Benefícios desconhecidos de comer 4 dentes de alho por dia

25 de janeiro de 2020
Para manter uma boa saúde, não é necessário comer 4 dentes de alho todos os dias. No entanto, diversos especialistas recomendam incluir este alimento em uma dieta equilibrada, com moderação, como é o caso da mediterrânea.

Muitas pessoas afirmam que seria benéfico comer um ou vários dentes de alho regularmente. Alguns costumam dizer que comer um dente de alho em jejum permite cuidar da saúde cardiovascular. Partindo dessa ideia, quais benefícios quatro dentes de alho poderiam proporcionar?

O alho é um alimento muito usado na culinária. Com ele, podemos temperar diversos pratos e até preparar molhos deliciosos. Ele oferece um sabor muito particular e permite obter preparos com um aroma maravilhoso, como o pão de alho, por exemplo.

O alho, um alimento milenar

A planta do alho pertence à família Allium (assim como a cebola e o alho-poró). Dos seus bulbos, obtemos os dentes de alho. 

dentes de alho

A Fundação Espanhola de Nutrição indica que o alho (Allium sativumL.) é um alimento pobre em calorias, fonte de minerais como o iodo, o fósforo e o potássio. Além disso, contém vitamina B6 e compostos sulfurados (entre os quais se destaca a alicina).

A alicina é um composto sulfurado liberado ao cortar ou amassar o dente de alho. A ela, foram atribuídas propriedades antibióticas e antioxidantes, embora também existam indícios de que ela possa atuar como um agente hipoglicêmico (ou seja, poderia ajudar a reduzir os níveis de açúcar no sangue).

Benefícios decorrentes do consumo de 4 dentes de alho

Pão de alho caseiro

1. Pode ajudar a reduzir o colesterol

Foram realizados diversos estudos para avaliar se o consumo de dentes de alho poderia ajudar a reduzir o colesterol e, especificamente, o colesterol mau. Por esta razão, o alho é popularmente recomendado a pessoas que têm níveis de colesterol altos.

Muitos também acreditam que comer dentes de alho poderia ajudar a prevenir o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, derrames cerebrais, infartos e pressão arterial alta.

2. Pode ajudar a combater viroses

dentes de alho

Segundo algumas crenças populares, o alho poderia ajudar a eliminar os agentes patogênicos que causam infecções (como a gripe, por exemplo). Por isso, costuma-se dizer que comer dentes de alho pode ajudar a afastar as doenças infecciosas.

3. Pode favorecer a saúde óssea

Segundo um estudo, o alho poderia contribuir para o alívio da inflamação em mulheres na menopausa com osteoporose. Especificamente, ele afetaria a metabolização do estrogênio, o que poderia ser a explicação científica para este benefício.

4. Pode melhorar o rendimento

A Fundação Espanhola de Nutrição indica que, na Antiguidade, o alho era usado para reduzir a fadiga e aumentar a capacidade dos trabalhadores em termos de força e resistência.

Os atletas olímpicos da Grécia Antiga também consumiam alho antes das provas. Por isso, acredita-se que comer dentes de alho possa favorecer o rendimento físico.

Benefícios adicionais

Segundo alguns estudos, incluir o consumo de dentes de alho na dieta regularmente poderia:

  • Reduzir os níveis de açúcar no sangue.
  • Fluidificar o sangue, melhorando a circulação.
  • Melhorar o funcionamento do fígado e do sistema renal.
  • Apoiar a saúde do coração e o restante do sistema cardiovascular.

Algumas crenças populares também indicam que comer dentes de alho poderia ajudar a fortalecer o sistema imunológico, prevenindo infecções (ou reduzindo o seu impacto no organismo).

Como consumi-lo? Cru ou assado?

Propriedades do alho para a saúde

Os especialistas da Fundação Espanhola de Nutrição explicam o seguinte: “Os efeitos que o alho possui parecem se manifestar, sobretudo, quando este alimento é ingerido cru. No entanto, alguns autores indicam que ele mantém suas propriedades após um processo de fritura ou cocção”.

Há quem considere que, para tirar proveito dos benefícios do alho, seria necessário comê-lo cru. No entanto, outros afirmam que o mais recomendável seria cozinhá-lo de algumas maneiras específicas, pois o calor permitiria que seus compostos “se ativassem”.

Acredita-se que, colocando em prática certas técnicas, seria possível evitar a perda de nutrientes ao assar o alho. Uma delas consiste em picá-lo e deixá-lo repousando durante 45 minutos. Nesse tempo, a alicina se ativaria e não se destruiria quando o alimento fosse cozido. Desta maneira, seria possível consumi-lo tanto cru quanto cozido, sem perder as suas propriedades.

  • Kim, J. S., Kang, O. J., & Gweon, O. C. (2013). Comparison of phenolic acids and flavonoids in black garlic at different thermal processing steps. Journal of Functional Foods. https://doi.org/10.1016/j.jff.2012.08.006
  • Macpherson, L. J., Geierstanger, B. H., Viswanath, V., Bandell, M., Eid, S. R., Hwang, S. W., & Patapoutian, A. (2005). The pungency of garlic: Activation of TRPA1 and TRPV1 in response to allicin. Current Biology. https://doi.org/10.1016/j.cub.2005.04.018
  • Cavagnaro, P. F., Camargo, A., Galmarini, C. R., & Simon, P. W. (2007). Effect of cooking on garlic (Allium sativum L.) antiplatelet activity and thiosulfinates content. Journal of Agricultural and Food Chemistry. https://doi.org/10.1021/jf062587s