6 efeitos dos maus tratos psicológicos em nossa mente e emoções que você deve conhecer

Uma das piores coisas que pode nos acontecer é pensar que somos nós os culpados desse maltrato psicológico ao qual estamos submetidos. Ninguém tem o direito de nos tornar vulneráveis.

Os efeitos dos maus tratos físicos são fáceis de ver, e inclusive de avaliar. Ninguém pode esconder um braço machucado, um olho roxo, uma queimadura, um lábio inchado, um soco na pele…

Porém, quando falamos de abuso psicológico, de manipulação, maus tratos e agressão emocional, a coisa muda.

Não se pode objetivar, nem ver à olho nu, nem radiografar.

A complexidade é tal, tal é o impacto invisível que deixa, que a vítima muitas vezes se sente incapaz na hora de pedir ajuda.

Como explicar, como esperar que acreditem em mim se o que dói é minha autoestima, é a própria identidade de todo o meu ser mais íntimo e privado?

Não é fácil porque, muitas vezes, não existem mecanismos adequados para que a mulher ou o homem que sofre este abuso possa dar o passo e se atrever a denunciar sua realidade.

Em ocasiões, não se atrevem. Há medo e temem as possíveis consequências. Em especial, a de não serem levados a sério.

Os maus tratos psicológicos são devastadores e diminuem vidas inteiras por uma razão muito concreta: vem de mãos de pessoas próximas, pessoas nas quais confiamos e as que frequentemente amamos.

Vejamos agora que impacto essa dimensão tem sobre nossa mente e emoções.

1. Sentimento de vergonha e culpa

Imagem de pessoa com depressão

Se há algo tão desolador quanto  negativo é chegar a nos culparmos por tudo o que nos acontece.

Há um aspecto muito comum no qual derivam todos aqueles que enxergam a manipulação psicológica de fora.

Nos referimos ao fato de pensar que “a pessoa é maltratada porque se deixa maltratar”, “que é fraca porque se deixa destruir, machucar e controlar”.

  • É preciso ser cuidadoso com este tipo de expressões porque a pessoa que sofre o abuso está submetida a um caos emocional e a uma situação muito complexa da qual não é tão fácil sair.

É comum que sintam vergonha de si mesmos ao pensar como chegaram nesta situação.

É habitual também que se sintam incapacitados para reagir, que se sentem sozinhos e isolados para poder sair por si mesmos desse abismo pessoal.

Leia também: Técnica japonesa para eliminar o estresse

2. Perda de memória ou sentimento de irrealidade

Quando estamos submetidos a um alto nível de ansiedade, estresse e sofrimento constante, é comum que estruturas cerebrais como o hipocampo, relacionado com a memória, perdem volume e conectividade.

  • A pessoa tem falhas de memória, não consegue se concentrar, nem tomar decisões com a mente clara;
  • Por outro lado, o sentimento de irrealidade é outro fator muito comum.

É um mecanismo de defesa pelo qual a mente estabelece uma distância da realidade para despersonalizá-la, para pensar que “isto não está acontecendo comigo”.

3. Instabilidade emocional, fortes altos e baixos

Há épocas em que se espera que as coisas mudem, pensa-se que tudo pode melhorar e que é possível recuperar a felicidade, a integridade e o equilíbrio.

Porém, aos poucos, chega-se ao abismo e à recaída. Surge então a frustração, a raiva, a ira e, no mesmo instante, o desespero e o medo.

É comum experimentar um complexo caleidoscópio de sensações e emoções onde a pessoa é consciente de que não tem o controle de sua vida.

4. O mau trato e a dor física recorrente

Desenho de mau trato físico

A vítima de maus tratos psicológicos não é agredida fisicamente, mas o sofrimento que cedo ou tarde ela experimenta no próprio corpo dói do mesmo modo.

O mal-estar emocional crônico termina se evidenciando nessa sintomatologia tão característica como o cansaço, a insônia, as dores de cabeça, a dor muscular e articular, as más digestões, as múltiplas infecções contraídas devido a um sistema imunológico enfraquecido…

É, sem dúvidas, algo muito comum.

Leia também: Os 5 passos para encontrar o equilíbrio emocional

5. A sensação de que “não há saída”

O desamparo aprendido é outro sintoma habitual. A pessoal que sofre deste tipo de mau trato chegará a pensar em um dado momento que nada do que faça servirá para algo.

  • Frequentemente, chegam a dizer a eles mesmos que nenhuma palavra, nenhuma ação ou mudança que coloque em curso fará com que esse mau trato se detenha.
  • Isto nos lembra, mais uma vez, a importância básica e essencial de atender de forma receptiva e sensível a toda pessoa que, de algum modo, esteja nos dando pistas de que sofre de algum tipo de abuso.

No momento em que duvidemos ou coloquemos em voz alta palavras como “o que você está me dizendo?”, “tem certeza de que ele está fazendo isso ou é você que leva as coisas de maneira muito extrema?”…

A única coisa que conseguiremos com isso é que a pessoa se desespere ainda mais, se afaste e experimente o sentimento de solidão de forma mais intensa.

6. Pensamentos suicidas

Homem sofrendo de mau trato pelas pombas

No momento em que a pessoa diz a si mesma que já não há saída começam a surgir os pensamentos suicidas. No começo só são ideias súbitas, desejos momentâneos.

Leia também: Frutas secas fortalecem os ossos e combatem o cansaço

Porém, pode chegar o fatídico momento em que se veja como a única solução do problema.

É necessário que o entorno seja muito sensível a todos os indicadores, às palavras, aos gestos, às condutas.

Porque o mau trato psicológico, mais além do que podemos pensar, deixa marcas evidentes no comportamento das pessoas.

Sejamos conscientes destas realidades e ajudemos a quem mais precisa.

 

Recomendados para você