Ataque de pânico noturno: causas e tratamentos

14 de janeiro de 2020
Seja por razões médicas ou psicológicas, se sofrermos de algum ataque de pânico noturno é importante deixar o médico ciente para que nos ajude a solucionar o problema

O ataque de pânico noturno aparece de improviso no meio do sono profundo, segue como sensação de sufoco, taquicardias e transpiração.

De um ponto de vista clínico, é muito comum que apareça em pacientes que também experimentam crises de pânico durante o dia.

No entanto, sabe-se que os ataques experimentados durante as horas da noite são vividos com maior intensidade.

No artigo a seguir, explicaremos mais detalhadamente o que significa o ataque de pânico noturno, bem como quem são as pessoas com maior probabilidade de sofrer dele e, também, algumas estratégias para evitá-lo. Continue lendo!

Ataque de pânico noturno: quem pode sofrer?

Mulher alterada pelos ataques de pânico noturnos

Quando se faz referência aos ataques de pânico é comum imaginar uma pessoa presa ao medo, da paralisia e das taquicardias em qualquer ambiente diurno onde, rapidamente a mente assume que existe um perigo ou um foco de angústia. No entanto, esses tipos de situações podem nos atacar dia e noite.

A revista médica da Mayo Clinic nos diz neste relatório quais pessoas são mais suscetíveis a ataques de pânico noturnos:

  • Pacientes que já sofrem por si só ataques de pânico em qualquer momento do dia.
  • Pessoas que estão imersas em situações de grande pressão psicológica e emocional.
  • Pacientes com hipertireoidismo ou hipotireoidismo
  • Pessoas que sofrem apneia
  • Pessoas que acabam de viver um evento traumático: perda de um ente querido, ter superado um acidente ou ter sido testemunha de um…

Quais são os sintomas do ataque de pânico noturno?

Mulher que sofre com ataque de pânico noturno

A Associação ‘Ayuda’ confirma que os ataques de pânico noturnos geralmente aparecem na fase não REM do sono, ou seja, quando estamos mais calmos e, curiosamente, mais relaxados

O despertar é súbito e violento, como se alguém ativasse um mecanismo que, de repente, “nos arranca” de nosso descanso. O despertar é acompanhado de uma sensação de medo intenso, de pânico ou fatalidade. Vem acompanhada de sufoco, taquicardias e transpiração. A pessoa costuma ter a percepção de que está nessa situação há muito tempo. No entanto, costuma ser algo muito limitado e breve.

O que podemos fazer para enfrentar e reduzir os ataques de pânico noturnos?

Assim como indicamos anteriormente, os ataques de pânico noturnos podem ser causados por vários motivos. No entanto, podemos diferenciar duas grandes áreas: as médicas e as psicológicas.

Ataques de pânico por razões médicas

Mulher que sofre com ataques de pânico sentada na cama

Segundo a psicóloga Julia Pascual, fatores como problemas de tireoide, apneia ou refluxo podem levar a esses violentos despertares noturnos. A primeira coisa a fazer sempre é consultar um médico e seguir suas instruções à risca. Outras estratégias que poderíamos aplicar seriam:

  • Tentar levar uma vida ativa, o exercício físico é um bom regulador destes ataques de ansiedade.
  • Depois de um ataque de pânico noturno, é recomendado se levantar e fazer alguma tarefa rotineira não estimulante: organizar algo, escovar os dentes ou o cabelo…
  • Não é aconselhável realizar atividades que mantenham nosso cérebro ativo e que exijam grande concentração.

Ataques de pânico por razões emocionais ou psicológicas

Para estas causas, seria aconselhável:

  • Averiguar qual é a origem de nossos problemas emocionais ou o desencadeador da ansiedade.
  • Administrar o mundo emocional com ajuda de um profissional ou mediante adequadas técnicas pessoais de enfrentamento.
  • Antes de dormir praticar alguma técnica de respiração e relaxamento.
  • mindfulness é ideal para administrar estas situações. Isto é afirmado neste estudo realizado pela Universitat Jaume I.
  • A ioga também é de grande ajuda.
  • A natação, a dança ou as caminhadas em ambientes naturais são atividades relaxantes e ideais para este tipo de transtorno.

Para concluir, não duvide nunca em colocar em prática o conhecimento dos médicos em qualquer tipo de afecção do sono.

Os transtornos de pânico noturnos têm sempre uma origem biológica ou psicológica que é necessário conhecer.

  • Mario R. Garcia Palmieri. Lo Que Debes Saber Sobre Tu Salud. La Editorial, UPR, 2000.
  • Pablo Manzano. Temperamento y Personalidad – Libros Ilustrados. SteelBrush, 2014.
  • JP Nicolais. Soluciones Simples a los Trastornos del Sueño: Cómo Sacar Provecho de Sus Sueños. Alchemy Solutions LLC, 2014.