Existem remédios naturais para a clamídia?

No caso de ter clamídia, é essencial seguir as instruções do médico e evitar o uso de remédios caseiros, pois podem interferir na estratégia do profissional e causar reações adversas e complicações.
Existem remédios naturais para a clamídia?

Última atualização: 05 Janeiro, 2021

Uma das principais infecções sexualmente transmissíveis é a clamídia. É causada pela bactéria Chlamydia trachomatis e pode afetar homens e mulheres de todas as idades.

Embora exista um tratamento específico para a clamídia, que consistem principalmente em antibióticos, há quem se pergunte se é possível curar a doença com remédios naturais.

Para responder a essa preocupação, é necessário primeiro revisar mais alguns aspectos sobre a doença e seu impacto na saúde. Vamos ver isso com mais detalhes abaixo.

Quais são os sintomas da clamídia?

Bactérias de clamídia

Como já mencionamos, a clamídia é uma infecção transmitida por contato sexual. Especificamente, “é transmitido principalmente sexualmente entre adultos e também pode ser transmitido de mulheres grávidas para seus bebês", de acordo com o Dr. Hammerschlag.

Além disso, a doutora indica que assim que a pessoa é infectada pela bactéria, ela pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Homens: uretrite, epididimite, dor nos testículos.
    Mulheres: corrimento vaginal escuro e de cheiro forte, cervicite, uretrite e doença inflamatória pélvica, sangramento entre os períodos menstruais e após as relações sexuais, dor ao fazer sexo.
  • Ambos: dor ao urinar, infecção retal, linfogranuloma venéreo e artrite reativa.

Qual é o tratamento da clamídia?

A fosfomicina é um medicamento que está agrupada dentro do grupo dos antibióticos de amplo espectro. Em geral, é usado para tratar infecções bacterianas.

É essencial combater a clamídia precocemente para evitar que ela cause outras infecções mais graves ou infertilidade. Com o tratamento adequado, é possível recuperar o bem-estar e retomar a vida sexual.

A infecção é curada com antibióticos. Especificamente, azitromicina, doxiciclina e, em alguns casos, levofloxacina. Os especialistas do MedlinePlus acrescentam: “é possível tomá-los em uma única dose ou pode ser necessário tomá-los por sete dias. Os antibióticos não curam nenhum dano permanente causado pela doença". Eles também esclarecem que:

  • A infecção pode ser contraída novamente, por isso é necessário fazer um teste depois de cerca de três meses (após o término do tratamento).
  • Durante o tratamento, não é recomendável ter relações sexuais. Caso contrário, o parceiro poderá ser infectado.
  • Caso o parceiro tenha sido infectado, também deverá receber tratamento médico.
  • A automedicação não é recomendada em nenhum caso.
  • Uma avaliação de acompanhamento pode ser feita em 4 semanas para ver se a infecção desapareceu.

Para muitos especialistas em saúde, a melhor medida é a prevenção. Portanto, é aconselhável usar corretamente os preservativos de látex e manter uma boa higiene antes e depois do sexo.

Remédios para clamídia? É melhor não usá-los

No campo popular, são recomendados alguns remédios naturais para a clamídia a fim de combater a infecção. Porém, não foi comprovada a eficácia de nenhum deles, portanto não é possível dizer que trarão benefícios. Em vez disso, baseiam-se em dados anedóticos.

Na verdade, os especialistas em saúde recomendam evitar o seu uso, pois aumentam o risco de reações adversas e dificultam a resolução do problema inicial, que nesse caso seria a infecção por clamídia.

Banhos de assento com remédios essenciais e outros tipos de remédios relacionados não “varrem" as bactérias e podem irritar a área genital, causando mais desconforto e piorando a situação. Portanto, é definitivamente aconselhável seguir as instruções do médico.

É importante de observar que o fato de observar melhoras ao final do tratamento não significa que você ficará “imune" à infecção para o resto da vida. Na verdade, se você não aplicar medidas de prevenção e cuidados, pode contraí-la novamente.

Simultaneamente ao tratamento médico, é fundamental manter bons hábitos de vida, ou sejam ter uma alimentação saudável, beber bastante água, praticar exercícios, manter uma higiene íntima adequada, usar roupas íntimas de algodão, entre outros aspectos.