Tipos de testes para detectar o coronavírus

23 de maio de 2020
Atualmente, existem basicamente três tipos de testes para detectar o coronavírus. O mais conhecido é o chamado "teste rápido", muito prático, mas com confiabilidade limitada. Os cientistas trabalham incansavelmente para fornecer testes mais rápidos e confiáveis.

O tema dos testes para detectar o coronavírus é um dos mais cruciais no contexto da pandemia que assola o mundo atualmente. Há evidências sugerindo que fazer milhares de testes todos os dias pode ajudar a impedir a propagação do contágio. 

No entanto, os cientistas encontraram várias dificuldades ao aplicar os diferentes tipos de testes para confirmar esta doença. O problema mais notório é que os testes mais confiáveis ​​levam muito tempo para produzir resultados, enquanto os testes rápidos apresentam várias falhas.

Estão ocorrendo vários avanços nesse sentido e acredita-se que a dificuldade descrita seja resolvida em breve. Também espera-se, no próximo inverno do hemisfério norte, um teste de detecção altamente eficiente e de ponta esteja disponível. Vejamos os tipos de testes que são aplicados hoje.

RT-PCR, um dos testes para detectar o coronavírus

De todos os testes para detectar o coronavírus, este é o mais completo e confiável. Até o momento, é o que produziu o menor número de erros nos diagnósticos finais e, portanto, o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O teste consiste em inserir um cotonete, geralmente no nariz, embora às vezes também seja inserido na garganta. Desta forma, é retirada uma amostra, que depois é encaminhada para um laboratório especializado. A coleta da amostra leva cerca de 10 minutos.

O material genético é removido da amostra e processado em um equipamento especial. Todo o processo dura cerca de 4 horas, sendo esse longo período a sua principal falha. Atualmente, os cientistas estão trabalhando para encontrar métodos para reduzir a duração desse teste, e acredita-se que testes de apenas uma hora estejam disponíveis muito em breve.

Mulher fazendo teste para identificar coronavírus
Para realizar esse tipo de teste, um cotonete é inserido no nariz ou na garganta e uma amostra é coletada.

Leia também: Tratamentos contra o coronavírus

Teste de antígeno

Este é o teste mais rápido para detectar o coronavírus e, portanto, tem sido amplamente aplicado em todo o mundo. O ponto mais fraco deste teste é a sua confiabilidade.

Por um lado, alguns dos fabricantes tiveram problemas na produção desses testes; por outro lado, ele não é muito eficaz nos casos em que o vírus está sendo incubadoGeralmente, exige um segundo teste.

Este teste funciona de maneira semelhante aos testes de gravidez. Como no caso anterior, as amostras são coletadas do nariz ou da garganta, mas desta vez são colocadas em uma tira de papel. Em seguida, ele espera refletir faixas coloridas, o que indicará se o resultado é positivo, negativo ou inconclusivo.

O teste de antígeno leva entre 10 a 15 minutos. É confiável quando o paciente tem uma carga viral alta. Acredita-se que a sensibilidade deste teste seja de 30%, motivo pelo qual ele pode gerar muitas dúvidas e falsos positivos ou falsos negativos. O bom é que eles podem ser feitos em casa, com supervisão médica.

Teste sorológico para detectar o coronavírus

Guardando as devidas proporções, esse teste é semelhante ao realizado para descobrir o grupo sanguíneo de uma pessoaUma coleta de sangue deve ser feita, mas uma pequena quantidade é suficiente.

Como no teste de antígeno, a amostra é colocada em uma faixa de papel, que fica colorida se detectar os anticorpos produzidos pelo corpo de uma pessoa infectada para combater o vírus.

É um teste muito rápido, que não leva mais de 10 ou 15 minutos. Este é um teste de confiabilidade limitada, uma vez que o paciente só desenvolve anticorpos entre seis e oito dias após a infecção. Também não permite saber se a pessoa ainda está infectada ou se já está imune ao vírus. É usado principalmente para estudos epidemiológicos.

Exame de sangue para identificar o coronavírus
O teste sorológico para detectar o coronavírus é um teste rápido, embora não seja 100% confiável.

Você também pode se interessar: Transmissibilidade: o verdadeiro perigo do coronavírus

Teste de nanotecnologia de biossensor óptico

É um teste que ainda está em fase de avaliação, embora já esteja bem avançado. Consiste em um biossensor, semelhante aos usados ​​pelos diabéticos para medir seu nível de açúcar. Esse biossensor mede cerca de três centímetros e contém um chip especial.

O teste é realizado passando uma amostra do paciente através do chip. Se a referida amostra contiver o vírus SARS-CoV-2, ocorrerá uma alteração nas propriedades de luz do dispositivo. A duração total do teste é de uma hora: metade do tempo para fazer o diagnóstico e a segunda parte para confirmar o resultado.

Uma das vantagens deste teste é que não seria necessário um pessoal altamente especializado para realizá-lo. Ele também promete entregar resultados muito confiáveis. No entanto, estima-se que só estará disponível no final de 2020.

  • Plasència, A. (2020). COVID-19: por qué los países deben informar sobre el número de pruebas realizadas. The Conversation, 2020.
  • Corman VM, Landt O, Kaiser M, et al. Detection of 2019 novel coronavirus (2019-nCoV) by real-time RT-PCR. Euro Surveill. 2020;25(3):2000045. doi:10.2807/1560-7917.ES.2020.25.3.2000045
  • Organización Mundial de la Salud. (2015). Pruebas de laboratorio para el coronavirus causante del síndrome respiratorio de Oriente Medio (MERS-CoV). Disponible en https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/188247/WHO_MERS_LAB_15.1_spa.pdf;jsessionid=9552E389F52F9032F650452DC194EFF2?sequence=1
  • Nguyen, Trieu & Duong Bang, Dang & Wolff, Anders. (2020). 2019 Novel Coronavirus Disease (COVID-19): Paving the Road for Rapid Detection and Point-of-Care Diagnostics. Micromachines. 11. 306. 10.3390/mi11030306.