Acalasia: diagnóstico e tratamento

· 9 de junho de 2019
A acalasia é um transtorno raro que ocorre com a incapacidade de engolir alimentos sólidos ou líquidos. Como esta doença pode ser diagnosticada e tratada?

A acalasia é um transtorno pouco frequente que pode ocorrer em qualquer idade, e é caracterizada pela incapacidade do esôfago se contrair e empurrar o alimento para o estômago.

Isso, sem sombra de dúvida, é um problema. Especialmente porque, apesar das pesquisas que foram feitas sobre esta doença, as causas específicas pelas quais ela aparece ainda não foram encontradas.

O que foi descoberto é que  se manifesta tanto em homens quanto em mulheres, e que não importa se há um caso semelhante na família ou não.

Sintomatologia da acalasia

Expansão do esófago

Para que o médico possa fazer um diagnóstico correto da doença chamada acalasia, é importante atentar para a sintomatologia que a caracteriza.

  • Disfagia: dificuldade em engolir alimentos sólidos e moles, bem como a incapacidade de beber líquidos. Isto é devido à contração que ocorre na parte superior do esôfago.
  • Dor torácica: não é muito frequente, mas pode ocorrer devido às contrações que ocorrem no esfíncter esofágico inferior.
  • Regurgitação da comida: Algumas pessoas que sofrem de acalasia geralmente regurgitam a comida que ingerem, devido à incapacidade de passar pelo esôfago.
  • Perda de peso: a dificuldade para digerir os alimentos produz uma perda de peso progressiva, que pode levar ao sofrimento da anemia.

É importante ter em mente que alimentos ou líquidos que não passam pelo esôfago e não são regurgitados podem ser aspirados para os pulmões. Isso pode acontecer especialmente se a pessoa estiver dormindo.

As consequências disso podem variar de uma infecção respiratória até uma pneumonia por aspiração. Por esta razão, na presença de disfagia, você deve consultar um médico o mais rápido possível.

Leia também: Diferenças entre a fome real e a ansiedade por comida. Descubra-as!

Como o diagnóstico da acalasia é feito?

Uma vez que o paciente apresente os sintomas acima mencionados, para estabelecer um diagnóstico correto é necessário realizar alguns exames específicos. Entre eles estão a manometria e o esofagograma com bário.

Manometria

Manometria na acalasia

A manometria é realizada usando uma sonda fina que é introduzida pelo nariz até atingir o esôfago e o estômago. Para isso, a anestesia local é aplicada ao paciente.

Uma vez que a sonda esteja no estômago, ela sobe um pouco até o esôfago e o paciente é solicitado a engolir, medindo a pressão das contrações.

Esofagograma baritado

O esofagograma baritado é usado como outra maneira de diagnosticar a acalasia. É um teste simples em que o paciente deve beber um líquido de bário antes de entrar no consultório.

Uma vez dentro, ficará de pé, com as costas contra a mesa de raio-X. Além disso, o médico irá pedir-lhe para beber mais líquido e, ocasionalmente, irá dizer-lhe para segurar brevemente a respiração.

Descubra ademais: Acelere a recuperação das aftas com estes 7 tratamentos caseiros

Tratamentos da acalasia

Os tratamentos da acalasia dependerão da sua gravidade e das características do paciente (idade avançada, infecção no trato respiratório, etc.). Por exemplo, algumas opções de tratamento são as seguintes:

  • Balões dilatadores: um balão é inserido no esfíncter esofágico e insuflado com água para manter o esôfago aberto e aumentado. Normalmente, este tratamento requer ser repetido depois de certo tempo.
  • Botox: é um relaxante muscular que é injetado através de um endoscópio no esfíncter esofágico. É geralmente usado em pessoas de idade avançada, e naqueles que não podem ser submetidos a cirurgia.
  • Relaxantes musculares: existe a opção de prescrever medicamentos que funcionem como relaxantes musculares antes de comer. O problema com este tratamento é que seus efeitos colaterais são importantes.
  • Cirurgia: é a melhor opção, especialmente para pacientes jovens, para dar uma solução eficaz para este problema, cujas causas são desconhecidas.
Na acalasia, o alimento não passa pela garganta

Diante de qualquer problema para engolir alimentos ou, inclusive, a água, é necessário ir ao médico. Embora em muitas ocasiões possamos confundi-la com sintomas de ansiedade. Por exemplo, com o bolo histérico, é sempre melhor não deixar dúvidas, recebendo um diagnóstico adequado.

Isso nos permitirá iniciar um tratamento que seja eficaz para nosso caso, e evitar grandes problemas devido à ingestão de alimentos ou líquidos como os que já vimos.

Em conclusão, atualmente, investigações ainda estão em andamento para determinar quais podem ser os fatores que causam a acalasia. Esperamos que em pouco tempo, não muitos anos, isso nos ajude a evitar esse transtorno.

 

  • Carballo, Fiorella Ferrandino, & Brenes, Alberto Alonso Umaña. (2016). Acalasia como trastorno de la motilidad esofágica. Medicina Legal de Costa Rica33(1), 269-274. Retrieved January 30, 2019, from http://www.scielo.sa.cr/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S1409-00152016000100269&lng=en&tlng=es.
  • Carmona Domínguez, Roberto. (2007). Diagnóstico de acalasia esofágica en la atención primaria de salud: Presentación de un caso. Revista Cubana de Medicina General Integral23(1) Recuperado en 30 de enero de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S0864-21252007000100017&lng=es&tlng=es.
  • Csendes J, Attila, Braghetto M, Italo, Burdiles P, Patricio, Korn B, Owen, & Salas F, Juan E. (2012). Tratamiento quirúrgico de la acalasia esofágica: Experiencia en 328 pacientes. Revista chilena de cirugía64(1), 46-51. https://dx.doi.org/10.4067/S0718-40262012000100008
  • Errázuriz B, Juan Ignacio, & De Barbieri IW, Francisca. (2013). Acalasia en paciente pediátrico: Reporte de caso clínico y revisión de la literatura. Revista chilena de radiología19(4), 174-176. https://dx.doi.org/10.4067/S0717-93082013000400006
  • Jiménez, J. R. J., Domínguez, L. P. I., & Reyes, K. C. (2013). Acalasia congénita; a propósito de un caso. Revista Mexicana de Pediatría80(4), 146-149.
  • Orgaz Gallego, Mª Pilar. (2009). Achalasia: un trastorno de la motilidad esofágica, no tan raro. Revista Clínica de Medicina de Familia2(6), 305-308. Recuperado en 30 de enero de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S1699-695X2009000100010&lng=es&tlng=es.
  • LEÓN A, PAULA, CSENDES J, ATTILA, BRAGHETTO M, ITALO, LASEN DE S, JOSÉ, & ROBLES M, JOSÉ. (2010). Acalasia en obesos mórbidos: Reporte de casos. Revista chilena de cirugía62(2), 172-174. https://dx.doi.org/10.4067/S0718-40262010000200014
  • Restrepo P, Antonio J, Rey T, Mario H, Garzón O, Martín A, Farfán Q, Yesid A, Molano V, Juan C, Marulanda, Juan C, & Lizarazo, Jorge I. (2007). Acalasia. Controversias del tratamiento. Revista Colombiana de Gastroenterologia22(1), 69-75. Recuperado en 30 de enero de 2019, de http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S0120-99572007000100012&lng=es&tlng=es.
  • Ruiz de León San Juan, A., & Pérez de la Serna Bueno, J. A.. (2008). Acalasia. Revista Española de Enfermedades Digestivas100(5), 304. Recuperado en 30 de enero de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S1130-01082008000500012&lng=es&tlng=es.