As crenças que os machistas têm

· 30 de abril de 2018
As crenças das pessoas machistas não só atacam às mulheres por elas serem mais fracas, mas também aqueles homens que podem ser mais sensíveis ou menos agressivos.

Atualmente, ainda encontramos pessoas machistas que podem desfrutar da aprovação dos outros ou de sua rejeição. No entanto, apesar dos muitos julgamentos que são feitos, hoje vamos nos concentrar nas crenças que prevalecem nesse tipo de pessoa.

Todos nós temos certas crenças que, se não as questionarmos, determinamos como verdadeiras. Nossa sociedade tem sido em sua maioria machista, e este pensamento ainda está vivo nas mentes de algumas pessoas.

Quais são as suas crenças?

1. A mulher nasce para ser mãe

Mulher com desordem na casa

É verdade que as mulheres podem engravidar e isso faz com que as pessoas machistas acreditem que o objetivo de toda mulher é ter filhos.

Mas o que acontece se a mulher não puder tê-los? Neste caso, ela é considerada uma mulher incompleta.

Agora, o que significa ser mãe? Além de ter filhos, a mulher deve cuidar deles e, portanto, entende-se que ela tem que ficar em casa. Aqueles que têm esse tipo de pensamento consideram que o lugar da mulher é em casa.

A pessoa machista não percebe que o fato de você poder ter filhos não a condiciona a tê-los. Tampouco o fato de ser mãe a obriga a ser dona de casa (algo que, a propósito, os machistas não consideram como um emprego).

2. A mulher incita o assédio

Os machistas consideram que o assédio é algo que as mulheres procuram. Se elas estiverem andando pela rua e um homem a assediar, se ele tentar agredi-la sexualmente, irá lançar frases como: “olha a saia que ela está vestindo”, “ela que escolheu esse caminho, ninguém o mandou passar por esse beco”.

O que os machistas não sabem é que nada justifica uma agressão ou assédio. De fato, culpar a vítima apenas aumenta o poder do agressor.

Não importa como você se veste ou por onde você decide andar. Ninguém tem o direito de tocar em você.

3. A mulher é vista como delicada, fraca e submissa

Mulher trabalhando em um emprego machista

Há muito tempo, acredita-se que os homens são mais fortes do que as mulheres, algo que os machistas apoiam plenamente.

Portanto, as mulheres são consideradas mais emotivas, delicadas, fracas e, portanto, submissas.

No entanto, o que acontece se essas características não estiverem presentes? Talvez o termo “machona” nos pareça que serve para designar uma mulher que não se encaixa nesse parâmetro.

No entanto, não podemos deixar de lado a pressão pela qual os homens são submetidos pelos machistas.

Se um homem não for forte, seguro de si, demonstrar suas emoções, ser sensível e nada agressivo, podemos nos encontrar com termos como “maricas”.

4. Uma mulher não serve para ser líder

O fato de os machistas pensarem da forma como foi mencionado acima faz com que eles não acreditem que uma mulher possa ser uma líder. De fato, se isso acontecer, eles podem fazer muitas críticas.

Quando uma mulher é líder, os machistas geralmente pensam sobre o que ela fez para chegar lá, denegrindo a imagem de uma mulher totalmente competente para realizar o seu trabalho.

5. A mulher serve para proporcionar prazer

Mulher com homem machista

Soa como algo duro, mas as pessoas machistas consideram as mulheres como um objeto de prazer. Elas são vistas como objetos de consumo e podemos ver isso na sexualização que sempre é feita de sua imagem, principalmente na publicidade.

No entanto, o que acontece quando uma mulher vive sua sexualidade e busca seu prazer intencionalmente e das mais diversas formas (amizades coloridas, casais sem compromisso, poliamor…)? Então, ela é recriminada, e é considerada como uma “da vida”.

Quer dizer, uma mulher serve para o prazer dos outros, no entanto, assim que ela busca seu próprio prazer, os machistas a condenam.

Todas essas crenças mantidas pelos machistas ainda estão muito presentes. No entanto, é sempre bom colocar em dúvida e questionar cada uma das crenças que temos.

Só então perceberemos se elas machucam as outras pessoas, se estamos realmente certos ou se estamos terrivelmente errados. No entanto, para tudo isso, você precisa começar a questionar as coisas.