Mejor con Salud
 

7 coisas interessantes que seu corpo faz enquanto você dorme

Ter um período de sono profundo e reparador é uma questão de saúde. Quando o descanso é encurtado ou interrompido, podem ocorrer problemas. O que acontece quando você está dormindo?

7 coisas interessantes que seu corpo faz enquanto você dorme

Última atualização 30 Setembro, 2020

Uma das principais necessidades que nosso corpo tem é dormir entre 7 e 8 horas todos os dias, já que, durante as horas de sono profundo, o organismo se repara e renova as energias para que possa assumir uma nova jornada com a melhor disposição física e mental.

O que poucos sabem é que, justo nesse período, são realizadas algumas ações interessantes que influenciam na sua qualidade de vida e na saúde em geral. A seguir, vamos falar um pouco mais sobre o que pode acontecer quando conseguimos um sono profundo. Você vai se surpreender!

1. O movimento dos olhos aumenta

Estima-se que durante o ciclo de sono atravessamos cinco etapas, sendo a última a mais profunda de todas. Esta é conhecida como a fase de REM (Rapid Eye Movement ou Movimento Rápido dos Olhos) e se caracteriza por um movimento contínuo dos olhos e a ocorrência dos sonhos.

De acordo com uma publicação de WebMD, essa fase é alcançada cerca de 90 minutos após adormecer e representa 20% do sono total. Além disso, é sugerido que o movimento dos olhos se deve ao cérebro estar mais ativo.

Uma das coisas curiosas que acontecem quando você está dormindo é o que se conhece como movimento rápido dos olhos.

2. Produz-se o hormônio do crescimento

Uma das razões pelas quais dormir bem é tão importante é porque, justo nesse momento, o organismo realiza um processo no qual o hormônio do crescimento é secretado.

Segundo publicação da Clínica Mayo, o hormônio do crescimento é responsável por estimular o crescimento de bebês e crianças e, além disso, manter tecidos e órgãos saudáveis ​​ao longo da vida.

3. Os rins ficam com mais capacidade

Durante a jornada ativa, os rins trabalham para filtrar as toxinas presentes no sangue e, assim, produzir urina. No entanto, quando estamos profundamente adormecidos, esse trabalho se torna mais lento e existe uma menor produção de urina em comparação com o dia. 

Isso explica porque quase nunca é necessário se levantar para urinar durante a noite e no dia seguinte a urina tende a estar mais escura. Segundo um estudo publicado na Nature Communications, realizado em animais, uma proteína chamada connexin43 seria a responsável por ajudar os rins a terem também um relógio circadiano que controla sua capacidade, que é menor durante o dia.

Leia também: 5 conselhos para ter rins saudáveis

4. Ranger os dentes

Esse raro sintoma, que em termos profissionais é conhecido como bruxismo, pode ser produto do estresse ou do alinhamento incorreto dos dentes. Em certos casos, isso faz com que a pessoa sinta dor na mandíbula e tenha complicações dentárias.

Embora não existam estudos conclusivos a esse respeito, acredita-se que o bruxismo se desenvolva com mais frequência à noite porque, quando estamos dormindo profundamente, perdemos a consciência de interromper esse reflexo corporal involuntário.

Você acordou com dor de dente ou sensibilidade? Talvez você sofra de bruxismo e ranja os dentes quando está dormindo profundamente.

5. Movimentos bruscos

Esse reflexo é bastante comum nos seres humanos e acontece quando chegamos à fase mais profunda do sono. Nesse momento, damos um salto ou sentimos uma forte sacudida e, embora às vezes possa ser muito incômodo, é algo que acontece de forma habitual e não deve ser motivo de preocupação.

De acordo com um estudo do Journal of Neurosciences in Rural Practice, existem várias teorias sobre esses movimentos involuntários, mas nenhuma é conclusiva. Agora, uma delas sugere que são uma resposta de defesa do cérebro, pois este vincula o relaxamento total do corpo a uma queda e faz com que os músculos se contraiam.

6. O cérebro elimina o que não precisa

O cérebro acumula uma quantidade de toxinas durante o dia que, posteriormente, descarta à noite ao completar um processo de limpeza. Nesse processo, atenua o cansaço mental e renova as energias para uma nova jornada.

Uma publicação de MEDTube Science sugere que algumas pesquisas encontraram uma ligação entre o sono profundo e a eliminação de toxinas do cérebro através de um canal chamado sistema glinfático, que funciona como uma via de eliminação de resíduos.

Recomendamos a leitura: 6 formas de manter seu sistema nervoso saudável

7. Paralisia do sono

Esse estado ocorre na fase mais profunda do sono e é caracterizado por uma sensação incômoda de imobilidade corporal. Isso pode ser assustador, pois muitas vezes é acompanhado por pesadelos nos quais a pessoa é incapaz de ter algum tipo de reação para escapar.

De acordo com publicação do National Health Service, embora não haja informações conclusivas sobre as causas específicas desse fenômeno, sugere-se que possa estar relacionado a:

  • Insônia.
  • Padrões de sono interrompidos.
  • Narcolepsia (adormecer repentinamente).
  • Estresse pós-traumático.
  • Ansiedade geral
  • Ataques de pânico.
  • Histórico familiar de paralisia do sono.
A paralisia do sono é um fenômeno que frequentemente ocorre na forma de pesadelos.

Dormir bem é sinônimo de boa saúde

Dormir bem, somado a uma rotina regular de atividade física e uma alimentação equilibrada, é uma das melhores formas de manter um estilo de vida saudável.

Além disso, acredita-se que um sono de boa qualidade melhora a concentração, a criatividade, o condicionamento físico e os sintomas associados ao estresse e à ansiedade.

É importante lembrar que, se os problemas para adormecer forem constantes ou algumas das condições mencionadas acima se mostrarem muito incômodas e repetitivas, o ideal é consultar o médico.

Como podemos dormir melhor?

Como podemos dormir melhor?

Hoje falaremos sobre os efeitos nocivos de um mau descanso na saúde e daremos conselhos para dormir melhor. Confira dicas neste artigo.



  • Clínica Mayo. Bruxismo (rechinamiento de los dientes). (2018). mayoclinic.org/es-es/diseases-conditions/bruxism/symptoms-causes/syc-20356095
  • F. Roballo. Parálisis del sueño: desenmascarando el fantasma, exploración holística y psicológica. (2016). sifp.psico.edu.uy/sites/default/files/Trabajos%20finales/%20Archivos/tfg_francisco_roballo.pdf
  • Clínica Mayo. La hormona del crecimiento humana: ¿Hace más lento el envejecimiento?. (2020). Recuperado el 20 de marzo de 2020.
  • Negoro, H., Kanematsu, A., Doi, M., Suadicani, S. O., Matsuo, M., Imamura, M., Okinami, T., Nishikawa, N., Oura, T., Matsui, S., Seo, K., Tainaka, M., Urabe, S., Kiyokage, E., Todo, T., Okamura, H., Tabata, Y., & Ogawa, O. (2012). Involvement of urinary bladder Connexin43 and the circadian clock in coordination of diurnal micturition rhythm. Nature Communications. https://doi.org/10.1038/ncomms1812
  • Sathe, H., Karia, S., Desousa, A., & Shah, N. (2015). Hypnic jerks possibly induced by escitalopram. In Journal of Neurosciences in Rural Practice. https://doi.org/10.4103/0976-3147.158797
  • Eugene, A. R., & Masiak, J. (2015). The Neuroprotective Aspects of Sleep. MEDtube Science.