Anorgasmia feminina: diferentes tipos e possíveis soluções

· 15 de novembro de 2017
Nos casos em que a anorgasmia feminina corresponde a causas psicológicas, é importante aprender a se deixar levar ou, se for necessário, fazer terapia para derrubar nossos muros.

A anorgasmia feminina é um problema que afeta muitas mulheres e que lhes causa grandes dificuldades para chegar ao orgasmo.

As causas mais comuns deste problema são psicológicas e é nelas que nos centraremos hoje.

Passar por uma experiência sexual traumática, a falta de informação sexual e até o estresse podem fazer com que o sexo se transforme em algo pouco prazeroso.

Devido a isso, podem surgir alguns tipos de anorgasmia feminina que descreveremos hoje. Além disso, ofereceremos alguns detalhes que podem ajudar a pessoa a solucionar seu problema.

Não consigo me deixar levar, por isso sofro de anorgasmia feminina

Este tipo de anorgasmia feminina ocorre porque a mulher não é capaz de se deixar levar.

Isso não significa que não busque seu orgasmo, e sim que provavelmente o faz tentando controlar a situação.

Foto de mulher com anorgasmia feminina

Quanto mais tentamos controlar algo, o que acontece? Mais nos escapa das mãos. Por isso, por mais que uma mulher busque chegar ao orgasmo, este controle e esta intenção fruto da insegurança de não conseguir podem levá-la a não alcançá-lo.

  • Esta situação costuma ocorrer em pessoas que são muito perfeccionistas e que querem que tudo esteja sob seu controle, deixando muito pouco para a improvisação.
  • O problema é que a mulher que sofre deste tipo de anorgasmia não aproveita a relação sexual, pois como sua intenção se concentra somente na obtenção do orgasmo, ela se esquece das carícias, dos beijos, e de estimular outros pontos de prazer.

Por onde começo?

Há muitas mulheres que sofrem de anorgasmia feminina porque desconhecem completamente seu corpo. Provavelmente estão rodeadas de mitos sobre a sexualidade que lhe fizeram não tentar se aprofundar no conhecimento e na busca de seu próprio prazer.

Como conhecer nosso corpo? Como saber do que gostamos? A resposta está na masturbação. Ainda que acreditemos que as relações sexuais só ocorrem em casal, a verdade é que a masturbação pode nos oferecer grandes aprendizados.

Se não sabemos onde nos tocar para nos dar prazer, se desconhecemos aquilo que gostamos, como podemos chegar ao orgasmo em uma relação sexual? É impossível.

Sensualidade feminina

Parece mentira, mas ainda hoje muitas pessoas não se atrevem a falar de sexo abertamente, e isso é considerado um tabu. Isso é algo que prejudica muito o prazer da mulher e evita que muitas conheçam seus próprios corpos.

Tocar a si mesmo é algo sujo? Dá vergonha de pedir informação? Derrubar determinadas crenças, consultar profissionais e começar a explorar o próprio corpo será necessário para acabar com este tipo de anorgasmia feminina.

Esta é a única forma para que, quando estivermos em uma relação sexual, saibamos onde nos tocar ou o que fazer para alcançar o orgasmo.

Eu joguei a toalha

Neste ponto enfrentamos um dos casos mais difíceis. As mulheres que sofrem de anorgasmia feminina porque jogaram a toalha e nem sequer querem buscar uma solução para o seu problema.

Estas mulheres não buscam o orgasmo e até chegaram a acreditar que isso é uma mentira, que o orgasmo não existe.

Sua frustração se manifesta em um autoengano que as leva a rejeitar qualquer contato sexual, a ignorar os possíveis impulsos sexuais que seu corpo possa mandar, e a deixar de serem afetuosas.

Quando uma mulher sofre de anorgasmia feminina por ter desistido, ela não se sente perdida e nem quer controlar a situação.

Por trás disso pode haver um trauma, um problema do casal, um medo ou até uma depressão.

Por isso, neste caso é indispensável solicitar a ajuda de um profissional que possa ajudar a lidar com o problema que há sob a anorgasmia feminina.

Casal lidando com a anorgasmia feminina

A anorgasmia feminina nestes casos em que as causas são de caráter psicológico tem solução. Com uma terapia adequada, ou nos casos mais simples, liberando medos, crenças e tendo coragem, é possível resolver o problema.

O orgasmo feminino não é nenhum mito. No entanto, nos obcecarmos com ele pode não nos levar ao resultado buscado.

Aprendamos a nos deixar levar, a deixar nossas inseguranças de lado e a aproveitar a relações sexuais de forma plena.