Como tratar a cistite na gravidez com remédios caseiros

Sempre que houver suspeita de cistite na gravidez, um médico deve ser consultado. Existem alguns remédios naturais que podem ajudar a prevenir ou contribuir para o tratamento, embora não possam substituir os antibióticos.
Como tratar a cistite na gravidez com remédios caseiros

Última atualização: 01 Junho, 2021

A cistite na gravidez é muito comum, pois as características anatômicas da gestante favorecem essa infecção urinária. Estima-se que entre 5 e 10% das mulheres grávidas sofram com esse problema.

O aumento do útero leva à compressão da bexiga, e isso favorece a retenção de líquidos e, com ela, o desenvolvimento de patógenos. Se, além disso, houver um aumento da glicose na urina, as bactérias crescerão com mais substrato.

Quais são os sinais e sintomas da cistite?

A cistite durante a gestação não apresenta sintomas diferentes dos da doença em uma mulher que não está grávida. A manifestação mais característica é uma sensação de ardor ao urinar, que as mulheres descrevem como dor, irritação ou desconforto.

Também é muito comum que haja uma necessidade urgente e frequente de urinar, mesmo que seja em pequenas quantidades. Apenas em alguns casos ocorre a poliúria, que é um aumento no volume de urina.

Da mesma forma, é comum que a cistite na gravidez cause noctúria ou a necessidade urgente de urinar depois de adormecer. Muitas das mulheres com este problema também comentam que continuam com vontade de urinar mesmo depois de terem esvaziado a bexiga.

Hidratação na gravidez
A hidratação é fundamental na gravidez para promover a limpeza do sistema renal.

Remédios caseiros para a cistite na gravidez

Logo que os primeiros sintomas aparecerem, a gestante deve tratar essa patologia porque as infecções urinárias podem ser perigosas para o feto. Além de ir ao médico e seguir suas instruções, existem vários remédios caseiros que podem ajudar muito.

Aumentar a ingestão de líquidos

Um estudo publicado na JAMA Internal Medicine e conduzido nos Estados Unidos indica que o aumento do consumo diário de líquidos pode reduzir o risco de cistite recorrente em até 50%. É aconselhável beber entre dois e três litros de água por dia para acelerar a liberação de toxinas.

A hidratação é sempre um aspecto relevante, mas principalmente durante os meses de gravidez. Se a mulher mora em climas quentes ou passa grande parte da gravidez no verão, será fundamental que ela esteja atenta ao consumo de água.

Urinar frequentemente

Manter os rins ativos e esvaziar a bexiga regularmente ajuda a prevenir a cistite na gravidez. Isso porque, se a urina residual se acumular devido ao não esvaziamento completo, o risco de infecção devido à contaminação bacteriana aumenta.

Em nenhum caso é conveniente reter a urina. Uma forma extrema dessa condição é a retenção aguda durante a gravidez, situação em que se bloqueia a saída de fluido para o exterior.

Tomar probióticos

Inúmeros estudos provaram que os probióticos contendo lactobacilos são eficazes para “repovoar” a flora vaginal. Graças a isso, a microbiota é estabilizada e patógenos como Escherichia coli, Proteus mirabilis, Staphylococcus saprophiticus e Klebsiella pneumoniae não conseguem se desenvolver.

Isso evita o aparecimento da cistite na gravidez. O mais adequado é associá-los ao tratamento inicial com antibióticos e, depois, continuar tomando-os regularmente para evitar recaídas.

Tomar suco de mirtilos

Várias pesquisas têm indicado que os mirtilos possuem propriedades adstringentes e antissépticas. São uma opção adequada e natural para prevenir a cistite na gravidez, uma vez que evitam que as bactérias fiquem aderidas às paredes do trato urinário.

O mais aconselhável é bater meia xícara de mirtilos com uma de água e beber esse suco pela manhã, por 10 dias. Hoje em dia, também é possível encontrar formulações industrializadas no mercado.

