Como denunciar um parceiro abusivo? 4 dicas

4 de junho de 2019
O que pode ajudar a tomar a decisão de denunciar nosso parceiro? Hoje descubra algumas dicas para denunciá-lo, assim como recomendaríamos para qualquer pessoa que estivesse passando por nossa mesma situação.

Denunciar um parceiro abusivo parece fácil quando esta situação é vivida por outra pessoa. No entanto, quando acontece com nós, as justificações (muitas irracionais e absurdas) nos impedem de tomar essa decisão. Por isso, hoje descubra algumas dicas que podem ajudar.

Como denunciar um parceiro abusivo

A seguir, uma série de conselhos e ideia úteis:

1. Discar 180

Mulher denunciando um parceiro abusivo

Graças ao número 180 (a Central de Atendimento à Mulher), aumentaram-se as ajudas e o número de casos denunciados. Lembre: #NãoéNão.

Está com dúvida se está vivendo uma relação abusiva? Não sabe o que fazer? Pois não hesite em ligar para o 180. Tal como indica a página de serviços do governo brasileiro, o número 180 é completamente gratuito, tem uma atenção 24 horas por dia e as pessoas que atendem são profissionais. Elas indicarão o que fazer, onde se dirigir e prestarão apoio emocional.

Talvez te interesse ler também: 5 formas de abuso emocional que nem sempre reconhecemos a tempo

2. Apoie-se na família e nos amigos

Quando estamos vivendo uma relação abusiva, muitas vezes não queremos ver a realidade. Possivelmente, nossos amigos e familiares repetiram que aquela pessoa não era boa para nós e que deveríamos deixá-la. A verdade é que eles têm razão.

Certamente, as pessoas ao nosso redor querem o melhor para nós e tentam nos abrir os olhos ante aquilo que nós não conseguimos ver. Por isso, não acreditamos que estamos sozinhos ou que não podemos denunciar um parceiro abusivo porque não contamos com ninguém que nos apoie.

3. Pense em seus filhos

Pais brigando

Muitas vezes, não identificamos muito bem o abuso para com as crianças, algo que está muito bem descrito no artigo O maltrato infantil pela voz da infância. No entanto, nossas justificativas sobre o amor que nosso parceiro afirma ter, podem fazer com que ignoremos o dano que as crianças estão recebendo.

Contudo, o fato deles não receberem abuso físico, mas que vejam como nos agridem psicológica ou fisicamente, já é um dano importante que recebem. Por isso, ante as dúvidas sobre denunciar um parceiro abusivo se pergunte:

  • Este é o ambiente que quero que meus filhos cresçam?
  • São felizes vivendo nessa situação diariamente?
  • Por que consinto com o fato de chorarem e se preocuparem com nós, quando são elas as crianças e nós as pessoas adultas?
  • De verdade é mais importante meu parceiro do que meus filhos?

Talvez te interesse ler ademais: 9 sinais de abuso infantil

4. Aja para denunciar um parceiro abusivo

Este é o último dos conselhos para denunciar um parceiro abusivo e consiste em agir, assim como recomendaríamos para alguém na mesma situação. Assim então, se uma amiga ou irmão estivesse passando pelo mesmo problema, não é verdade que diria «vá e denuncia, sem mesmo hesitar»?

A situação é mais fácil quando vemos isso nos outros. Por isso, pedir ajuda e se apoiar na família é indispensável para ter uma visão que nos tire da paralisia, fruto do medo e nos permita agir.

O silêncio de quem sofre

Diga Nao!
Apesar disso, as cifras de violência contra mulher seguem aumentando. Quantas vezes uma pessoa mata sua parceira sem que haja denúncias prévias? Quantos casos já temos escutamos ou observado de perto em que os filhos, também, terminam sofrendo as consequências?

Sem dúvida alguma, o medo e o abuso atroz faz com que seja muito difícil agir. Além disso, uma estratégia das pessoas que abusam é afastar seu parceiro de seu ambiente. Afastam-na de sua família, de seus amigos e de tudo aquilo que possa fazê-la tomar consciência do que está acontecendo.

É importante não olhar para o outro lado e insistir em ajudar, ainda quando a pessoa que é abusada não queira nossa ajuda. Muitas vezes não o veem. Às vezes, é o medo e a anulação de sua pessoa que as impede de tomar uma decisão.

Enfim, esperamos que este artigo tenha te permitido ser consciente de que há ajuda ao redor. O «não sei o que fazer» ou «ninguém me ajudará» atualmente acabou.

Em conclusão, se você se sentir mal, se sofrer e seus filhos também estão sofrendo, peça ajuda. Sair dessa situação te mostrará um mundo onde a tranquilidade e a felicidade deixarão de ser um sonho para se converter em uma realidade.

  • Arce-Rodríguez, Mercedes B.. (2006). Género y violencia. Agricultura, sociedad y desarrollo3(1), 77-90. Recuperado en 31 de marzo de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1870-54722006000100005&lng=es&tlng=es.
  • Fernández-González, Liria, Calvete, Esther, & Orue, Izaskun. (2017). Mujeres víctimas de violencia de género en centros de acogida: características sociodemográficas y del maltrato. Psychosocial Intervention26(1), 9-17. https://dx.doi.org/10.1016/j.psi.2016.10.001
  • González Sala, Francisco, & Gimeno Collado, Adelina. (2009). Violencia de Género: Perfil de Mujeres con Ayuda Social. Psychosocial Intervention18(2), 165-175. Recuperado en 31 de marzo de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1132-05592009000200007&lng=es&tlng=es.
  • Otero, Ivana Beatriz. (2009). Mujeres y violencia: El género como herramienta para la intervención. Política y cultura, (32), 105-126. Recuperado en 31 de marzo de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0188-77422009000200006&lng=es&tlng=es.