Remédios caseiros para as infecções vaginais frequentes

· 19 de janeiro de 2014
Os tratamento tópicos são de grande ajuda, mas a alimentação também desempenha um papel importante na hora de prevenir ou eliminar infecções.

Especialistas afirmam que todas as mulheres sofrerão uma ou várias vezes de infecções vaginais ao longo de suas vidas. Apesar de existirem medidas para prevenir estas infecções, em algumas ocasiões, elas acontecerão inevitavelmente.

As mulheres estão expostas a diversas atividades diárias, ainda mais atualmente, quando a crença de que a mulher pertence ao lar e sem oportunidades de trabalho foi totalmente abandonada.

Às vezes, ter tantas atividades resulta em uma falta de cuidados e medidas preventivas, seja em relação à higiene íntima correta ou a aspectos alimentares, que podem ser muito importantes na hora de prevenir inconvenientes na saúde.

Um corpo estressado e esgotado se torna menos eficiente na defesa contra micro-organismos que nos causam doenças.

Quais são as infecções vaginais mais comuns?

As infecções mais comuns são as vulvovaginites por fungos, que são denominadas de candidíase; a vaginose bacteriana causada pela Gardnerella, e a tricomoníase através da transmissão sexual.

Por que elas ocorrem?

Certos micro-organismos convivem de maneira normal na região genital e não prejudicam o nosso corpo. Porém, em algumas ocasiões, seu equilíbrio normal é alterado e elas acabam provocando infecções, as quais também podem ocorrer através do contato sexual (tricomoníase).

E quais situações podem alterar o equilíbrio normal desses micro-organismos?

Mudanças hormonais; durante a gravidez, na menopausa, diabetes, uso prolongado de antibióticos, dentre outras.

Sintomas que podem aparecer:

  • Coceira na região
  • Fluxo vaginal abundante e com cheiro desagradável
  • Vermelhidão da vulva
  • Inflamação dos lábios vaginais
  • Dor e ardor ao urinar
  • Incômodo durante o sexo.

As infecções vaginais devem ser tratadas de maneira apropriada. Em muitos casos, as mulheres deixam de consultar um médico por medo ou vergonha e não se dão conta de que um simples incômodo pode se converter em um problema maior.

Por questão de segurança, é sempre bom comentar com o seu médico de confiança caso queira iniciar um tratamento natural.

Remédios naturais contra as infecções vaginais

Essas são algumas plantas com propriedades antibióticas, anti-inflamatórias e que ajudam a fortalecer o sistema de defesa do organismo:

  • Boldo: é útil para infecções causadas por fungos. Possui propriedades antifúngicas. Tome banhos de boldo.
  • Malmequer: pode ser utilizada para prevenir ou tratar infecções vaginais. Possui propriedades antibióticas e antifúngicas. Coloque um pouco de malmequer em água fervente. Deixe esfriar e aplique na região afetada.

camomila para combater infecções vaginais

  • Camomila: banhe a região com uma infusão de camomila.

Leia também: Como usar o alho para tratar fungos vaginais

Outros remédios naturais

  • Alho: antibacteriano por excelência e também antifúngico. Triture um dente de alho até formar uma pasta e aplique externamente.
  • Óleo de malaleuca: coloque umas gotas em água para se banhar. Caso tenha uma banheira, melhor. Este óleo possui propriedades antibacterianas.

Tratamento com vinagre de maçã para combater infecções vaginais

  • Vinagre de maçã: ajuda a equilibrar o pH alterado. Em um copo com água, coloque 3 colheres de sopa de vinagre de maçã. Beba 3 vezes ao dia.

O consumo de iogurte natural é de grande ajuda pra evitar as infecções vaginais. Caso esteja sofrendo com uma infecção, você pode aplicar o iogurte diretamente na região íntima.

Alimentação

A alimentação também cumpre um papel muito importante nestes casos, já que existem certos alimentos com propriedades que previnem ou eliminam as infecções.

Estes mesmos alimentos ajudam a fortalecer o sistema imunológico, tornando-o capaz de lutar contra qualquer micro-organismo e prevenindo o seu desenvolvimento. Desse modo, devemos consumir alimentos que contenham:

  • Ferro: mariscos, vísceras, legumes, vegetais verdes.
  • Zinco: carneiro, ostras, amendoim, abóbora, gérmen de trigo.
  • Vitamina B: fígado, leite, ovos, peixes.

O que devemos evitar?

Álcool, cigarro, pão, alimentos com conservantes e colorantes, leveduras ou açúcares.

Recomendações gerais

  • Mantenha uma higiene íntima correta, se possível com sabonetes com pH neutro e que não alterem a flora normal da vagina.
  • Não utilize calça jeans muito aperta, nem roupa íntima de material sintético. Lembre-se de que a região íntima requer uma ventilação correta. Caso a umidade na região aumente, os micro-organismos se multiplicarão com maior facilidade.
  • Ao utilizar absorvente, mude-o pelo menos 4 vezes ao dia. O mesmo vale para quem utiliza absorventes do tipo interno.
  • Lave sua roupa íntima com sabão neutro.
  • Quando for ao banheiro, limpe-se da frente para trás, evitando assim que as bactérias que normalmente se encontram no anus cheguem à vagina e causem infecções.
  • Leve uma vida mais tranquila. O estresse e a ansiedade diminuem a imunidade, nos deixando mais vulneráveis a doenças deste tipo.
  • Procure utilizar sempre roupas íntimas de algodão, já que este material absorve a umidade natural do corpo.
  • Ainda que pareça irônico, não abuse da limpeza da região íntima, mesmo que os produtos utilizados sejam adequados. O uso é recomendado 1 vez ao dia. Depois, utilize apenas água para higienizar o local.
  • A vagina possui um mecanismo de autolimpeza, portanto, apenas a parte externa deve ser higienizada.
  • O uso de preservativo previne infecções através do sexo.