9 efeitos surpreendentes associados a um nível baixo de serotonina

05 Outubro, 2020
Muito além dos problemas de ansiedade ou depressão, a carência de serotonina pode nos enviar outros sinais que não devemos ignorar.

A serotonina é a substância química que potencializa em nós uma agradável sensação de bem-estar geral. Um baixo nível de serotonina pode influenciar negativamente nosso estado emocional.

No entanto, suas funções vão muito além. A serotonina ou 5-hidroxitriptamina (5-HT), além de agir no cérebro como neurotransmissor, cumpre também a função de hormônio quando chega à nossa corrente sanguínea.

A serotonina influencia uma variedade enorme de funções corporais e psicológicas. De fato, sabe-se que ela tem uma utilidade essencial no metabolismo dos ossos, assim como na regeneração hepática e inclusive na divisão celular.

Esse componente químico do organismo é tão fascinante quanto maravilhoso. Graças à 5-HT, podemos dispor de um equilíbrio interno adequado com o qual assegurar o bem-estar de todos os processos que garantem a nossa saúde geral.

Portanto, você deve saber quais efeitos ocorrem em nosso organismo quando apresentamos um baixo nível de serotonina. Para isso, continue a leitura!

Vale a pena ter em mente que costumamos associar esses sintomas que a outros problemas quando, na realidade, podem ser decorrentes de um simples desajuste em nossos neurotransmissores e hormônios. No entanto, você deve consultar seu médico se acredita que está passando por uma situação grave.

1. Problemas digestivos

A peristalse faz referência às contrações que se originam em todo o nosso trato digestivo com uma finalidade muito concreta: mover alimentos e líquidos através do sistema digestivo.

Quando os níveis de serotonina ficam baixos, as células deixam de emitir uma quantidade adequada de cálcio. Com menos cálcio, os músculos digestivos deixam de se contrair com tanta eficácia e, portanto, nossa digestão se torna mais lenta e pesada.

2. Síndrome do intestino irritável

Quase 95% da serotonina é produzida e armazenada no intestino. Uma deficiência desse neurotransmissor com funções hormonais pode provocar uma alteração na função intestinal.

Assim, é provável que tenhamos episódios frequentes de prisão de ventre. Além disso, e por causa da deterioração muscular no sistema digestivo citada anteriormente, é comum que pouco a pouco acabemos sofrendo do que se conhece como “intestino irritável”.

Sempre será adequado que o médico faça um exame de sangue e uma avaliação completa dos sintomas para verificar se esse problema é causado realmente por um nível baixo de serotonina.

Leia também: O lado obscuro da oxitocina

3. Um sistema imunológico mais fraco

Se você vem sentindo cansaço, fraqueza muscular, exaustão, mau humor e, além disso, percebe que está tendo mais infecções e resfriados do que o normal, não deixe de ir ao médico.

Um nível baixo de serotonina faz com que nossa resposta imunológica fique mais fraca e ineficaz.

4. Alterações no relógio biológico

Os níveis baixos de serotonina podem alterar nosso ritmo circadiano. De fato, um sintoma tão comum quanto chamativo é experimentar uma sensação de sono intensa durante o dia, e não à noite.

No entanto, cabe ressaltar que essa sonolência diurna também aparece como sintoma de depressão. Sabe-se que a depressão endógena é causada precisamente por um déficit de serotonina.

5. Vontade de consumir alimentos salgados

O pão pode variar de acordo com a sua preferência, embora o mais recomendado seja o centeio.

As pessoas que tem um nível baixo de serotonina no organismo têm uma maior necessidade de sódio e, portanto, têm desejo de comer alimentos salgados. No entanto, não podemos usar somente esse sintoma para diagnosticar um déficit de 5-HT. Também é preciso notar outros processos como desânimo, cansaço, problemas digestivos…

6. Depressão

Já falamos sobre isso. Um déficit de serotonina se relaciona com uma queda no humor. De fato, existe uma relação direta entre a serotonina e o desenvolvimento da depressão.

Tudo isso tem sua origem em uma queda no número de receptores capazes de receber a serotonina ou, pelo contrário, na escassez de triptofano, o aminoácido que ajuda a regular a serotonina.

Em algumas ocasiões algo tão simples quanto melhorar a alimentação e praticar algum esporte pode melhorar nosso humor se a depressão for leve. No entanto, em muitos casos é preciso recorrer a medicamentos para restaurar os níveis de serotonina.

Leia também: Como detectar a depressão em uma pessoa querida

7. Maior ansiedade

Nosso corpo tem 14 receptores diferentes de serotonina, e o 5-HT1A é o mais importante deles. Se em algum momento de nossas vidas esse receptor enfrentar algum problema, notaremos imediatamente uma maior suscetibilidade, nervosismo, preocupações e ansiedade.

É um dado muito curioso que, sem dúvida, devemos ter em mente para entender que muitas vezes tanto a ansiedade quanto a depressão têm uma origem química.

8. Enxaquecas

Os sintomas da enxaqueca variam de uma forte dor latejante à sensibilidade à luz e aos sons altos.

A serotonina tem uma importância fundamental no desenvolvimento das enxaquecas. A origem de uma boa parte desse tipo de cefaleias está na deficiência de triptofano, assim como acontece na depressão. Isso ocorre porque ele é o precursor da serotonina e porque media sua produção correta.

9. Pequenos problemas de memória

A falta de atenção, o cansaço, a dificuldade para nos concentrar em determinados dados e reter informação também se associam a um problema com a serotonina.

Esse sintoma é muito comum nas pessoas que sofrem de depressão. Um problema que, por sua vez, costuma melhorar quando seguimos o tratamento farmacológico específico para ele.

A serotonina é fundamental para o bem-estar

Como podemos ver, a serotonina atua em uma infinidade de processos. De fato, os 9 citados neste artigo são apenas uma pequena amostra. Portanto, diante de qualquer sintoma, mal-estar físico ou emocional, não devemos deixar de consultar um médico.

Comer de forma saudável, fazer exercícios e seguir as orientações de profissionais competentes (médico de família e psicólogo) pode ajudar a recuperar, aos poucos, o bem-estar perdido.

  • Nichols, C. D. (2014). Serotonin. In Encyclopedia of the Neurological Sciences. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-385157-4.00048-8
  • Mohammad-Zadeh, L. F., Moses, L., & Gwaltney-Brant, S. M. (2008). Serotonin: A review. Journal of Veterinary Pharmacology and Therapeutics. https://doi.org/10.1111/j.1365-2885.2008.00944.x
  • Dayan, P., & Huys, Q. J. M. (2009). Serotonin in Affective Control. Annual Review of Neuroscience. https://doi.org/10.1146/annurev.neuro.051508.135607
  • Ursin, R. (2002). Serotonin and sleep. Sleep Medicine Reviews. https://doi.org/10.1053/smrv.2001.0174