6 filósofos gregos mais conhecidos e suas contribuições

Os fundamentos do pensamento ocidental de hoje podem ser encontrados nos antigos filósofos gregos. Aqui está uma lista dos mais influentes.
6 filósofos gregos mais conhecidos e suas contribuições

Escrito por Equipe Editorial

Última atualização: 07 julho, 2023

A Grécia Antiga foi caracterizada pelo surgimento de uma infinidade de pensadores que romperam com a tradição de atribuir explicações mágicas e mitológicas à realidade. Nesse sentido, os filósofos gregos da época defendiam uma interpretação da realidade baseada no raciocínio e na evidência.

Esta forma de abordar e interpretar a realidade teve um grande impacto no desenvolvimento da cultura ocidental. Contribuiu para o progresso das sociedades e para o surgimento da ciência.

De fato, o alcance dessas reflexões é tal que muitas continuam a ser estudadas e debatidas. A seguir, apresentamos uma lista que inclui os filósofos mais influentes da Grécia antiga e suas contribuições mais relevantes.

1. Tales de Mileto (620 aC – 546 aC)

Ele é considerado o primeiro filósofo do Ocidente por ter sido aquele que forneceu a primeira explicação racional para diversos fenômenos do mundo. Ele nasceu por volta de 624 a.C. C., na cidade de Mileto (Ásia Menor). Ele fazia parte da nova onda de pensadores tentando determinar como o cosmos foi construído.

Thales considerou um único elemento (neste caso, a água) como o princípio essencial do qual todo o cosmos se originou. Além disso, foi o primeiro a afirmar que a terra era circular e a dividir o ano em 365 dias.

Suas reflexões racionais sobre o mundo físico foram muito bem recebidas pelos filósofos gregos posteriores, sobre os quais exerceu grande influência. Graças às suas contribuições inovadoras para o mundo físico, ele é considerado o pai da ciência.

Leia também: 9 livros de filosofia que você deveria ler

2. Heráclito de Éfeso (c. 540 aC – 480 aC)

Outro dos filósofos gregos mais influentes foi Heráclito, nascido por volta de 540 aC. C., em Éfeso (Jônia, Ásia Menor). Assim como Tales, esse pensador também refletiu sobre a origem do cosmos, afirmando que o fogo foi o principal elemento de onde partiu todo o universo e a vida.

Desta forma, ele acreditava que o cosmos era uma transmutação do fogo e insistia que a matéria está sempre em constante mudança. Suas ideias tiveram grande influência nos pensadores posteriores e atualmente é considerado o pai da dialética.

3. Pitágoras (570 aC – 495 aC)

Foi um filósofo e matemático grego. Acredita-se que ele tenha nascido na ilha de Samos, por volta de 570 aC. C. Este grande pensador defendia que a matemática oferecia uma explicação harmoniosa e racional do funcionamento do cosmos.

Afirmava que todo o universo era regido pelos princípios da matemática e considerava essa disciplina o modelo fundamental da filosofia. Seus estudos em geometria levaram a descobertas surpreendentes, que mais tarde influenciariam a matemática e a arquitetura por milhares de anos.

Além disso, ele foi um dos primeiros filósofos gregos a usar o raciocínio dedutivo para chegar às suas conclusões. Isso significou uma mudança significativa na maneira como os pensadores apresentavam suas teorias.

Pitágoras.
Pitágoras desenvolveu teoremas matemáticos complexos.

4. Sócrates (469 aC – 399 aC)

Sócrates foi um filósofo grego que embarcou em uma nova perspectiva filosófica. Ou seja, afastou-se das especulações e reflexões sobre o cosmos. Em vez disso, ele se ocupou em estabelecer um sistema ético baseado no raciocínio.

Nesse sentido, esse grande pensador defendia que o conhecimento era o bem supremo e que sua busca era essencial para uma vida boa e virtuosa. Seu método também diferia daquele dos filósofos anteriores.

Em vez de fazer reflexões individuais sobre o assunto em questão, eu dialogava com as pessoas sobre suas crenças e tentava encontrar nelas alguma contradição ou falha. Com este método, eu esperava examinar conceitos cotidianos que outros consideravam óbvios e obter informações valiosas.

