Sintomas e causas de hipercalemia

20 Setembro, 2020
A hipercalemia é uma patologia caracterizada por altos níveis de potássio. Muitas vezes, é causada por insuficiência renal; no entanto, existem outros fatores envolvidos. Saiba mais a seguir.

A hipercalemia é uma patologia caracterizada por níveis de potássio acima do normal. Se eles estivessem abaixo, falaríamos de hipocalemia.

As faixas analíticas geralmente indicam que o nível normal desse eletrólito deve ser de 5,5 mmol/L. Pacientes com níveis mais altos do que os mencionados terão hipercalemia.

Para conhecer e entender melhor essa patologia, é importante expandir os conceitos do eletrólito afetado, o potássio.

Potássio e suas funções no organismo

Sintomas e causas de hipercalemia
O potássio é um macromineral e um eletrólito. Portanto, é decisivo para o equilíbrio da concentração de substâncias dentro e fora das células.

O potássio é um elemento químico que participa de inúmeras reações do organismo, dos músculos ao cérebro.

É, ao mesmo tempo, um macromineral e um eletrólito. Eletrólitos, como cloro ou sódio, têm uma função importante no organismo: participar do equilíbrio da pressão e concentração de substâncias dentro e fora das células. Além disso, eles também realizam outras funções como:

  • Crescimento e estrutura óssea.
  • Contração e síntese proteica.
  • Transmissão nervosa.
  • Equilíbrio osmótico.

Sintomas derivados da hipercalemia

Normalmente, quando uma pessoa tem altos níveis de potássio, ela não apresenta nenhum sintoma. Por esse motivo, a maioria dos casos de hipercalemia passam despercebidos.

No entanto, em outras ocasiões, alguns sinais podem aparecer. Os sinais que aparecerem dependerão da gravidade da hipercalemia e da rapidez do início da doença. Os primeiros sintomas que geralmente aparecem estão relacionados à atividade muscular.

Nesse sentido, o paciente pode sentir formigamento, fraqueza muscular ou tremores nos membros. O desenvolvimento de parestesia nos dedos das mãos e pés também é comum.

Parestesia é uma sensação anormal de formigamento, calor ou frio na pele.

Em casos mais graves, o paciente pode apresentar outros sintomas que afetam a atividade do coração, como arritmias cardíacas. A razão para isso é que o potássio também é necessário para o bom funcionamento do coração. Portanto, em resumo, uma hipercalemia afetará muitos sistemas do corpo e é perigosa.

Leia também: O que você não sabia sobre as arritmias cardíacas

Causas da hipercalemia

Exames de laboratório
A acidose metabólica é uma das causas da hipercalemia. No entanto, sua causa mais frequente é a insuficiência renal.

A causa mais comum de hipercalemia é a insuficiência renal. Nesta situação, os rins não excretam adequadamente o potássio; portanto, esse eletrólito aumenta no sangue.

No entanto, também existem outros fatores que contribuem para o desenvolvimento dessa patologia, como:

  • Aumento do consumo de alimentos ricos em potássio: geralmente contribuem, mas é muito raro ocorrer uma hipercalemia devido ao excesso desses alimentos.
  • Efeitos adversos de medicamentos: alguns medicamentos afetam a função renal.
  • Acidose metabólica.

Descubra: Prepare esta incrível infusão e limpe seus rins

Tratamento da hipercalemia

Medicamentos diuréticos
O tratamento da hipercalemia inclui diuréticos se o aumento dos níveis de potássio for moderado.

O médico indicará um tratamento para diminuir os níveis desse mineral. Para fazer isso, ele se concentrará no tratamento da causa desencadeante.

O profissional prescreverá diferentes tratamentos, dependendo da gravidade da hipercalemia. Nesse sentido, o paciente com um aumento moderado dos níveis de potássio pode fazer uso de fármacos de troca de potássio ou diuréticos. A diálise também pode ser necessária.

Quando se trata de uma hipercalemia acima de 6,5 mmol/L, sem alterações no eletrocardiograma, salbutamol ou bicarbonato de sódio são dois medicamentos que melhoram efetivamente a situação.

Finalmente, quando a situação anterior ocorrer e o eletrocardiograma também for alterado, deverão ser administrados medicamentos que protejam o coração, como o cloreto de cálcio.

Conclusão

A hipercalemia, como o próprio nome sugere, é um aumento nos níveis de potássio no sangue acima do normal, 5,5 mmol/L. Geralmente, a causa principal é o mau funcionamento dos rins.

Portanto, ao indicar um tratamento, os diuréticos costumam ser administrados para melhorar a função desses órgãos. Nos casos mais graves, nos quais o coração é afetado, recomenda-se a administração de medicamentos de proteção do miocárdio, como cloreto de cálcio.

Apesar de todas as informações fornecidas anteriormente, não hesite em ir ao médico se tiver sinais desta doença para que o especialista possa recomendar o tratamento adequado para o seu caso.

  • Melgar, Á., & Muley, R. (2012). Trastornos del potasio. In Nefrología al día.
  • Laborde, K. (2003). Trastornos del agua y de los electrólitos. EMC – Pediatría. https://doi.org/10.1016/s1245-1789(03)72053-8
  • Alfonso, D. A. G. (2002). Desequilibrio Hidroelectrolítico. In Temas de Guardia Clínicos y Quirúrgicos.
  • Simon LV, Farrell MW. Hyperkalemia. [Updated 2019 Feb 16]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2019 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK470284/
  • Lehnhardt A, Kemper MJ. Pathogenesis, diagnosis and management of hyperkalemia. Pediatr Nephrol. 2011;26(3):377–384. doi:10.1007/s00467-010-1699-3
  • Abuelo JG. Treatment of Severe Hyperkalemia: Confronting 4 Fallacies. Kidney Int Rep. 2017;3(1):47–55. Published 2017 Oct 7. doi:10.1016/j.ekir.2017.10.001