Melhor Com Saúde
 

Como a rinite e a asma estão relacionadas?

Existe uma relação entre rinite e asma? Parece que sim. Muitas pessoas sofrem dessas condições quase em uníssono, e até mesmo recebem medicamentos que podem aliviar sintomas semelhantes.

Como a rinite e a asma estão relacionadas?

Última atualização: 09 Dezembro, 2020

A ciência médica conhece, de maneira empírica, a relação entre rinite e asma. Não é nada fora do comum que um paciente asmático apresente sinais alérgicos no trato respiratório superior na primavera. O mesmo acontece ao contrário.

Agora, onde reside esse vínculo intrínseco? Para alguns pesquisadores, é uma origem comum que está no sistema imunológico; para outros, é a forma semelhante da mucosa respiratória que é compartilhada entre os brônquios e o nariz. Vamos ver mais sobre isso.

O que é a rinite?

A rinite é uma inflamação da mucosa nasal. Pode responder a diversos agentes etiológicos, mas o resultado final é sempre um aumento de tamanho devido ao acúmulo de fluidos e células inflamatórias a partir de um agente externo ou de um estímulo interno.

Existem rinites infecciosas e não infecciosas. No primeiro caso, um microrganismo invade o nariz e o infecta, seja um vírus ou uma bactéria. O corpo reage à colonização e aciona mecanismos para expulsar o agente invasor. Isso determina a inflamação.

No caso da rinite não infecciosa, a mais comum é a forma alérgica, que é a que mais aparece nos asmáticos. Sem ser um vírus ou bactéria, o agente externo é uma partícula reconhecida como estranha e é atacada. Na época em que as plantas florescem, o pólen costuma ser uma das causas.

Sintomas de rinite
A rinite é a inflamação da mucosa nasal. Pode ser provocada por infecções virais e bacterianas ou por causas não infecciosas.

Continue lendo: 5 ervas para tratar a rinite alérgica

O que é a asma?

A asma brônquica é uma inflamação do revestimento dos brônquios com hiper-responsividade. Em outras palavras, além do processo inflamatório, as vias aéreas se fecham abruptamente e impedem o fluxo normal de ar.

É classificada como uma doença respiratória obstrutiva e crônica. Seu curso evolui na forma de episódios agudos a longo prazo. Há certos gatilhos de crises, como os resfriados ou as infecções, que são mais comuns no inverno. Portanto, esse período é o que mais afeta essas pessoas.

O diagnóstico da patologia geralmente é feito em uma idade precoce. São crianças que começam com broncoespasmos quando fazem atividade física ou quando a temperatura cai. Em primeiro lugar, trata-se o problema com broncodilatadores para avaliar sua evolução, mas se as crises ocorrerem novamente, o diagnóstico de asma é confirmado.

A gravidade da doença nem sempre é a mesma, nem a evolução é linear. Há pessoas nas quais a patologia se apresenta de forma leve, com apenas um ataque por ano, enquanto outras passam por um estado quase persistente de falta de ar.

Saiba mais: Como funcionam os antiasmáticos?

Por que existe uma relação entre rinite e asma?

As explicações para o motivo pelo qual os pacientes asmáticos frequentemente sofrem de rinite são variadas. Estima-se que até 75% dos asmáticos apresentam inflamação da mucosa nasal. Por outro lado, aqueles com diagnóstico de rinite apresentam broncoespasmo em 40% dos casos. Vejamos algumas teorias sobre esta relação.

Respiração pela boca

Uma das explicações para as pessoas com rinite também terem asma é pela falta de fluxo suficiente de ar pelo nariz. Como há inflamação da mucosa, esses pacientes preferem respirar pela boca, o que evita a umidificação e o aquecimento do ar.

Dessa forma, quando o ar frio e seco atinge os brônquios, a via aérea tende a se contrair, pois esse fluxo é identificado como prejudicial. Vários estudos científicos mostraram que a broncoconstrição aumenta no clima frio, por exemplo, em atletas de neve e de inverno.