Este exame indutivo nem sempre foi bem recebido e foi a causa de sua própria morte. Ele foi acusado de corromper a juventude de Atenas com seu método.

Durante seu julgamento, Sócrates aceitou a acusação de culpa em vez de abraçar a ignorância. Ele declarou que “a vida não examinada não vale a pena ser vivida”. Assim, ele bebeu veneno de cicuta.

Sócrates não deixou nenhum trabalho escrito. Seus pensamentos e ideias perduraram através dos diálogos de seu discípulo Platão e alguns textos de Xenofonte.

5. Platão (427 aC – 347 aC)

Junto com Sócrates, Platão foi uma figura chave na fundação do pensamento ocidental. Ele foi aluno de Sócrates e foi visivelmente influenciado pela abordagem filosófica de seu professor.

Enquanto Sócrates se concentrou em uma filosofia baseada no raciocínio humano, Platão combinou as duas principais abordagens da metafísica pré-socrática e da teologia natural com a teologia ética socrática. Sua teoria das idéias é uma das mais estudadas pelos filósofos contemporâneos.

Nela, Platão defende a existência de dois mundos: o das ideias e o mundo sensível.

O mundo das ideias é verdadeiro, incorruptível e imutável. Ali habitam as ideias universais e necessárias, que são as essências de tudo o que existe.

Por sua vez, o mundo sensível é constituído por tudo o que podemos experimentar através dos sentidos. Ele se caracteriza pela multiplicidade, aparência pura e mudança constante. É, portanto, falso e enganoso.

Essa interpretação da realidade implica sua concepção dualista do homem: composto de corpo e alma. Nesse caso, a alma é a essência do ser humano, que vem do mundo das ideias, enquanto o corpo é o sensitivo.

Platão manteve uma posição interessante sobre ética e política. Da mesma forma, suas ideias tiveram grande influência no desenvolvimento do cristianismo.

Platão.
Platão lançou as bases de um pensamento dualista que influenciou o cristianismo.

6. Aristóteles (384 aC-322 aC)

Apesar de Aristóteles ser um discípulo de Platão, suas idéias diferiam significativamente das de seu professor. Em decorrência dessa discrepância, fundou sua própria escola: o Liceu.

Como seu professor, Aristóteles queria descobrir como obtemos conhecimento. No entanto, ele rejeitou a teoria das ideias de Platão em favor de uma abordagem mais empírica. Nesse sentido, Aristóteles acreditava que adquirimos conhecimento a partir das evidências que observamos no mundo ao nosso redor.

Entre as grandes contribuições que deu ao pensamento ocidental, podemos destacar as seguintes:

  • A criação da lógica formal.
  • A primeira classificação dos seres vivos.
  • A importância da observação para a aquisição do conhecimento científico.
  • As primeiras demonstrações sobre a forma esférica da Terra.
  • A criação de um sistema ético estruturado.

Suas contribuições permaneceram atuais por séculos. Algumas continuam sendo mantidas até hoje, a ponto de ele ser considerado o pai da biologia e da lógica.

Filósofos que sobrevivem até hoje

O número dos filósofos gregos mais influentes não se esgota na lista apresentada. Faltam algumas figuras-chave que ajudaram a moldar o pensamento ocidental, como Epicuro, Zenão ou Diógenes.

No entanto, com esta pequena amostra, podemos ver como reflexões de milhares de anos atrás ainda permeiam nosso pensamento e cultura. Você conhecia esses 6 filósofos?

Pode interessar a você...
A filosofia de Spinoza e sua visão da natureza
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
A filosofia de Spinoza e sua visão da natureza

A filosofia de Spinoza foi altamente censurada em seu tempo, pois rompeu com os esquemas judaico-cristãos da época. Vejamos porquê.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Os conteúdos desta publicação foram escritos apenas para fins informativos. Em nenhum momento podem servir para facilitar ou substituir diagnósticos, tratamentos ou recomendações de um profissional. Consulte o seu especialista de confiança em caso de dúvida e peça a sua aprovação antes de iniciar qualquer procedimento.