5 infusões para tratar pedras na bexiga

02 Janeiro, 2020
As pedras na bexiga podem causar dor e alterações nos hábitos de micção. Felizmente existem 5 infusões que ajudam a acelerar sua recuperação.

Os cálculos na bexiga, também conhecidos como pedras na bexiga ou litíase da bexiga, devem-se ao acúmulo de substâncias como oxalatos ou ácido úrico. Estes, por sua vez, tendem a se formar após a cristalização de partículas da urina muito concentrada.

Estes são menos frequentes do que as pedras nos rins, mas podem se tornar bastante incômodos. Por isso, como primeira linha de tratamento, é essencial aumentar o consumo de água e modificar os hábitos alimentares.

Além disso, não podemos esquecer a importância que algumas plantas medicinais tradicionalmente tiveram no tratamento e prevenção deste problema. Você as conhece? Descubra como usá-las em 5 infusões.

Por que se acumulam pedras na bexiga?
Dor por pedras na bexiga

Em primeiro lugar, você deve saber que, um esvaziamento incompleto da bexiga pode levar à formação de pedras nela. Por sua vez, isso está associado a doenças do trato urinário.

A principal razão para o acúmulo dessas pequenas pedras na bexiga se deve a um esvaziamento incompleto da mesma no momento da micção.

Isso ocorre quando há afecções no trato urinário que alteram a capacidade da bexiga de armazenar a urina. Essas condições podem ser:

  • Hiperplasia prostática benigna: muito comum em homens idosos. Devido ao aumento da próstata, pode haver obstrução na saída da urina da bexiga.
  • Cálculo renal: as pedras nos rins poderiam descer através dos ureteres para a bexiga e acumular-se ali, se não forem eliminadas ou dissolvidas.
  • Infecção do trato urinário: pode levar à inflamação da bexiga e consequentemente à dificuldade em urinar.
  • Bexiga neurogênica: ocorre quando os nervos que levam a informação do cérebro para os músculos da bexiga são danificados, como resultado de uma doença ou lesão neurológica.
  • Uso de sondas na bexiga.

Descubra: 6 sinais que indicam que você tem dificuldades para controlar a bexiga

Como saber se tenho pedras na bexiga?

Às vezes, a litíase da bexiga pode ser assintomática porque as pedras não bloqueiam o fluxo normal da urina, sendo detectáveis ​​apenas por exames de imagem.

No entanto, quando há obstrução ou a pedra está irritando a parede da bexiga, os seguintes sintomas podem aparecer:

  • Dor súbita na parte inferior do abdômen.
  • Hematúria ou sangue na urina.
  • Necessidade de urinar constantemente.
  • Por outro lado, problemas ou incapacidade de urinar.
  • Sensação de queimação ou ardor ao urinar.
  • Também pode ocorrer febre, caso ocorra um processo infeccioso.

Além disso, a formação de pedras geralmente está muito relacionada ao estilo de vida e hábitos alimentares.

Por exemplo, a baixa ingestão de líquidos, uma dieta pobre em fibras e muito rica em sal, proteína e oxalatos (sais minerais presentes em certos vegetais, como espinafre) são fatores predisponentes à litíase da bexiga.

Embora na maioria das vezes as pedras sejam removidas espontaneamente na urina, há casos mais graves que requerem intervenção cirúrgica.

Isso ocorre porque as pedras são depositadas no trato urinário, comprometendo seu bom funcionamento e causando dor intensa. Por isso, é essencial um tratamento preventivo para evitar novos episódios.

Você pode estar interessado Saiba o que você deve evitar se tem uma bexiga hiperativa

Infusões para dissolver as pedras na bexiga

Como dissemos antes, seguir uma dieta equilibrada e aumentar o consumo de água são duas medidas importantes para evitar a formação de cálculos.

Infusão de dente de leão

Mas, além dessas medidas saudáveis, a fitoterapia desempenha um papel crucial na prevenção e no tratamento da litíase leve da bexiga. Assim então, nós damos a você algumas opções abaixo.

1. Infusão de uva-ursina

A folha de uva-ursina deve sua ação ao seu principal componente: o arbutósido, um composto de natureza fenólica, tradicionalmente utilizado no tratamento de infecções urinárias e urolitíase, isoladamente, ou em combinação com outras plantas de ação diurética.

  • Para a infusão são usadas 1,5-4 g de folhas secas em 150 ml de água, de 2-3 vezes ao dia.

2. Infusão de ortossifão ou chá de Java

Trata-se de uma planta originária da Indonésia com uma forte ação diurética, indicada no tratamento e na prevenção da urolitíase. Devido ao seu elevado teor de sais de potássio, atua aumentando o volume de urina excretada.

  • Para a infusão são utilizadas 2-3 g de folhas de chá Java em 150 ml de água, de 2 a 3 infusões por dia.

3. Infusão de dente de leão

Neste caso, é utilizada toda a planta, incluindo sua raiz, rica em frutose e inulina. A folha possui altas concentrações de potássio, terpenos e compostos fenólicos.

Sem dúvida alguma, todos esses componentes proporcionam uma poderosa ação diurética. O dente de leão  é indicado no tratamento coadjuvante das pedras na bexiga.

  • Para a infusão, pode-se utilizar de 4- 10 g de folha ou raiz, consumindo até 3 infusões por dia.

4. Infusão de rabo de cavalo

É tradicionalmente usada no tratamento de processos litíacos leves devido às suas propriedades diuréticas e remineralizantes. Aumenta o volume de urina excretada e promove a lavagem do trato urinário.

  • São infundidas de 2-3 g de rabo de cavalo em 250 ml de água.

5. Hebensurina: grama dos boticários, sabugueiro, rabo de cavalo e Herniaria

O rizoma da grama dos boticários é altamente rico em inulina, o que lhe confere uma ação diurética e purificadora que, em combinação com outras plantas diuréticas e remineralizantes, como a herniaria, o rabo de cavalo e o sabugueiro constituem o famoso “quebra-pedras” ou herbensurina, muito comercializado.

  • Você pode tomar de 2-4 infusões diariamente.

Então, você tem cálculos na bexiga? Não esqueça que esses remédios podem complementar o tratamento para acelerar o seu alívio. No entanto, lembre-se de que não substituem os medicamentos prescritos pelo médico durante o tratamento. Finalmente, se os sintomas persistirem, não hesite em ir procurar um atendimento de emergência.

  • Shermadou ES, Leslie SW. Anatomy, Abdomen and Pelvis, Bladder. [Updated 2018 Nov 13]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2019 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK531465/
  • Lukacz ES, Sampselle C, Gray M, et al. A healthy bladder: a consensus statement. Int J Clin Pract. 2011;65(10):1026–1036. doi:10.1111/j.1742-1241.2011.02763.x
  • Ávila Rivera, F., Coma, J. R., & Magre, M. C. (2016). Litiasis vesical. FMC Formacion Medica Continuada En Atencion Primaria. https://doi.org/10.1016/j.fmc.2015.03.039
  • Yarnell, E., & Abascal, K. (2009). Dandelion (Taraxacum officinale and T mongolicum). Integrative Medicine. https://doi.org/10.1016/j.jep.2011.02.027
  • Bährle-Rapp, M., & Bährle-Rapp, M. (2010). Equisetum arvense. In Springer Lexikon Kosmetik und Körperpflege. https://doi.org/10.1007/978-3-540-71095-0_3622