6 danos que o divórcio pode causar na vida das crianças

· 28 de maio de 2018
O divórcio é uma situação imprevista para todas as crianças. Uma conjuntura que muda completamente a vida delas. O dano emocional nas crianças dependerá de como os pais lidam com a separação.

Em geral, os danos que os divórcios podem causar geralmente são irreversíveis. Se também contarmos os danos que as crianças sofrem, o resultado é quase sempre devastador. Nas crianças, o dano se manifesta em sua autoestima e confiança.

Da mesma forma, afeta outros aspectos de suas vidas, como a parte acadêmica e, em alguns casos, a saúde. O divórcio é muito mais do que a dissolução do vínculo matrimonial. Quando os pais se separam, o mundo das crianças geralmente se rompe.

A separação gera um estado de luto que cada membro da família deve enfrentar. Embora os especialistas afirmem que as crianças conseguem se adaptar e assimilá-lo, a verdade é que ninguém sai ileso de um divórcio.

Causas do divórcio

Filho mostrando desenho de pais divorciados

Algumas das causas mais comuns do divórcio são:

  • Infidelidade.
  • Problemas de vício.
  • Violência doméstica (física ou psicológica).
  • Intolerância diante das diferenças.
  • Decepção acumulada ou insatisfação pessoal.
  • Rotina e tédio.

Formas em que um divórcio pode ser realizado

Existem dois tipos de procedimentos para a separação conjugal, aos quais nos referimos abaixo:

Por acordo mútuo

É o mais conveniente para casais que têm filhos, já que o efeito dele sobre as crianças é menor. Através desse tipo de separação, o casal administra seus problemas em harmonia. As argumentações constantes que prejudicam às crianças são evitadas.

Divórcio litigioso

Nesse caso, um dos cônjuges faz uma reclamação onde explica e justifica os motivos da solicitação. O outro cônjuge geralmente não concorda com a decisão e, ao se opor a ela, os conflitos começam.

Danos que os divórcios podem causar nas crianças 

A capacidade das crianças de superar os danos que os divórcios podem causar é diferente em cada caso. Isso dependerá em grande parte do modo como os pais lidam com a separação. De acordo com cada particularidade, os danos às crianças podem se manifestar a curto e longo prazo.

1. Baixa autoestima

Pais divorciados com filhos

Dependendo da idade e das habilidades que as crianças têm para enfrentar novas situações, os traços de sua autoestima podem ser mais ou menos profundos. Em caso de divórcio, as crianças podem sentir que não são importantes ou que não são levadas em conta.

Isso porque, geralmente, os pais investem muito tempo no processo de divórcio, diminuindo a atenção que cada criança requer. Se a interação com o pai que não mora mais na casa for mínima, a criança pode se sentir subestimada.

2. Sentimentos de culpa

Leva vários anos para as crianças superarem a perda de convivência com um dos pais. Se a comunicação dos pais não for a ideal, elas podem pensar que são culpadas pelo divórcio.

Isso pode acontecer se os pais não tiverem a maturidade necessária para enfrentar o conflito e suas responsabilidades, recarregando nas crianças uma sensação de abandono total.

É preciso ter em mente que envolver as crianças no divórcio as deixa mais vulneráveis. As crianças não devem ser colocadas na posição de escolher entre um e outro pai. Isso só causa danos psicológicos à criança. Elas se sentirão culpadas por precisar escolher um deles.

3. Depressão

Geralmente gera incerteza perder o estilo de vida que levava e o poder de compra. Se além disso, elas ainda precisarem se mudar de casa, de escola e deixar os amigos, a depressão pode se manifestar. Além disso, elas perdem a segurança e a confiança que o amor de seus pais proporcionava através das atividades familiares.

Além disso, é possível que eles vivam com um dos pais de maneira forçada. E se o tempo que eles passam com o outro progenitor for muito curto, a atitude pode passar de depressiva a hostil.

Além disso, é provável que as crianças achem difícil aceitar a separação e inventar fantasias sobre a reconciliação. Quando isso não acontece, pode aumentar sua frustração e depressão.

4. Dificuldades para socializar

Outro dano que os divórcios podem causar inclui dificuldades sociais. Durante a separação, as crianças só conseguem pensar no que está acontecendo em seus lares. Isso pode diminuir sua motivação para brincar e compartilhar com os amigos.

Da mesma forma, o desempenho acadêmico pode ser afetado, porque elas estão tão preocupadas com a situação familiar que negligenciam outros aspectos de suas vidas. As crianças precisam colocar uma distância entre o divórcio de seus pais e suas próprias vidas.

5. Medo do futuro

Um terapeuta pode ajudar a atravessar um divórcio

Mudar de um estágio de felicidade familiar para um de separação pode desestabilizar qualquer pessoa. Tudo o que as crianças podem imaginar, definitivamente, não inclui a perda de um dos pais. Um processo de divórcio gera nas crianças uma grande incerteza sobre o futuro.

Essa experiência pode marcá-las em seus relacionamentos futuros. O mais provável é que, quando adulto, ela sinta medo de se estabelecer e até de se casar, lembrando-se da experiência vivida com a separação de seus pais.

6. Doenças psicossomáticas

Entre os danos que podem ser causados ​​pelos divórcios estão as doenças psicossomáticas. Estas são apresentadas como resultado do alto nível de estresse experimentado durante o processo de divórcio e da ansiedade gerada pelo novo modo de vida.

Reflexão

Os desconfortos das crianças cujos pais estão passando por um divórcio não são uma invenção, elas realmente se sentem doentes. Antes disso, recomenda-se procurar ajuda profissional para lidar com o dano emocional que o divórcio causou nas crianças e ajudá-las a enfrentar as mudanças que estão por vir.