A saúde respiratória em tempos de coronavírus

22 de maio de 2020
Os cuidados com a saúde respiratória em tempos de COVID-19 são fundamentais para que possamos superar essa pandemia da melhor maneira. O coronavírus é um vírus que ataca os pulmões e, portanto, é essencial protegermos esses órgãos.

O SARS-CoV-2 é o coronavírus que está causando a atual pandemia. Por ser um vírus que afeta principalmente os pulmões, o cuidado com a saúde respiratória em tempos de coronavírus se tornou o tema central da medicina.

Sabemos que esse vírus entra no corpo através de gotículas respiratórias que uma pessoa infectada expele. Dentro dessas gotas, que são produzidas como aerossol, o coronavírus viaja para se estabelecer no sistema respiratório de outro hospedeiro ou em alguma superfície que podemos tocar e, depois, sermos infectados.

Uma vez dentro do sistema respiratório, o SARS-CoV-2 viaja para os alvéolos do pulmão, onde causa mais danos. Lá, provoca a inflamação e os sintomas que conhecemos: febre, tosse, cansaço e falta de ar.

A saúde respiratória em tempos de coronavírus é um pilar da prevenção, porque nem todo mundo sofre com a infecção da mesma maneira. Algumas pessoas têm formas graves da doença pulmonar que exigem que sejam admitidas em terapia intensiva. Se as medidas de suporte falharem, elas devem ser conectadas a respiradores artificiais.

Entre os grupos de risco para padecer da variante mais grave da doença se encontram os doentes respiratórios crônicos, como os asmáticos e portadores da doença pulmonar obstrutiva crônica. Os fumantes também podem ser incluídos entre os mais vulneráveis.

A saúde respiratória dos pacientes com DPOC durante o COVID-19

A DPOC é a doença pulmonar obstrutiva crônicaEngloba patologias como a asma, bronquite crônica, enfisema e atelectasia. Todas essas doenças têm em comum a obstrução brônquica à passagem aérea.

Um paciente com DPOC geralmente é medicado com remédios que promovem a abertura brônquica. Às vezes eles necessitam desses medicamentos diariamente, e em outros casos apenas em crises agudas. Os casos mais graves exigem o uso de oxigênio em casa, na maior parte do dia ou apenas à noite.

Como podemos supor, um paciente com essas características é mais vulnerável a essa pandemia. Uma infecção por SARS-CoV-2 pode significar uma exacerbação da sua condição e um risco real de ser hospitalizado.

A saúde respiratória dos pacientes com DPOC em tempos de coronavírus é ainda mais importante. Se o coronavírus se instalar no tecido pulmonar previamente lesionado, poderá causar mais danos do que o esperado.

Diante de uma eventual hospitalização e necessidade de suporte respiratório, os pacientes com DPOC estão em muita desvantagem. Seus brônquios são reativos e permitem a passagem de menos ar, diminuindo a disponibilidade de oxigênio.

Esse grupo de risco deve ter muito cuidado com os seus hábitos. Eles não devem interromper a medicação sem consultar o médico, muito menos violar o distanciamento social.

Em caso de sintomas, a consulta deve ser imediata, através dos meios de comunicação estabelecidos pelo governo local, evitando comparecer a uma emergência sem antes consultar a telemedicina.

Mulher com asma
Pessoas com DPOC costumam fazer uso de medicamentos, e os seus tecidos pulmonares são mais vulneráveis ​​ao COVID-19.

Quer saber mais? Leia também: Quem são as pessoas mais vulneráveis ​​ao COVID-19?

O perigo do cigarro durante a pandemia

O cigarro é um agente tóxico muito poderoso que tem funções totalmente contrárias ao que poderíamos estipular como saúde respiratória. Ele é capaz de afetar o mecanismo de limpeza que as células da mucosa do sistema respiratório possuem, reduzindo assim as defesas naturais.

Experiências anteriores com a pandemia de influenza H1N1 permitiram fazer estudos científicos para avaliar o efeito do cigarro sobre os pacientes fumantes. Foi identificada uma forte associação entre o hábito de fumar e o risco de sofrer a gripe.

Assim, para esta pandemia de coronavírus, devemos presumir o mesmo. Os fumantes devem reduzir o consumo ou tirar proveito da quarentena para parar de fumar. Embora o confinamento possa ser estressante e estimular a intensificação do hábito, a atitude da pessoa fumante será fundamental para resistir à tentação.

O hábito de fumar
O tabaco é um agente tóxico que torna os fumantes mais vulneráveis ​​ao coronavírus.

As doenças do sistema respiratório que não são causadas pelo coronavírus

Embora pareça que a doença do COVID-19 seja a única em vigor no momento, devemos lembrar que outras patologias, incluindo doenças respiratórias, continuam existindo. As pessoas continuam tendo resfriados, sinusite, bronquite aguda e alergias nasais.

Em caso de dúvida, a consulta médica é importante para diferenciar os sintomasA automedicação também não é recomendada neste momento, muito menos com medicamentos que sobraram de outros quadros clínicos do passado.

Teremos que ficar atentos ao que vai acontecer quando as restrições do confinamento forem amenizadas. Quando começarmos a sair de casa novamente com relativa normalidade, todos os quadros respiratórias circularão conosco.

Devemos incorporar boas práticas de higiene para transformá-las em hábitoslave as mãos, cubra a boca com a dobra do cotovelo ao tossir e mantenha distância das outras pessoas se apresentar qualquer sintoma.

Você também pode se interessar: É alergia, gripe ou coronavírus?

A saúde respiratória exige comprometimento em tempos de coronavírus

Está sendo repetido durante esta pandemia que o cuidado é uma responsabilidade de todos. O mesmo se aplica à saúde respiratória nestes tempos de coronavírus. Não apenas os pacientes com DPOC devem estar envolvidos, mas toda a comunidade, pois os grupos vulneráveis ​​dependem dos outros para evitar o contágio.

  • Lawrence H, Hunter A, Murray R, et al. Cigarette smoking and the occurrence of influenza– Systematic review. J Infect 2019;79:401–6.
  • Shaker, Marcus S., et al. “COVID-19: Pandemic Contingency Planning for the Allergy and Immunology Clinic.” The Journal of Allergy and Clinical Immunology: In Practice (2020).
  • Chica-Meza, Carmen, et al. “Cuidado Respiratorio En Covid-19.” Acta Colombiana de Cuidado Intensivo (2020).