7 hábitos que danificam seus rins e como evitá-los

26 Novembro, 2019
Os rins são os encarregados de filtrar o que ingerimos, por isso é muito importante não sobrecarregá-los. O consumo excessivo de álcool, entre outros fatores, também pode ser prejudicial.

Os rins são órgãos vitais de nosso corpo, responsáveis por filtrar os rejeitos e o excesso de líquidos para eliminá-los através da urina.É importante, portanto, conhecer os hábitos que danificam seus rins para, dessa forma, prevenir complicações.

Apesar de ser um órgão tão importante em nosso organismo, muitos de nós ignoram certos hábitos que podem afetar seu funcionamento adequado. Uma pessoa pode levar uma vida relativamente normal com apenas 20% de seu funcionamento renal.

Assim, mesmo que os rins estejam se deteriorando gradualmente, pode ser que a pessoa afetada não esteja ciente disso até que o problema esteja muito avançado. A seguir, vamos apresentar 7 hábitos que danificam seus rins e são contraindicados por profissionais.

Hábitos que danificam seus rins e como evitá-los

Uma pesquisa, publicada em Journal of Epidemiology, concluiu que a manutenção de hábitos de vida pouco saudáveis aumenta a incidência de desenvolvimento de doença renal crônica. De acordo com essa publicação, é importante evitar o estilo de vida sedentário, jantares noturnos e lanches antes de dormir, além de manter uma dieta saudável para prevenir a disfunção renal.

Nesse sentido, é conveniente conhecer outros hábitos que foram associados a dificuldades de saúde causadas pelo mau funcionamento dos rins. Isso, acima de tudo, para conscientizar sobre a importância de levar um estilo de vida saudável para proteger as funções renais.

1. Consumo de refrigerantes e outras bebidas com gás

O consumo de refrigerantes e bebidas com gás é um dos hábitos que podem prejudicar os rins. Como aponta um estudo publicado em Journal of Epidemiology, esses tipos de bebidas são ricas em ácido fosfórico e, geralmente, estão associadas a alterações urinárias que provocam a formação de pedras nos rins. Por sua vez, os resultados sugerem que aumentam o risco de doença renal.

2. Excesso de sódio

Uma das funções dos rins é metabolizar o sódio que ingerimos através dos alimentos. O sal que tanto incluímos em nossa alimentação é a fonte principal de sódio, elemento que deve ser eliminado quase em sua totalidade.

Quando consumimos sódio em excesso, os rins têm que trabalhar em dobro. Em longo prazo, isso faz com que possam ser afetados. Segundo informações publicadas em National Kidney Foundation (NKF), quando os rins não estão saudáveis, há um maior acúmulo de sódio e líquidos no corpo.

Como resultado, pode ocorrer inchaço nos tornozelos, aumento da pressão arterial, dificuldade para respirar ou acúmulo de líquidos ao redor do coração e dos pulmões.

A principal maneira de evitar esse hábito diário seria minimizar sua ingestão. Como o sal é um ingrediente presente em muitos dos alimentos que compramos e consumimos diariamente, sua eliminação completa é muito complexa.

Muitos especialistas, médicos e nutricionistas, recomendam o uso de especiarias como orégano, coentro, açafrão ou gengibre, como substitutos do sal.

3. A cafeína em excesso representa um risco para os rins

Outra publicação de National Kidney Foundation (NKF) observa que o consumo moderado de café geralmente não representa um risco para a saúde renal. Até o momento, não há evidências que demonstrem que o consumo de 3 ou 4 xícaras de café por dia aumenta o risco de doença renal ou a taxa de declínio da função renal.

No entanto, existe uma relação entre o consumo excessivo de cafeína e um aumento repentino da pressão alta. Portanto, a ingestão excessiva dessa bebida pode levar a danos nos rins. Assim, o segredo reside em beber café e chá com moderação e evitar bebidas energéticas comerciais.

4. Abuso de analgésicos

A relação do abuso de analgésicos com problemas renais é uma questão bastante controversa. Até alguns anos atrás, alegava-se que certos analgésicos poderiam levar ao desenvolvimento de condições como a nefropatia analgésica.

