O que acontece com nosso corpo quando passamos muito tempo sem escovar os dentes

· 20 de fevereiro de 2016
Além do mau hálito e da proliferação de cáries, a falta de higiene dental pode chegar a fazer com que os dentes caiam.

Escovar os dentes é um dos hábitos de higiene que toda pessoa deve colocar em prática todos os dias, sem nenhuma desculpa.

Desde sempre é recomendável escová-los e usar um fio dental no mínimo três vezes ao dia, depois de cada refeição. Afinal, os restos de alimentos que ficam na boca podem desenvolver muitas doenças.

Porém, por diversas razões, ainda são muitas as pessoas que não fazem isso de forma adequada ou seguindo as recomendações dadas pelos dentistas.

Assim, foi possível comprovar com os dados obtidos pela investigação mais recente sobre a saúde dental dos espanhóis, realizada pelo Consejo de Dentistas, que 12% dos espanhóis não escovam os dentes diariamente e 2,3% não faz isso nunca.

Porém, isso não ocorre apenas na Espanha. Em uma pesquisa recente da Associação Dental Americana, foi determinado que 30% dos norte-americanos não escovam os dentes nas vezes recomendas e nem no tempo necessário, e 23% passa dois ou mais dias sem se escovar se quer uma vez.

Para especialistas no tema, é normal e inclusive habitual que todos, em algum momento, se esqueçam de escovar os dentes. Isso pode ocorrer por pressa, horários desajustados ou por passar muito tempo fora de casa.

Entretanto, ainda não descobriram porque algumas pessoas são capazes de abandonar este hábito tão necessário por muito tempo.

A importância da saúde bucal

A saúde bucal desempenha um papel fundamental na vida das pessoas, sendo tão necessária como a do resto do corpo.

Problemas nas gengivas e dentes, assim como outras alterações na boca, podem ser um sinal de nosso organismo não anda bem.

Devido a essas preocupações estatísticas, numerosos especialistas no tema se questionaram sobre o que poderia ocorrer quando alguém para de escovar os dentes durante um dia, uma semana, um mês e inclusive um ano, ou até mais.

O odontologista Mark S. Wolff respondeu para ‘Yahoo Health’, e o que ele disse deixará muitas pessoas admiradas! Confira.

Um dia sem escovar os dentes…

Dentes-amarelos-500x321

Depois de 24 horas sem escovar os dentes, uma fina capa de placa começa a se acumular. Essa capa serve como depósito para microrganismos na parte exterior dos dentes.

Em apenas um dia é provável que ainda não se desenvolva algum dano. Entretanto, se não atuarmos a tempo essas bactérias continuarão se proliferando e em 48 horas começarão a aparecer alterações e halitose.

Uma semana depois…

Depois de uma semana, o fato de não escovar os dentes se transforma em um hábito. Assim, continua-se a acumular restos de alimentos e bebidas que alimentam as bactérias.

Segundo Wolff, “a acumulação de placa nos dentes é cada vez mais grossa e começa a cheirar”.

Mas não é só isso. Depois de vários dias a gengivite começa a se desenvolver.

Este é um problema bucal que se caracteriza pela inflamação e irritação das gengivas, que pode causar pequenos sangramentos.

Um mês depois…

Depois-de-um-mes-500x368

Depois de um mês completo as bactérias que habitam a boca, então já resistentes, começam seu processo de decomposição.

Isso não apenas provoca inflamação e vermelhidão nas gengivas. Além disso, também incrementa de forma significativa o risco de sofrer cáries, especialmente quando se consome alimentos açucarados.

Segundo o especialista, a partir de um mês começam a aparecer pontos ou manchas brancas nos dentes. Estes indicam descalcificação do esmalte, o que é um sinal evidente da deterioração que estão sofrendo.

Recomendamos o seguinte artigo: 11 dicas simples para prevenir as cáries

Completando um ano…

Completando-um-ano-500x334

Quando se passa 365 dias sem escovar ou usar creme dental, sua própria saliva forma cáries e buracos nos dentes.

A acumulação de placa se transforma em um problema secundário pois, além disso, as gengivas se inflamam mais e adquirem uma cor vermelha escura.

A magnitude dos danos que os dentes e a boca sofrem durante este ano varia de acordo com a genética de cada pessoa, assim como a idade, já que o organismo tende a se proteger mais no caso de pessoas mais jovens.

Uma pessoa jovem e saudável tem mais probabilidade de superar essas consequências em comparação com alguém maior de 50 anos. Além disso, se o adulto estiver doente ou se estiver recebendo algum tratamento farmacológico, há um alto risco de que sua dentadura comece a se afrouxar e, até mesmo, cair.