Intolerância à lactose, uma luta contra a própria genética

Saiba mais sobre a intolerância à lactose e por que é considerada uma luta contra a própria genética nesse artigo. Não perca mais tempo!

A intolerância à lactose é uma patologia muito comum em adultos, caracterizada pela falta de assimilação deste açúcar.

A consequência é que, quando não absorvida, a lactose irrita a mucosa intestinal, produzindo diarreia. Faz parte de um conjunto de doenças que se denominam doenças de má absorção.

A suspeita é produzida pela clínica, com muitos graus de intolerância, desde desconfortos insignificantes até grandes desconfortos e danos ao intestino.

Absorção de lactose

Sinais de intolerância à lactose na barriga

A lactose é um dissacarídeo, um carboidrato formado por dois monossacarídeos: glicose e galactose. Este nutriente está presente em alimentos lácteos, e é absorvido ao nível molecular nas células intestinais, os enterócitos.

Essas células têm uma forma cúbica. Na parte em contato com o lúmen intestinal, as extensões são chamadas de microvilosidades.

O conjunto de microvilosidades forma uma superfície irregular. Esta superfície é o lugar onde a maioria dos nutrientes é absorvida.

Alguns nutrientes têm que se dividir em moléculas mais simples, para poder ser absorvidos e passar para o sangue, como é o caso da lactose. Para a sua absorção, é necessário que a lactase a divida em uma molécula de glicose e outra de galactose.

A lactase é uma enzima que está localizada na nos enterócitos, a qual é distribuída irregularmente pelo trato digestivo. É mais abundante nos primeiros tratos intestinais, no duodeno e no jejuno.

A lactase tem atividade máxima no final da gravidez e durante a lactação. Então, sua atividade diminui.

Em alguns grupos étnicos, a atividade dessa enzima diminui quase completamente quando atinge a idade adulta. No entanto, em pessoas caucasianas, essa atividade permanece indefinidamente.

Quando esta enzima não é sintetizada, a lactose não é absorvida. Como resultado, a lactose atinge o cólon, onde a flora bacteriana o fermenta, produzindo grandes quantidades de hidrogênio e irritando a mucosa digestiva. Esta irritação intestinal altera a digestão, causando gastroenterite.

Patogênese da intolerância à lactose

Pessoa com má digestão por causa da intolerância à lactose

Do ponto de vista patogênico, a lactase é deficiente por dois mecanismos, porque a enzima não é sintetizada (déficit primário) ou no contexto de uma doença intestinal (déficit secundário).

Deficiência de lactase primária

A deficiência de lactase primária é o que consideramos como intolerância à lactose. O déficit de lactase é isolado, não devido a outra patologia associada. Esta enzima não é sintetizada devido a diferentes causas:

  • Deficiência congênita. Neste caso, é uma doença hereditária, a enzima não é sintetizada por causa de uma mutação. É necessário que ambos os pais apresentem a mutação para que o sujeito sofra da doença, isto é, segue um padrão recessivo. É raro, mas essas crianças não sintetizam qualquer lactase, portanto não toleram os produtos lácteos desde o nascimento.
  • Em crianças prematuras, especialmente nascidas antes das 32 semanas, uma vez que a enzima ainda não atingiu a atividade máxima.
  • Déficit “fisiológico”. Dizemos que após a lactação, a síntese de lactase diminui progressivamente. É muito comum em  africanos e asiáticos, em idade adulta. Esta intolerância aparece em diferentes idades, nesses grupos étnicos geralmente é precoce, aos 5 anos aproximadamente. Na raça caucasiana, esse déficit é menos frequente, e geralmente se torna evidente em idades mais avançadas.

Deficiência de lactase secundária

Nestes casos, a absorção de lactose se deve a uma alteração da mucosa intestinal por uma outra causa. Dependendo da causa, a intolerância à lactose pode ser permanente ou reversível ao tratar a patologia causal.

Pode ser devido a alterações das microvilosidades que impedem a absorção normal do carboidrato. Este é o caso de doenças inflamatórias como doença de Crohn ou colite ulcerativa. Também ocorre em infecções intestinais que alteram a mucosa do aparelho digestivo, especialmente nas crianças.

Sintomas de intolerância à lactose

Dor de barriga é umsinal de intolerância à lactose

Como resultado da intolerância à lactose, após a ingestão de produtos lácteos, a irritação intestinal produzirá:

  • Gases
  • Náuseas e vômitos.
  • Dor e distensão abdominal (inchaço).
  • Diarreia aquosa, por um mecanismo de osmose.

Os sintomas podem acusar mais ou menos, dependendo do grau de intolerância. Há pessoas que não toleram leite, mas toleram outros produtos lácteos, como queijo ou iogurte. Em muitos casos, os sintomas são leves e podem tolerar pequenas quantidades de leite.

Quando o déficit é congênito ou aparece em estágios iniciais de desenvolvimento, as crianças podem sofrer um atraso significativo no desenvolvimento, uma vez que o leite é um alimento básico em sua dieta. Nesses casos, as consequências podem ser graves.

Diagnóstico de intolerância à lactose

Lácteos

Se suspeitar do diagnóstico devido a sintomas digestivos associados ao consumo de leite. Para confirmar a existência de intolerância primária, temos testes diferentes:

  • Teste de tolerância à lactose. Se a lactose for digerida corretamente, após a ingestão deve aumentar a glicose no sangue. Neste teste, o paciente recebe uma quantidade de lactose e os níveis de glicose no sangue são medidos nas horas seguintes. Se a glicose não aumentar pelo menos 20 md/dL, o sujeito tem intolerância à lactose.
  • Teste de respiração. Como dissemos, a fermentação bacteriana da lactose produz grandes quantidades de hidrogênio no cólon. O gás passa para o sangue e atinge os pulmões, onde é expulso. Por esta razão, pode ser útil medir o hidrogênio expirado em um sujeito que já ingeriu lactose. Se a quantidade de hidrogênio for maior do que o normal, o sujeito não absorve bem a lactose.
  • PH das fezes. Uma parte do hidrogênio produzido é eliminada com as fezes, o que faz com que seu pH diminua e seja ácido.

Se esses testes fornecerem valores anormais, associando a clínica e descartando patologias que podem alterar a absorção intestinal, pode ser diagnosticada uma intolerância à lactose.

A maioria dos casos de intolerância à lactose não é grave. Os sintomas se revertem com uma dieta pobre ou sem lácteos.

Recomendados para você