No entanto, evidências atuais, como as mostradas em um estudo publicado em International Medical Case Reports Journal, questionam o papel de um único analgésico como a única causa de nefropatia analgésica.

De acordo com o que foi observado, o uso de medicamentos como o paracetamol não representa risco de deterioração da função renal. No entanto, o uso de analgésicos combinados é desaconselhado. De qualquer forma, é essencial consultar médicos e especialistas, especialmente se houver sinais de doença renal.

Leia também: O que são as proteínas e como elas contribuem na dieta

5. Beber álcool em excesso é prejudicial para os rins

O consumo excessivo de álcool é um hábito que pode danificar os rins em pouco tempo. Esse produto contém toxinas e componentes químicos agressivos para os rins e o fígado.

De acordo com informações de Alcohol health and research world, essa bebida pode alterar os mecanismos de controle hormonal que regulam os rins e, além disso, produz um desequilíbrio eletrolítico.

É muito importante ter cuidado ao consumir álcool, consumindo com moderação e evitando excessos. De qualquer forma, substituir esse tipo de bebida por água, smoothies ou sucos naturais é sempre uma opção melhor.

6. Segurar a vontade de urinar

Quando a vontade de urinar chama, é muito importante atendê-la o quanto antes. Reter a urina é uma péssima ideia, já que a longo prazo pode causar danos como insuficiência renal ou incontinência.

Ficar muito tempo sem urinar pode causar infecções urinárias graves. No caso, são infecções bacterianas que afetam o trato urinário, devido aos germes da urina acumulada na bexiga.

7. Fumar

Além de comprometer fortemente a saúde respiratória, o tabagismo também pode causar danos nos rins. Segundo um estudo publicado em BMC Public Health, o tabagismo está relacionado a um risco maior de doença renal crônica e a um aumento na progressão da doença. Portanto, é essencial procurar apoio para parar de fumar.

Conclusão

Saber quais hábitos danificam seus rins é muito importante para evitar complicações sérias. Muitas vezes somos enganados com produtos que alegam ser saudáveis, mas na verdade estão repletos de substâncias tóxicas para o corpo.

Você pode consultar um profissional de saúde se tiver alguma dúvida e, se já tiver um problema nos rins, terá menos desculpas para evitar esses hábitos.

  • Michishita R, Matsuda T, Kawakami S, et al. The association between changes in lifestyle behaviors and the incidence of chronic kidney disease (CKD) in middle-aged and older men. J Epidemiol. 2017;27(8):389–397. doi:10.1016/j.je.2016.08.013
  • Saldana TM, Basso O, Darden R, Sandler DP. Carbonated beverages and chronic kidney disease. Epidemiology. 2007;18(4):501–506. doi:10.1097/EDE.0b013e3180646338
  • Garofalo C, Borrelli S, Provenzano M, et al. Dietary Salt Restriction in Chronic Kidney Disease: A Meta-Analysis of Randomized Clinical Trials. Nutrients. 2018;10(6):732. Published 2018 Jun 6. doi:10.3390/nu10060732
  • Evaluation, D. (2003). Clinical Guidelines National Kidney Foundation Practice Guidelines for Chronic Kidney. Annals of Internal Medicine. https://doi.org/200307150-00013 [pii]
  • Levey, A. S., Eckardt, K. U., Tsukamoto, Y., Levin, A., Coresh, J., Rossert, J., … Willis, K. (2005). Definition and classification of chronic kidney disease: A position statement from Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO)z. Kidney International. https://doi.org/10.1111/j.1523-1755.2005.00365.x
  • Coresh, J., Selvin, E., Stevens, L. A., Manzi, J., Kusek, J. W., Eggers, P., … Levey, A. S. (2007). Prevalence of chronic kidney disease in the United States. Journal of the American Medical Association. https://doi.org/10.1001/jama.298.17.2038
  • Epstein, M. (1997). Alcohol’s Impact on Kidney Function. Alcohol: Health & Research World. https://doi.org/10.1172/JCI103093.II.
  • Waddington F, Naunton M, Thomas J. Paracetamol and analgesic nephropathy: Are you kidneying me?. Int Med Case Rep J. 2014;8:1–5. Published 2014 Dec 15. doi:10.2147/IMCRJ.S71471