Comunicação entre mucosas

Várias pesquisas revelam a relação entre todas as partes da mucosa respiratória. Se houver estímulos através de alérgenos no nariz, é muito provável que as células dos brônquios reajam de alguma forma. Por outro lado, quando as vias aéreas inferiores se contraem, a mucosa nasal se modifica.

Parte do mecanismo fisiopatológico estaria na comunicação nervosa e na reatividade dos vasos sanguíneos. É isso que parece estar por trás da asma induzida por exercícios, mediada pela descarga de adrenalina e norepinefrina que são desencadeadas por estímulos esportivos.

Esses neurotransmissores relacionam a rinite e a asma, causando a redução do calibre dos vasos sanguíneos. Em toda a mucosa respiratória, esse estreitamento reduz a circulação e a capacidade de responder a agentes externos.

Mulher com nariz escorrendo
Pacientes com asma têm uma alta probabilidade de sofrer de rinite. A relação entre as duas condições é explicada por meio de várias hipóteses.

O sistema imunológico e a relação entre rinite e asma

Um tipo especial de glóbulo branco são os eosinófilos. Eles têm um papel especial na mediação de reações alérgicas em todo o corpo. Por um lado, os pesquisadores investigaram o seu papel na rinite, por outro lado, também estudaram o seu papel na asma.

Supõe-se que, por se tratar de um mecanismo semelhante, faz sentido que as reações alérgicas compartilhem a via comum dessas células e que seu aumento em situações de combate a agentes externos seja fundamental.

Além disso, as substâncias da inflamação não são estáticas, mas aproveitam a circulação sanguínea para se movimentar, podendo passar do nariz para os brônquios.

Rinite e asma: semelhantes, mas diferentes

É possível explicar a relação entre rinite e asma através de várias hipóteses, mas isso não significa que se trate da mesma condição. Alguns medicamentos usados ​​são semelhantes, embora a abordagem não tenha os mesmos protocolos para uma e para a outra.

É essencial que os médicos responsáveis ​​pelo tratamento distingam uma condição da outra, para que a terapia seja correta. Em qualquer caso, o paciente asmático deve aprender a lidar com uma crise de rinite, pois tem uma grande probabilidade de sofrer da doença.

4 alternativas naturais para combater a rinite

4 alternativas naturais para combater a rinite

Cerca de 20% da população sofre de rinite alérgica, independentemente da idade. Descubra como combater a rinite nesse artigo com 4 alternativas naturais.



  • Pérez-Marrero, N., R. Ortiz Rodrigo, and T. Rivera-Rodríguez. “Protocolo diagnóstico de la rinitis.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.91 (2019): 5379-5383.
  • Alonso, Andrea Trisán. “Prueba broncodilatadora.” Revista de asma 1.2 (2016).
  • DE LA VEGA, ADOLFO RODRÍGUEZ. “Etiopatogenia y clasificación del asma.” Revista Cubana de Medicina 1.4 (2019).
  • Vizuete, José Antonio Castillo, et al. “Rinitis, poliposis nasal y su relación con el asma.” Archivos de Bronconeumología 55.3 (2019): 146-155.
  • Lisboa, Carmen. “Hiperreactividad bronquial en el asma.” ARS MEDICA Revista de Ciencias Médicas 42.1 (2017): 17-21.
  • Saranz, R. J., et al. “Mecanismos de la conexión nariz-pulmón.” Revista Methodo 2.1 (2017).
  • Drobnic, Franchek. “Asma inducida por el esfuerzo y deporte. Una puesta al día práctica.” Revista de asma 1.1 (2016).
  • Bunne, Joakim, et al. “Allergic sensitization associates differently to asthma, rhinitis and eczema during school ages.” (2017).
  • Siroux, Valérie, et al. “The asthma‐rhinitis multimorbidity is associated with IgE polysensitization in adolescents and adults.” Allergy 73.7 (2018): 1447-1458.