Síndrome de Edwards: sintomas e causas da trissomia 18

A síndrome de Edwards é uma doença genética relativamente comum. Infelizmente, é capaz de produzir uma grande variedade de malformações no bebê.
Síndrome de Edwards: sintomas e causas da trissomia 18

Última atualização: 22 maio, 2022

As alterações genéticas caracterizam-se por serem imprevisíveis e, em muitos casos, incompatíveis com a vida. No entanto, existem patologias como a síndrome de Edwards que permitem o nascimento do bebê, embora com certas alterações.

Esta patologia deve o seu nome ao homem que pela primeira vez descreveu o seu quadro clínico: John Edwards. Infelizmente, é uma doença bastante grave que geralmente causa múltiplas malformações.

O que é a síndrome de Edwards?

A síndrome de Edwards é uma condição genética conhecida como trissomia do cromossomo 18. Isso significa que o bebê terá um cromossomo 18 extra. Desta forma, sua carga genética será 47 XX ou 47 XY, dependendo do sexo.

Felizmente, é uma condição não herdável, portanto, não pode ser passada de pai para filho. Seu aparecimento está relacionado apenas a anormalidades durante a formação dos gametócitos.

Pode ocorrer em 1 em 6.000 nascidos vivos, tornando-se a segunda doença genética mais comum, segundo registros. Além disso, é uma condição muito mais comum em meninas, com uma proporção de 3 para 1 em relação aos meninos.

Sintomas

A síndrome de Edwards é caracterizada por gerar múltiplas malformações em crianças, que estão presentes desde o nascimento. No entanto, nem todos os sintomas aparecem simultaneamente.

Dentre as manifestações clínicas mais comuns, destacam-se:

  • Retardo psicomotor.
  • Orelhas de implantação baixa.
  • Cabeça e mandíbula pequenas.
  • Punhos constantemente cerrados.
  • Retardo do crescimento pré-natal.
  • Pernas permanentemente cruzadas.
  • Unhas das mãos e pés subdesenvolvidas.
  • Calcanhar proeminente e pés virados para dentro.
  • Baixo peso ao nascer com média aproximada de 2.300 gramas.

A maioria das crianças afetadas pela síndrome de Edwards tem algum tipo de doença cardíaca congênita. As alterações cardiovasculares podem variar de tetralogia de Fallot à persistência do canal arterial. Além disso, podem apresentar malformações gastrointestinais, cutâneas e do sistema nervoso.

coração humano
Malformações cardíacas são comuns em bebês nascidos com essa síndrome.

Causas da síndrome de Edwards

A origem das alterações genéticas encontra-se em um erro durante a divisão dos gametócitos, seja nos óvulos ou no espermatozoide. Ou seja, os gametócitos terão um número alterado de cromossomos, tanto em excesso quanto em deficiência. Desta forma, o produto da concepção terá uma carga genética alterada.

A síndrome de Edwards é causada por esses tipos de erros na divisão celular. Quase sempre por a não disjunção em um dos gametócitos; um cromossomo 18 inteiro e extra é encontrado em todas as células do corpo.

Mas também pode ocorrer devido a fenômenos como o mosaicismo, em que algumas células possuem um cromossomo adicional, enquanto outras possuem uma carga genética normal. A não disjunção parcial é outra causa possível de trissomia 18.

Os pesquisadores ainda não determinaram a causa específica da síndrome. Segundo a Associação Espanhola de Pediatria, deve haver uma duplicação das regiões 18q12-21 e 18q23 para que ocorra. Além disso, a idade materna avançada aumenta a probabilidade.

Leia também:  A Síndrome de Down pode ter os dias contados

Diagnóstico e tratamento

Os controles ginecológicos são essenciais para o diagnóstico pré-natal da alteração. Um ultrassom simples pode mostrar um útero aumentado e uma quantidade excessiva de líquido amniótico. Além disso, a placenta pode ser menor no nascimento.

Assim que o bebê nascer, serão observados os diferentes sintomas e sinais físicos da doença, bem como as malformações. No entanto, as manifestações clínicas podem ser semelhantes às da síndrome de Down, por isso é importante fazer um diagnóstico diferencial com um estudo cromossômico.

O estudo cromossômico permitirá observar detalhadamente cada um dos cromossomos, sendo perceptível o adicional 18. Infelizmente, não há tratamento específico e apenas complicações, como distúrbios cardiovasculares e gastrointestinais, podem ser tratadas.

Cariótipo da síndrome de Down.
Com o cariótipo é possível distinguir entre síndrome de Down e síndrome de Edwards, pois seus sintomas iniciais podem ser semelhantes. Na imagem podemos ver o que acontece, no nível cromossômico, no primeiro caso.

Prognóstico da Síndrome de Edwards

Infelizmente, a mortalidade em crianças com síndrome de Edwards é alta, devido ao número de malformações associadas. Este fato foi demonstrado em uma publicação no The Pan Africa Medical Journal. Além disso, a sobrevivência no primeiro ano de vida é baixa, com apenas 1 em cada 10 recém-nascidos sobrevive a esta fase.

Nos casos mais extremos, as crianças não passam da primeira semana de vida. Há um pequeno número de casos em que as crianças chegam à adolescência, porém, apresentam sérios problemas de saúde e um atraso acentuado no desenvolvimento psicomotor.

Uma patologia grave que não tem cura

A síndrome de Edwards é uma das alterações genéticas mais comuns, depois da síndrome de Down. A condição causa várias malformações graves que colocam em risco a vida do bebê.

Embora não exista um tratamento eficaz, é possível fazer um diagnóstico intrauterino. Ele permitirá que os pais tomem certas decisões antes do nascimento, sempre sob a orientação de um medico de confiança.

Pode interessar a você...
Uma educação de sucesso para crianças com Down
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Uma educação de sucesso para crianças com Down

As crianças com síndrome de Down têm as mesmas necessidades e devem ser tratadas como qualquer outra criança. Confira o artigo para saber mais.



  • Rosa RF, Rosa RC, Zen PR, Graziadio C, Paskulin GA. Trisomy 18: review of the clinical, etiologic, prognostic, and ethical aspects. Rev Paul Pediatr. 2013 Jan-Mar;31(1):111-20.
  • Kepple JW, Fishler KP, Peeples ES. Surveillance guidelines for children with trisomy 18. Am J Med Genet A. 2021 Apr;185(4):1294-1303.
  • López-Ríos V, Grajales-Marín E, Gómez-Zambrano V, Barrios-Arroyave F. Prolonged survival in Edwards syndrome with congenital heart disease: a case report and literature review. Medwave. 2020;20(08):e8015.
  • Crawford D, Dearmun A. Edwards’ syndrome. Nurs Child Young People. 2016 Dec 8;28(10):17.
  • Outtaleb FZ, Errahli R, Imelloul N, Jabrane G et al. Trisomy 18 or postnatal Edward´s syndrome: descriptive study conducted at the University Hospital Center of Casablanca and literature review. Pan Afr Med J. 2020 Dec 3;37:309.
  • Saldarriaga W, Rengifo-Miranda H, Ramírez-Cheyne J. Síndrome de trisomía 18. Reporte de un caso clínico. Rev Chil Pediatr. 2016 Mar-Apr;87(2):129-36.