A obsessão da perfeição estética chegou às partes privadas

O desejo de ter as partes íntimas perfeitas é cada vez mais comum. A obsessão com elas coincide com o aumento de imagens na mídia. A perfeição estética chegou às partes privadas!
A preocupação com a beleza está cada vez mais presente em nossa sociedade. Nós cuidamos de aspectos que eram impensáveis ​​alguns anos atrás.

Tanto que muitas pessoas se perguntam se o interesse em se parecer bem não atingiu o extremo, se não se tornou uma obsessão que, como tal, nos prejudica mais do que nos beneficia.

No entanto, aspirar a se sentir bem não significa buscar a perfeição. Enquanto que o primeiro é acessível e gera felicidade, o último é impossível, por isso é comum provocar frustração.

Nunca achamos que é suficiente e sempre encontramos algum defeito para ocultar ou modificar. Além disso, os padrões de beleza mudam constantemente, então entramos em um estado de alerta permanente que não conseguimos deixar para trás.

Na verdade, essa obsessão é a origem de certos transtornos mentais, como a anorexia, a bulimia ou a vigorexia ou a obsessão pela cirurgia plástica.

A insatisfação com a nossa imagem pode até nos levar a colocar nossa saúde em risco. Um exemplo disto é o aumento das intervenções cirúrgicas nos genitais.

Já não é apenas uma depilação com mais ou menos fantasia: agora chegamos ao ponto de nos colocar nas mãos dos cirurgiões para moldar nossos órgãos genitais. É isso mesmo! A perfeição estética chegou às partes privadas!

As partes íntimas em julgamento: em busca da vulva perfeita

Fotografia de partes privadas

A intervenção mais popular neste caso é a labioplastia. Consiste em reduzir o tamanho dos lábios menores.

As mulheres que se submetem a ela acreditam que suas partes privadas são muito grandes, ou pequenas… O ponto é que elas não se sentem bem com sua aparência e querem resolver isso.

No entanto, algumas mulheres advertem que o fazem por conveniência. Os benefícios desta operação são variados.

Além da estética, muitas mulheres optam por isso porque o tamanho de suas partes privadas as impede de praticar esportes com conforto ou ter relações sexuais mais prazerosas.

  • É verdade que pode ser um impedimento na cama ou no esporte, mas apenas em casos limitados.
  • Um excesso de pele ou espessura pode dificultar a penetração ou outros jogos, bem como correr ou se mover livremente.

Apesar disso, a estética desempenha um papel importante na grande maioria dos casos.

Devido ao aumento do acesso à nudez em diversos meios de comunicação, foi criado um padrão de “vagina perfeita”. Portanto, como em outras áreas do corpo, a obsessão com a estética leva à sala de operações muitas mulheres. Porque a perfeição estética chegou às partes privadas.

A vulva perfeita, um desejo livre?

Mulher mostrando seu corpo

Como dissemos, é impressionante que a crescente preocupação com esta questão esteja ocorrendo no momento em que o corpo nu está mais exposto do que antes.

Seja em gêneros convencionais ou pornográficos, o corpo é muito visível.

Se olharmos para trás, iremos perceber que a mídia tem sido muito importante em como olhamos para o nosso corpo.

Nesse sentido, quando vemos uma série de partes íntimas perfeitas, comparamo-nos e começamos a pensar que nossa diferença é uma imperfeição.

Portanto, começamos um processo de digestão da referida imperfeição, quase inconscientemente.

A partir daqui, podemos reagir de duas maneiras: encontrar soluções para modificar nosso corpo ou aceitar essa diferença.

Assim, a crescente obsessão com a estética tornou a primeira opção preferida por um setor da população maior do que se poderia pensar.

As partes privadas nunca estiveram tão presentes em nossas preocupações estéticas. É verdade que o tamanho do pênis tem sido uma constante neste sentido, mas não no caso das mulheres.

Pode-se perguntar por que isso está acontecendo e se essa obsessão nasce de uma maneira genuína em nós ou se, pelo contrário, ela vem do desejo de se assemelhar ao que vemos na mídia.

Recomendados para você