5 sintomas da síndrome do ovário policístico

A síndrome do ovário policístico pode manifestar sintomas bastante incômodos que podem afetar a autoestima da mulher.
5 sintomas da síndrome do ovário policístico

Última atualização: 06 Janeiro, 2021

É fundamental que, como mulher, você conheça os sintomas da síndrome do ovário policístico, para que, em caso de suspeita, vá ao ginecologista para fazer uma avaliação.

Quanto mais cedo você receber um tratamento, não só vai se sentir melhor, como também evitará mais complicações. Vamos ver mais sobre esse tópico abaixo com detalhes.

Sintomas da síndrome do ovário policístico

Médico explicando sintomas da síndrome do ovário policístico

Muitas mulheres sofrem com a síndrome do ovário policístico, produto de um desequilíbrio hormonal. Portanto, estamos falando de um mal comum.

Embora muitos desses cistos nunca cresçam, em algumas mulheres isso pode acontecer. Nos casos em que eles se desenvolvem, podem causar dor e, se um cisto explodir, a situação pode ficar complicada. Porém, não se preocupe, tem solução.

Devido a tudo isso, é essencial identificar os sintomas da síndrome do ovário policístico o mais rápido possível, a fim de iniciar um acompanhamento e tratamento adequados.

Em geral, os médicos costumam receitar contraceptivos, pois eles impedem a formação de cistos ao não permitir que o ovário libere óvulos. No entanto, dependendo do caso, pode haver outras opções de tratamento.

1. Acne

Um dos sintomas da síndrome do ovário policístico é a presença de acne mesmo após a adolescência.

É importante destacar que embora nem todos os casos apresentem as mesmas manifestações, sua presença indica que há um problema no organismo que está se refletindo na epiderme para que prestemos atenção.

A pele oleosa e a acne podem ser dois sintomas da síndrome dos ovários policísticos, portanto, na presença deles é necessário ir ao médico para uma avaliação. Além disso, também podemos ir ao dermatologista para saber como podemos cuidar da pele a partir de agora.

2. Pelos no rosto e em outras partes do corpo

Outro dos possíveis sintomas da síndrome do ovário policístico é a presença de pelos – em abundância – em áreas onde normalmente não deveriam aparecer. Por exemplo, no peito, rosto ou pescoço. Mais uma vez, para confirmar as suspeitas, é melhor ir ao ginecologista para uma avaliação.

Tendo em vista que os pelos nessas áreas afeta a autoestima, muitas mulheres correm para removê-los de uma forma ou de outra, sem saber que podem estar agravando o problema.

Portanto, a melhor coisa a fazer é observar e, em seguida, dar detalhes ao médico durante uma consulta. É bom você saber bem em qual área o pelo é mais espesso, a cor, o lugar onde aparece e todos os detalhes relacionados.

3. Ciclos menstruais irregulares

Se você sofre da síndrome do ovário policístico, um dos problemas aos quais você deve prestar atenção é a menstruação irregular.

Não estamos falando sobre o atraso ou adiantamento da menstruação em alguns dias. Estamos falando de circunstâncias em que você pode passar um mês sem menstruar, outro mês em que você tem duas semanas de menstruação e assim por diante.

Se os seus ciclos forem irregulares e você não souber o motivo, é preciso ir ao médico o mais rápido possível para fazer uma avaliação física e obter ajuda para lidar com a situação. Com um bom tratamento, você pode regular seu organismo e se sentir melhor.

4. Manchas no rosto

Outro sintoma da síndrome do ovário policístico são as manchas na pele. Assim como acontece com a acne, é necessário cuidar de si mesma e manter um controle dermatológico adequado para atenuar as marcas, pouco a pouco, até que você as erradique.

As manchas que costumam aparecer no rosto são como manchas marrons que muitas pessoas considerariam marcas de sol por não usarem protetor solar.

No entanto, se você costuma cuidar da pele e não houver razão para suspeitar disso, ir ao médico será uma opção muito boa para descartar que essas manchas estão aparecendo como um sintoma da síndrome do ovário policístico.

5. Problemas com o peso

O último dos sintomas da síndrome do ovário policístico é o ganho de peso. Embora muitas mulheres não passem por isso, é um sintoma muito comum.

Se você não tiver nenhum outro problema, como problema na tireoide, e engorda sem motivo aparente, além de ter mais algum dos sintomas descritos acima, a situação fica clara. É muito possível que você esteja lidando com um caso de ovários policísticos.

Você desconfia que tem esses sintomas?

Você já teve que lidar com algum dos problemas acima mencionados? Provavelmente não achou que era algo significativo, principalmente se sua menstruação for irregular. 

Às vezes os sintomas mencionados (que são os mais comuns) podem ser acompanhados por outros, como queda de cabelo, manchas nas axilas e nuca, colesterol ou pressão alta.

Não espere e não fique com dúvidas sobre se esses sinais podem ser (ou não) sintomas da síndrome do ovário policístico. Vá ao médico.

Caso contrário, um cisto pode se formar em seu ovário com a intenção de se desenvolver e crescer. Lembre-se de que é sempre bom resolver os problemas a tempo para conseguir uma solução eficaz.

Pode interessar a você...
Como detectar os cistos nos ovários?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como detectar os cistos nos ovários?

Os cistos nos ovários são um problema benigno na mulher, mas ainda que não representa um perigo para a saúde, o ideal é ficar alerta à presença deles.



  • Aguirre, M., Benvenuto, C., Urrutia, S., & Teresa, M. (2005). Calidad de vida en mujeres con síndrome de ovario poliquístico. Revista chilena de obstetricia y ginecología70(2), 103-107.
  • Apablaza, D. (2000). Síndrome ovario poliquístico. Sociedad Chilena de Obstetricia y Ginecología Infantil y de la Adolescencia7, 50-56.
  • Builes, C. A., Diaz, I., Castañeda, J., & Pérez, L. E. (2016). Caracterización clínica y bioquímica de la mujer con Síndrome de Ovario Poliquístico. Revista colombiana de obstetricia y ginecología57(1), 36-44.
  • Vargas-Carrillo, M. A., Sánchez-Buenfil, G., Herrera-Polanco, J., & Vargas-Ancona, L. (2003). Síndrome de ovarios poliquísticos: abordaje diagnóstico y terapéutico. Revista Biomédica14(3), 191-203.