câncer

O que devemos lembrar é que, atualmente, a biópsia da tireoide é o exame básico para poder diagnosticar o câncer da glândula. Na verdade, ele não só revela a presença de malignidade, mas também permite a identificação do tipo específico de tumor.

Dessa forma, permite estabelecer um protocolo de tratamento adequado dependendo da patologia. Além disso, é um exame que costuma ser realizado em regime ambulatorial e com baixo risco de complicações.

Pode interessar a você...
Hipotireoidismo: como cuidar de suas tireoides
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Hipotireoidismo: como cuidar de suas tireoides

O hipotireoidismo é uma doença das glândulas tireoides em que elas param de produzir a quantidade habitual de hormônio da tireoide. Saiba mais nest...