Aumente a ingestão de vitamina C

Não há estudos suficientes sobre a eficácia da vitamina C na prevenção ou tratamento de infecções urinárias. Porém, alguns autores apontam que essa substância contribui para a acidificação da urina e isso, por sua vez, ajudaria as pessoas que têm esse problema.

O consumo em um adulto saudável deve ser entre 75 e 90 miligramas por dia. Na pessoa com cistite a indicação é maior, mas é o médico que deve determiná-la.

Como prevenir a cistite na gravidez

A melhor maneira de prevenir a cistite durante a gestação é manter os rins ativos e seguir uma dieta adequada. Além disso, deve-se aplicar medidas de higiene corretas. Sempre será preferível evitar quadros clínicos do que consumir antibióticos.

Medidas higiênicas

É importante limpar a área genital adequadamente após urinar. A mulher deve fazer isso de frente para trás para evitar que a matéria fecal entre na vagina.

Da mesma forma, é aconselhável usar roupas íntimas de algodão que não sejam muito justas. Também é conveniente urinar antes e depois de manter relações sexuais.

Comer mirtilos na gravidez

Comidas e bebidas

É importante beber bastante água ao longo do dia e esvaziar completamente a bexiga sempre que sentir vontade de urinar, porque isso ajuda a manter os rins ativos e evitar resíduos de urina.

Por outro lado, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e ricas em açúcar reduzirá os fatores que favorecem a colonização bacteriana. Da mesma forma, não é aconselhável a ingestão habitual de alimentos picantes, gordurosos ou fritos. Em vez disso, aumente a ingestão de vegetais ricos em água e frutas vermelhas, como os mirtilos.

Controle a evolução da cistite na gravidez

Se a dor ou ardor ao urinar começar a se dissipar após uma infecção, considera-se que há uma melhora. Se, pelo contrário, o desconforto e a frequência da micção aumentarem e a urina ficar com uma aparência estranha, significa que o quadro piorou. Então, assim que puder, consulte um médico e siga as suas orientações.

Pode interessar a você...
Hábitos importantes para prevenir a cistite
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Hábitos importantes para prevenir a cistite

Você sabia que pode prevenir a cistite alterando alguns hábitos do seu dia a dia? O seu estilo de vida tem um papel crucial na prevenção.



  • Hooton, T. M. (2018, 1 noviembre). Effect of Increased Daily Water Intake in Premenopausal Women With Recurrent Urinary Tract Infections: A Randomized Clinical Trial. Urology | JAMA Internal Medicine | JAMA Network. https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2705079
  • Mulero, Lorena Amador, et al. “Efectividad de la ingestión de arándano rojo sobre las infecciones del tracto urinario en embarazadas.” Matronas profesión 2 (2014): 50-55.
  • Jiménez-Pacheco, A., & Jiménez-Pacheco, A. (2013). El uso de probióticos como alternativa en la prevención de las infecciones urinarias recurrentes en mujeres. Revista médica de Chile, 141(6), 809-810.
  • Martínez, E., Osorio, J., Delgado, J., Esparza, G. E., Motoa, G., Blanco, V. M., … & Ospina, W. (2013). Infecciones del tracto urinario bajo en adultos y embarazadas: consenso para el manejo empírico. Infectio, 17(3), 122-135.
  • García Hurtado, Kely Deyanira. Prevalencia de infecciones de vías urinarias en el embarazo. BS thesis. JIPIJAPA-UNESUM, 2019.
  • Martínez, Jesús Francisco Hernández, et al. “Efecto del embarazo en la prevalencia de vejiga hiperactiva.” Anales Médicos de la Asociación Médica del Centro Médico ABC 57.4 (2012): 276-279.
  • Kanashiro, A., et al. “Retención de orina en el embarazo y el postparto.” Departamento de servicios médicos-Dirección: Vacante (asume: H. Isábal) (2013): 121.
  • Osorio, María José Alonso. “Cistitis, una infección de alta incidencia.” El farmacéutico: profesión y cultura 576 (2019): 21-26.