5 plantas de interiores que podem ser perigosas

· 28 de novembro de 2015
Ainda que a maioria destas plantas só seja tóxica em caso de contato direto, convém não arriscar, sobretudo se tiver filhos pequenos ou animais de estimação que podem ingeri-las.

Gostamos de ter plantas de interiores porque decoram os ambientes e proporcionam uma equilibrante cor verde, especialmente se morarmos em zonas urbanas.

No entanto, mesmo acreditando que podem contribuir para limpar o ar de nossa casa, o certo é que algumas plantas podem tornar-se perigosas no interior de nossos lares.

Por isso, neste artigo, explicamos quais são e por que devemos mantê-las afastadas, principalmente, das crianças e dos animais de estimação; bem como quais são as plantas saudáveis que se podem ter em casa sem nenhum risco.

Plantas de interiores que podem ser perigosas

As plantas que mencionaremos a seguir são, especialmente, perigosas quando existem crianças ou animais por perto, pois a sua ingestão é tóxica para o organismo.

No entanto, algumas delas também são perigosas por inalação ou contato e, por isso, podem prejudicar de maneira acidental qualquer pessoa.

Dessa maneira, recomendamos optar por plantas que não só não sejam perigosas, mas que ajudem a purificar o ar.

Visite este artigo:  Alimentos e plantas medicinais que ajudam a limpar o fígado

SerpentáriaSerpentaria

A  Serpentária ou Dracunculus vulgaris é uma planta típica dos países mediterrâneos que convém destacar por ser  uma das mais venenosas.

Além disso, o seu perigo é considerável porque o seu curioso aspecto e suas bagas vermelhas alaranjadas chamam muita atenção por sua originalidade.

Filodendro (Imbé)

Filodendro

Esta bonita planta, muito frequente em nossas casas, destaca-se por crescer de maneira natural sobre outras árvores, nas selvas tropicais. Assim como tem muitas espécies diferentes.

O filodendro não representa nenhum perigo, exceto no caso de alguém ingeri-lo por acidente.

Nesse caso, destaca-se que o seu teor em oxalato de cálcio pode provocar ardor na boca e nos lábios, dores de estômago e irritação na garganta, em primeiro lugar e, no pior dos casos, convulsões, perda de consciência e morte.

Também existem casos em que, mesmo não causando a morte, é provável que a pessoa afetada fique com insuficiência hepática ou renal crônica como sequela.

HortênciaHortencia

A Hortência é uma bonita flor muito conhecida e originária do Japão. Existem mais de 100 espécies e pode ser cultivada dentro de casa ou ao ar livre.

Tanto a flor como as folhas da hortência contêm hidrangina, um composto que tem causado intoxicação às pessoas e animais com sintomas parecidos aos da ingestão de cianeto.

Suas raízes podem conter propriedades medicinais, mas não se recomenda o seu uso devido aos perigos que envolve.

Sálvia divinorumSalvia-divinorum

Colocamos o nome completo desta planta porque não queremos que a Sálvia divinorum se confunda com a Sálvia officinalis (Sálvia); de uso comum.

Esta planta de grandes folhas verdes, originária do México, contém salvinorina; um composto que tem um forte efeito de provocar alucinações e delírios.

Além disso, é usada, em algumas áreas, para determinadas práticas rituais e como droga de origem natural.

A Sálvia Divinorum produz importantes alterações de consciência que podem levar a estados de descontrole muito perigosos com consequências permanentes.

Leia mais: Propriedades curativas da sálvia

BeladonaBeladona

Esta planta é muito conhecida como remédio homeopático porque se usa em doses microscópicas.

No entanto, não se recomenda manter a Beladona no interior de casa; devido ao elevado grau de toxicidade de seus alcaloides, que podem contaminar também por sua manipulação.

Esta planta de flores roxas, em forma de sino, de frutos negros de cheiro desagradável era usada como veneno.

Plantas de interiores inócuas

Se quisermos ter plantas de interiores e quisermos aproveitar suas virtudes para purificar o ar de toxinas, é possível optar por estas alternativas que não representam riscos para a saúde:

Jiboia (Epipremnum aureum)

Epipremnum-aureum

Conhecida comumente como jiboia. Não requer muitos cuidados e é ideal para eliminar do ar o formaldeído e outros compostos orgânicos voláteis.

Chrysalidocarpus lutescens (Areca-bambu)

Chrysalidocarpus-lutescens

Também chamada de areca-bambu ou palmeira de jardim.

Limpa o ar durante o dia e filtra formaldeído e outras substâncias que são emitidas pela pintura das paredes, dos móveis ou de outros elementos envernizados.

Espada de são Jorge (Sanseviera trifasciata)

Sansevieria-trifasciata

Também conhecida pelos nomes de:

  • Espada de São Jorge;
  • Espada de Santa Bárbara;
  • Língua de Sogra;
  • Rabo de Lagarto;
  • Sanseviéria.

Transforma o dióxido de carbono em oxigênio durante a noite sendo, por isso, ideal para se colocar no quarto.

  • FRACARO, C. C. (2016). PLANTAS ORNAMENTAIS TÓXICAS EM MATO GROSSO DO SUL.
  • de Oliveira, R. R., & Pasin, L. A. A. P. (2017). OCORRÊNCIA DE OXALATO DE CÁLCIO EM DIFERENTES ESPÉCIES VEGETAIS DE USO ORNAMENTAL. Revista de Ciências Ambientais11(3), 41-52.
  • Calado, V. G. (2013). Novas Substâncias Psicoativas. O caso da salvia divinorum. Journal of Drug Education38, 3.
  • Santos, V. M. T. D. (2015). Plantas tóxicas: seu conhecimento e potenciais riscos para a saúde (Doctoral dissertation).
  • Kil, M., Kim, K., Cho, J., & Park, C. (2008). Formaldehyde gas removal effects and physiological responses of Fatsia japonica and Epipremnum aureum according to various light intensity. Korean Journal of Horticultural Science & Technology26(2), 189-196.