5 motivos que deterioram um relacionamento

O amor deve ser cuidado para que se mantenha. Se não estivermos atentos ao nosso relacionamento, ele pode se deteriorar e, eventualmente, chegar ao ponto de ruptura. Para evitar isso, não deixe que esses hábitos e comportamentos se estabelecerem.

Última atualização: 22 Janeiro, 2021

Há muitos motivos que deterioram um relacionamento e podem fazer com que chegue ao fim. Desde mentiras até falta de empatia. Não é tão difícil que um relacionamento caia no esquecimento, especialmente se você acreditar que ele se manterá sozinho.

Estar ciente dessas causas pode ajudar a resolver a situação, evitando que ganhem força e prejudiquem o casal. O amor deve ser cuidado. Vejamos abaixo quais são os mais comuns.

Motivos que deterioram um relacionamento

1. As mentiras

As mentiras em um relacionamento são um dos principais motivos que levam à sua deterioração. Nenhum relacionamento, seja de casal, entre amigos ou familiares, pode se sustentar se for baseado em mentiras, pois perde-se a autenticidade. Além disso, quando são descobertas, a confiança se perde e a insegurança e as suspeitas se potencializam.

Não estamos falando apenas de cometer ou uma infidelidade, mas de aspectos tão importantes quanto não dizer o que você realmente pensa, não se deixar conhecer. A transparência é fundamental.

O outro membro do casal é a pessoa com quem se compartilha o máximo grau de intimidade. Então, é necessário esconder como somos?

Muitas vezes, mentimos porque foi assim aprendemos a nos relacionar com os outros. Outras vezes, temos inseguranças que não queremos demonstrar. Em ambos os casos, ter autocrítica e resolver o problema será essencial para que a deterioração do relacionamento não vá além.

Complemente sua leitura com esse artigo: 5 conselhos para conservar o seu relacionamento

2. A insatisfação sexual

Cuidado com pessoas que dizem que “O sexo não é tudo em um relacionamento”. É verdade, não é tudo, mas é uma parte importante que, se não for satisfeita, pode gerar brigas, desconforto e até ressentimentos.

Ninguém gosta de não se sentir satisfeito no aspecto sexual. Qual é a melhor maneira de resolver isso? Converse com seu parceiro, mas, antes de tudo, tenha a intenção de resolver o problema.

Não fazer nada, ficar com raiva e não se comunicar não são soluções. Isso só vai piorar as coisas. O ideal é deixar a vergonha de lado e procurar um terapeuta sexual ou um sexólogo.

3. A família

A família pode gerar muitos conflitos. Por exemplo, pais que telefonam o tempo todo, que visitam sua casa sem avisar ou que tentam organizar a vida do casal roubando sua autonomia. Tudo isso pode afetar até o relacionamento mais sólido.

A maneira de resolver esse tipo de situação é se comunicando com seu parceiro e chegando a um acordo sobre os limites. Estes são necessários, principalmente com famílias que agem dessa maneira. Não se trata de algo negativo, e sim exatamente o oposto.

Muitas vezes, os motivos que deterioram um relacionamento residem na incapacidade de colocar limites para a família.

Leia também: 5 erros de comunicação comuns entre casais

4. As inseguranças são mais uma dos motivos que deterioram um relacionamento

Ter vivido uma experiência de infidelidade no passado ou ter certas inseguranças pode nos deixar com ciúmes e nos fazer tentar controlar o outro. Com esse comportamento, podemos sobrecarregar a outra pessoa e impedi-la de se sentir livre, o que vai minar a relação com o tempo.

Não se pode esquecer que cada pessoa deve ter seu próprio espaço. As inseguranças podem ser trabalhadas não apenas em uma terapia de casal, mas individualmente, já que isso é um problema pessoal.

5. Os objetivos em comum

O amor não resolve tudo, principalmente se não receber cuidados. Os objetivos comuns são muito importantes e são os que mais afetam o relacionamento, como ter filhos ou não, morar em outro país ou mudar constantemente de cidade por motivos de trabalho.

Por exemplo, se você quiser ter filhos, mas seu parceiro não, pode haver problemas. Por isso é tão importante falar sobre os projetos de vida e as perspectivas de futuro.

Isso não significa que o fim do relacionamento, mas também não implica que objetivos pessoais devam ser deixados de lado pelo outro. É necessário refletir, negociar, ver se é possível continuar e como fazer isso. A decisão final é do casal.

Cuidar de si mesmo para cuidar do relacionamento

Existem muitas crenças que cercam o amor e que se tornam motivos que deterioram um relacionamento. Levá-las em consideração e mudá-las se necessário é importante.

Desde pensar que o amor se mantém sozinho e que nenhum esforço tem que ser feito até achar que a outra pessoa sempre tem que saber o que precisamos e como estamos apenas porque ela está junto conosco são alguns exemplos. A mente pode pregar peças.

Além disso, também é importante se sentir bem consigo mesmo, porque, caso contrário, dificilmente estaremos bem com o outro. Ficar na defensiva, ter baixa autoestima ou medo de ser magoado podem ser verdadeiras barreiras para o relacionamento. Até os comportamentos tóxicos muitas vezes podem ser colocados em prática sem consciência.

Portanto, não devemos esquecer de nós mesmos em um relacionamento. Como estamos? Como nos sentimos? Quais feridas carregamos? São perguntas que podem nos ajudar. Porque mesmo que o relacionamento seja uma questão a dois, também é necessário cuidar e amar um ao outro em um nível pessoal.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 dicas para reconquistar seu parceiro

Para reconquistar seu parceiro, será preciso deixar de lado a rotina, o tédio e os problemas. Não perca as recomendações que listamos neste artigo.



  • Bolaños, I. (1998). Conflicto familiar y ruptura matrimonial: aspectos psicosociales. Psicología Jurídica de La Familia, 43–76.
  • García, F & Ilabaca, D. (2013). Ruptura de pareja, afrontamiento y bienestar psicológico en adultos jóvenes. Ajayu11(2), 157–172. Retrieved from http://www.ucb.edu.bo/publicaciones/ajayu/v11n2/v11n2a03.pdf
  • (2007). La vida en pareja: un asunto a negociar. Enseñanza e Investigación En Psicología12(2), 385–396.