Remédios para os fungos com ingredientes naturais

2 de janeiro de 2020
Muitos dos ingredientes dos remédios naturais têm um efeito leve que foi exagerado para promover seu uso em diferentes tratamentos.

Durante anos, circularam informações que afirmam que os remédios para os fungos preparados com ingredientes naturais são a solução para a onicomicose, pé de atleta e outras condições relacionadas. No entanto, isso é realmente verdade?

Não é segredo para ninguém que uma grande quantidade de informações esteja circulando atualmente na internet e nas redes sociais. No entanto, as informações nem sempre são tratadas com responsabilidade e bom senso. Portanto, todos os tipos de textos continuam circulando com um tom sensacionalista que gera alarme e preocupação na população.

Revisão dos remédios para os fungos

No campo da saúde, houve um manuseio incorreto em relação a muitos temas. Uma das ideias mais promovidas é que os remédios naturais preparados em casa podem ser uma alternativa muito mais segura e viável do que os medicamentos prescritos pelos médicos.

Acredita-se que, por serem feitos com ingredientes naturais, eles são seguros.

A realidade é outra. Muitas das propriedades atribuídas aos ingredientes dos remédios para os fungos (e outras condições) têm efeitos muito leves e, em muitos casos, nulos.

Por exemplo, acreditava-se que o alho é um excelente alimento para combater infecções devido às suas supostas propriedades antimicrobianas. No entanto, até o momento, nenhum estudo foi revelado que indique que o alho tenha esse efeito, muito menos de forma significativa.

1. Alecrim, limão e alho?

Um dos remédios mais populares para o tratamento de fungos nas unhas e na pele tem sido a mistura de alecrim, limão e alho. Novamente, as propriedades antissépticas de cada um dos ingredientes e as suas supostas propriedades antimicrobianas são destacadas. 

O resultado? Uma mistura leve, pouco útil e que, se usada como único tratamento, pode até mesmo agravar o problema.

Alho e limão são remédios para os fungos?

2. Iogurte e limão?

Outro dos remédios para os fungos mais recomendados é a mistura de iogurte natural (sem açúcar) com suco de limão fresco. De acordo com as receitas, ambos os ingredientes ajudam a combater os agentes infecciosos.

O iogurte contém grandes quantidades de fermentos e bactérias benignas que ajudam a manter o equilíbrio do pH e, portanto, de alguma forma combater as alterações.

Por sua vez, o limão é usado novamente como complemento devido às suas propriedades antibacterianas. Além disso, possui um aroma agradável e um alto teor de vitamina C.

3. Óleo de malaleuca?

Óleo de malaleuca

O óleo de malaleuca se posicionou como outro dos grandes aliados contra as infecções. Contém monoterpenos com propriedades antifúngicas e bactericidas. 

Acredita-se também que, quando diluído em água, ajuda a curar feridas causadas pelo pé de atleta. Tem um aroma agradável, outro ponto a favor que é muito atraente para muitos.

4. Vinagre de maçã?

Existem muitos tipos de vinagre, mas costuma-se dizer que o vinagre de maçã é especialmente útil no tratamento de infecções nas unhas e, em particular, do pé de atleta. Segundo as informações que circulam na internet, esse líquido torna inabitável o meio para os agentes infecciosos.

No entanto, os dermatologistas não recomendam o uso de vinagre (de qualquer tipo) como tratamento para infecções e muito menos para cuidados com a pele e unhas. O mais apropriado é consultar o profissional e seguir as suas instruções.

Conclusão

Diante de uma infecção ou qualquer outro problema de saúde, a coisa mais sensata é ir ao médico e seguir seu conselho. Não é necessário ficar preocupado se o tratamento prescrito for farmacológico, pois além de ser seguro (se utilizado da maneira correta), também não prejudicará a sua saúde.

Lembre-se de que muitos dos medicamentos são o produto (refinado e aprimorado) das propriedades de um determinado composto ou substância natural.

  • Bayan, Leyla et al. “Garlic: a review of potential therapeutic effects.” Avicenna journal of phytomedicine vol. 4,1 (2014): 1-14.
  • Hammer, Katherine A et al. “Effects of Melaleuca alternifolia (tea tree) essential oil and the major monoterpene component terpinen-4-ol on the development of single- and multistep antibiotic resistance and antimicrobial susceptibility.” Antimicrobial agents and chemotherapy vol. 56,2 (2012): 909-15. doi:10.1128/AAC.05741-11
  • Sharifi-Rad, Javad et al. “Biological Activities of Essential Oils: From Plant Chemoecology to Traditional Healing Systems.” Molecules (Basel, Switzerland)vol. 22,1 70. 1 Jan. 2017, doi:10.3390/molecules22010070