7 causas mais comuns do excesso de gases estomacais

· 6 de setembro de 2017
É conveniente aprender a identificar quais alimentos nos causam gases e procurar minimizar seu consumo para prevenir posteriores episódios incômodos e dolorosos.

Os gases estomacais ou flatulências são um dos sintomas mais comuns e inevitáveis na vida de todos os seres humanos.

São causados por algumas bactérias que colonizam o intestino, as quais podem ser estimuladas por problemas internos ou reações a agentes externos.

Apesar de não serem um problema de saúde grave, a maioria dos gases estomacais se acumula e tende a provocar odores desagradáveis que acabam causando estresse social.

Dessa forma, é primordial conhecer quais podem ser suas causas e quais hábitos devemos melhorar para reduzir sua recorrência.

Nesta ocasião, queremos compartilhar as 7 causas mais comuns para que você tome as medidas necessárias. Descubra quais são!

7 causas mais comuns dos gases estomacais

1. Desequilíbrios na flora bacteriana

 

Os excessos de gases no estômago podem ser resultado de um desequilíbrio bacteriano na flora que protege o intestino.

Esta situação é comum após sofrer uma doença digestiva como, por exemplo, uma gastroenterite ou infecção.

Dado que o pH estomacal tende a sofrer uma mudança brusca, a produção de gás aumenta. Assim, algumas bactérias têm mais facilidade para proliferar.

  • Para estes casos, é conveniente aumentar o consumo de alimentos probiótico e pré-bióticos, ideais para repovoar as bactérias saudáveis.

2. Fermentação dos alimentos no intestino

Algumas bactérias presentes no trato digestivo se encarregam de fermentar certos alimentos para facilitar sua decomposição no processo de digestão.

Ainda que, em geral, seja uma atividade que acontece no intestino grosso, em ocasiões as bactérias passam para o intestino delgado e geram uma fermentação precoce.

Visto que os alimentos ainda não foram digeridos completamente, os gases estomacais aumentam e descem por todo o sistema até serem liberados como flatulências.

O mais preocupante é que podem causar inflamação, dor e outros sintomas que afetam a qualidade de vida.

3. Comer muito rápido

gases estomacais

As pessoas que terminam seu almoço em questão de minutos, seja pela falta de tempo ou por alguma distração, tendem a sofrer contínuos episódios de gases estomacais.

Isso se deve ao fato de que acabam engolindo grandes quantidades de ar durante as refeições, o que aumenta a presença de gases no intestino e, consequentemente, posteriores arrotos e flatulências.

4. Consumo excessivo de lácteos

Apesar de algumas pessoas nunca terem tido problemas para assimilar os produtos lácteos, a passagem dos anos pode causar graves dificuldades.

A idade e a exposição contínua a alguns fatores podem diminuir os níveis da enzima lactase, responsável por ajudar a digerir os produtos lácteos.

Depois de ingerir este tipo de alimento, se ocorrerem sintomas ou problemas digestivos, o mais provável é que o corpo esteja indicando a presença de uma intolerância aos mesmos.

  • Nestes casos, a única solução é evitar o consumo desses alimentos. O ideal, portanto, é substituir por outras alternativas livres de lactose.

5. Mudanças hormonais

gases estomacais

As mudanças hormonais que a mulher experimenta durante a menopausa, assim como aquelas causadas por doenças de tipo hormonal, conduzem à acumulação excessiva de gases intestinais.

Apesar de não ter sido possível determinar com exatidão quais são os hormônios que causam esta reação, está comprovado que quem a sofre experimenta mudanças evidentes em sua atividade digestiva.

  • Para controlá-los e diminuir sua recorrência, é recomendável aumentar a atividade física e o consumo de água.

6. Sensibilidade ao glúten

As flatulências são um dos sinais contundentes das alergias alimentares ou transtornos como a celiaquía.

Estas condições autoimunes conduzem a graves problemas de absorção, o que faz com que o corpo tenda a romper o revestimento do intestino delgado.

Por sua vez, causam inflamação no abdômen, dor e outros sintomas que impedem uma digestão correta.

Portanto, identificá-los de forma oportuna é primordial. Principalmente porque é necessário mudar a alimentação para controlá-los.

Leia também: A acne nos braços e a intolerância ao glúten

7. Acumulação de resíduos

gases estomacais

A prisão de ventre ou acumulação de resíduos nos intestinos pode se transformar em uma causa potencial de gases e outros transtornos digestivos.

Quando os resíduos ficam retidos no cólon, a flora bacteriana é alterada e produz mais gases do que o normal.

Além disso, o intestino apresenta dificuldades para absorver os nutrientes e se desfazer posteriormente dos resíduos que não precisa.

  • Caso sofra desta condição, é conveniente aumentar o consumo de água, fibras e outros alimentos com propriedades digestivas.

Lembre-se de que a forma mais efetiva de controlar o problema dos gases estomacais é melhorando seus hábitos de alimentação. Portanto, reduza o consumo de produtos que estimulam sua produção.

Siga cada uma das recomendações e consulte o médico se considerar necessário.