As bebidas mais agressivas para o estômago

O estômago é responsável pela digestão de alimentos e bebidas. O que acontece quando ingerimos bebidas desproporcionalmente? Neste artigo falaremos sobre quais bebidas são as mais agressivas para o seu estômago.
As bebidas mais agressivas para o estômago

Última atualização: 17 Fevereiro, 2021

As bebidas mais agressivas para o estômago são aquelas que prejudicam a mucosa de revestimento da parede estomacal, ou as que aumentam o volume do ácido. Seu consumo excessivo pode levar a sérios problemas de saúde, por isso, falaremos delas com mais detalhes a seguir.

Lembre-se de que o estômago é um órgão essencial para a digestão de alimentos e bebidas. Nele inicia-se a digestão, no intestino ocorre a absorção dos nutrientes e no fígado estes são metabolizados. Seu funcionamento dependerá, em grande parte, do tipo de alimento e da forma como é consumido.

Se não mantivermos bons hábitos alimentares e, pelo contrário, nos deixarmos levar pelos excessos e pelo consumo de substâncias nocivas, como o álcool e o tabaco, estaremos colocando nossa saúde em risco de várias formas.

Bebidas mais agressivas para o estômago

As bebidas estimulantes e alcoólicas são as piores opções para o estômago, mas também a misturas das duas. A seguir veremos o porquê.

Bebidas com álcool

Bebidas alcoólicas são as bebidas mais agressivas para o estômago.

O álcool é considerado a bebida mais agressiva para o estômago e outros órgãos vitais. Devido ao seu elevado nível de toxicidade, deve ser consumido em pequenas quantidades e esporadicamente, embora o mais recomendável seja não consumi-lo.

Ele afeta o organismo não apenas a nível gástrico; mas também o fígado, intestino, coração e outros órgãos. Os efeitos nocivos do álcool ocorrem rapidamente após sua ingestão .

É preciso lembrar que, devido à composição do álcool, ele não é considerado nutritivo. Além disso, favorece a acumulação calórica. Essas bebidas têm efeitos diuréticos. Se forem consumidas em grandes quantidades podem causar desidratação. Estas são as razões, entre outras coisas, para a ocorrência da chamada ressaca.

Qualquer bebida alcoólica tem um grande potencial nocivo para o organismo, e este é ainda maior se as bebidas tiverem um alto teor alcoólico e forem combinadas com outras bebidas gaseificadas.

A grande quantidade de açúcares contidos nestas bebidas aumenta os níveis calóricos do corpo, o que, a longo prazo, prejudica a saúde.

As bebidas alcoólicas mais consumidas e agressivas para o estômago

  • Aguardente: é uma das bebidas alcoólicas menos recomendadas. Isso se deve ao processo de destilação de alguns tipos de aguardente. Em particular, as com base em frutas que possuem altas concentrações de açúcar. Além disso, aquelas com um alto grau etílico têm 50°.
  • Amaretto soura combinação de sabores pode conter até 300 calorias. São vários ingredientes comerciais adicionados à fabricação desta bebida. Pode atingir concentrações de até 57 gramas de açúcares por bebida.
  • Anis ou “licor digestivo”: é outra das bebidas mais nocivas para o estômago. É nomeado de acordo com o fruto da planta a partir da qual este licor é obtido e é uma bebida que contém alto grau etílico. Além disso, é comumente usado em alguns países como um auxiliar na digestão. Isso explica a tendência de ser consumido em todo o mundo. Sua contribuição calórica é alta, entre 295 a 300 calorias.

Coquetel, rum e vodca

  • Os coquetéis são caracterizados pelo seu elevado teor calórico. Eles podem ser feitos com rum, tequila, gim, vodca, etc., e também misturando com refrigerantes de cola. Esta combinação aumenta ainda mais suas altas concentrações de álcool e calorias.
  • Rum: este licor é obtido, principalmente, da cana-de-açúcar e, portanto, sua destilação contém altas concentrações de açúcares. O rum contribui com cerca de 244 kcal. É um licor com alto teor alcoólico e geralmente é usado como base em preparações de coquetéis, como mojitos.
  • Vodca: a vodca encabeça a lista de bebidas favoritas para misturar com bebidas energéticas. É a opção que possui o maior conteúdo calórico, fornecendo cerca de 300 kcal com uma graduação de 42°, e é considerada uma das bebidas mais agressivas.

Bebidas Estimulantes

Bebidas estimulantes

Café, chá ou bebidas à base de água gaseificada ou refrigerantes devem ser consumidos de forma moderada, pois têm efeitos nocivos para o estômago. Entre as consequências de uma ingestão contínua e em grandes doses, há a distensão abdominal e o dano à mucosa gástrica. Por tudo isso, se você não controlar sua ingestão, podem causar úlceras gástricas e problemas de sono.

Mistura de bebidas energéticas com álcool

Álcool com energético

Esta mistura entre bebidas energéticas e estimulantes é especialmente prejudicial para o nosso corpo. Sua ingestão traz consigo uma série de afecções gástricas, metabólicas e alteração dos padrões de sono. Além disso, elas podem causar desidratação devido ao alto teor etílico e calórico.

Entre outras consequências, pode ocorrer intoxicação e, em casos extremos, coma alcoólico. Essas misturas entre álcool e substâncias excitantes, apesar da praticidade de sua preparação e seu efeito estimulante, geram sérias consequências.

Pode interessar a você...
Consequências do consumo de Redbull e outras bebidas energéticas
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Consequências do consumo de Redbull e outras bebidas energéticas

O Redbull é, provavelmente, uma das bebidas mais famosas e consumidas em todo o mundo. Saiba o que ele pode causar em nosso corpo.



  • Anderson, P., A. Gual, and J. Colon. “Alcohol y atención primaria de la salud: informaciones clínicas básicas para la identificación y el manejo de riesgos y problemas. Organización Panamericana de la Salud. 2008. ISBN 9789275328569.” (2011).
  • González-Iglesias, Beatriz, et al. “Búsqueda de sensaciones y consumo de alcohol: el papel mediador de la percepción de riesgos y beneficios.” anales de psicología 30.3 (2014): 1061-1068.
  • López, C. M. “Riesgos y beneficios del consumo de bebidas con alcohol: un enfoque de salud pública.” En: Cuadernos FISAC (Fundación de Investigaciones Sociales), México 1.1 (2000): 56-78.