Dia Mundial da luta contra a AIDS: um compromisso de todos

16 Novembro, 2020
No dia mundial da luta contra a AIDS, devemos lembrar que esta doença constitui uma pandemia, ou seja, está presente em todo o mundo. Atualmente, a ciência pode tratá-la e atrasar seu progresso, especialmente se for detectada a tempo.

Há 31 anos, o mês de dezembro marca o dia mundial da luta contra a AIDS. Esta é uma data destinada a aumentar a conscientização sobre o progresso feito frente ao HIV/AIDS e a aumentar a conscientização sobre a importância de prevenir e tratar adequadamente essa pandemia.

O lema do dia mundial da luta contra a AIDS em 2019 foi: “As comunidades fazem a diferença” . Isso se refere à importância de diferentes atores sociais na abordagem deste problema, uma vez que existem educadores, mídia, trabalhadores da saúde e voluntários de todos os tipos que contribuem e podem contribuir em diferentes partes do mundo para combater essa doença.

” A única vacina que nos protege é a prevenção “. OMS.

As comunidades são vitais porque o mais importante não é encontrar novos medicamentos ou melhores tratamentos para esta pandemia, mas adotar medidas preventivas que impeçam a propagação desta doença. Também é necessário que as comunidades reivindiquem melhores serviços e um maior orçamento em cada nação. Isso foi o que o Dia Mundial da luta contra a AIDS reivindicou em 2019.

O cenário do HIV no mundo

De acordo com dados fornecidos pelo UNAIDS, em 2019 cerca de 38 milhões de pessoas estavam vivendo com HIV no mundo. Entre elas, 49% são homens e 51% são mulheres. Cerca de 24 milhões dessas pessoas recebem algum tipo de tratamento para essa condição, o que significa que existem cerca de 14 milhões de pessoas que não estão sendo tratadas.

Teste de HIV positivo

O mais preocupante é que estima-se que existam aproximadamente 8 milhões de pessoas que não sabem que estão infectadas pelo HIV. Isso significa que são pessoas com um alto potencial de transmissão da doença, sem que saibam disso. Portanto, o dia mundial da luta contra a Aids em 2019 se concentrou na comunhão, ou seja, na responsabilidade que todos temos de enfrentar esse problema.

O grupo de maior risco são os homossexuais,  que têm 22 vezes mais risco de contrair a AIDS. Usuários de drogas intravenosas não ficam muito atrás: o risco de infecção é 21 vezes maior do que o de outras pessoas, um número que também se aplica a profissionais do sexo. As pessoas trans têm um risco 12 vezes maior.

Não deixe de ler: O transplante de células-tronco pode erradicar o HIV

O que todos devemos saber sobre a AIDS

A melhor maneira de impedir a propagação da AIDS é com práticas seguras, principalmente na vida sexual. Independentemente da sua posição sobre o assunto, é fundamental usar preservativos para fazer sexo, especialmente se você não tem um relacionamento estável. Mesmo neste último caso, a proteção também é aconselhável, caso algum dos membros do casal mantenha relações com outras pessoas.

Da mesma forma, em qualquer situação que envolva o uso de agulhas que penetram na pele, é preciso ter cuidado. Tais agulhas devem ser usadas apenas uma vez e, obviamente, nunca devem ser compartilhadas. Isso se aplica a todos os tipos de procedimentos médicos, bem como ao uso de agentes psicoativos intravenosos.

Devemos nos lembrar de que o HIV, em princípio, não causa nenhum sintoma e, portanto, caso você tenha mantido práticas inseguras, pode ter contraído o vírus sem saber.

Ter HIV positivo não significa que você tenha AIDS: o HIV é o vírus, enquanto a AIDS é uma doença que ocorre no último estágio da infecção. Isso pode ser controlado nos estágios iniciais.

Descubra também: 4 recomendações de dieta para pessoas com HIV

A mensagem do Dia Mundial da luta contra a AIDS

Luta contra a AIDS

A meta para o ano de 2020 foi chamada de “90-90-90”. Isso significa que, até o fim de 2020, espera-se que 90% das pessoas com HIV tenham conhecimento do seu diagnóstico, e que 90% dos portadores possam acessar o tratamento antirretroviral, o único eficaz até o momento para interromper a progressão da infecção. Por fim, busca-se que 90% das pessoas tratadas tenham resultados estáveis.

No ano de 2018, houve 770.000 mortes por AIDS no mundo. Embora o número permaneça alto, com o tratamento antirretroviral a taxa de mortalidade foi reduzida em 40% desde 2004. Uma medida recomendada é fazer o teste de HIV se você já teve algum comportamento de risco. É muito simples e isso poderá, literalmente, salvar a sua vida.

A incidência da AIDS por região, em sua ordem, é a seguinte: África Subsaariana, Sul e Sudeste Asiático, América Latina, Europa Oriental e Ásia Central, América do Norte, Leste Asiático, Europa Ocidental e Central, Oriente Médio e África Norte, Bacia do Caribe e Oceania.

  • Calmy, A., & Cavassini, M. (2012, January 18). VIH/sida. Revue Medicale Suisse. https://doi.org/10.1016/b978-848174943-4.50021-1
  • Torruco García, U. (2016). Infección por VIH y sida, dos mundos que se apartan. Revista de La Facultad de Medicina (México)59(1), 36–41.
  • American Cancer society. (2014). ¿Qué es VIH y qué es SIDA?
  • Santiesteban Díaz, Y. M., Orlando-Narváez, S. A., & Ballester-Arnal, R. (2019). Risk behaviors for HIV infection. a review of emerging trends. Ciencia e Saude Coletiva, 24(4), 1417–1426. https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.02322017