Por que há tantos profissionais de saúde infectados com coronavírus?

23 de maio de 2020
A princípio, havia um grande número de profissionais de saúde infectados com coronavírus devido ao desconhecimento das medidas preventivas contra o COVID-19. Além disso, a escassez gradual de elementos de proteção aumentou o problema.

O SARS-CoV-2 é um vírus que tem se espalhado desde dezembro de 2019 em quase todo o mundo e é relativamente novo para a ciência. Afetou um grande número da pessoas, e o pessoal da saúde não escapa desse contágio, pois foi registrado um grande número de profissionais de saúde infectados com coronavírus.

Para a pergunta mencionada no título deste artigo, existem várias respostas possíveis. No entanto, nenhuma delas é definitiva. Deve-se acrescentar que a resposta varia de acordo com o país. Isso ocorre porque a incidência dessa doença no setor médico tem causas diferentes na China e na Espanha, por exemplo.

Razões globais pelas quais existem profissionais de saúde infectados com coronavírus

Uma das causas que aparece com mais força e se repete em diversos países é o fato de que a pandemia pegou muitos de surpresa. O surto, que hoje se manifestou como uma das pandemias mais extensas da história, não era esperado.

Quando os primeiros casos de pacientes afetados pelo coronavírus foram registrados na China – o primeiro país a detectar a doença entre a sua população – o sistema de saúde não estava preparado para enfrentar o que rapidamente se tornou uma epidemia e depois se transformou em uma pandemia.

O pessoal que trabalha na área da saúde, sejam médicos, enfermeiros, paramédicos, auxiliares ou até mesmo profissionais da limpeza em hospitais e clínicas, não tomou as devidas precauções para evitar o contágio em primeira instância devido a razões óbvias. Os testes não foram realizados a tempo de evitar a propagação da doença.

Embora a China tenha alertado a comunidade mundial a respeito do surto na região de Wuhanos outros países não se importaram com o que estava prestes a acontecer. Portanto, seus sistemas de saúde também foram pegos de surpresa e seus profissionais de saúde foram infectados com coronavírus.

Médico em hospital
O profissional de saúde está na linha de frente da contenção do coronavírus e, portanto, está mais exposto.

Leia também: Transmissibilidade: o verdadeiro perigo do coronavírus

Profissionais de saúde infectados por coronavírus, país por país

Analisando as informações dos três países mais afetados pela pandemia até o momento no mundo, é possível encontrar outras causas para o fato de haver uma alta taxa de contágio entre os profissionais de saúde.

No caso da Itália, o estado que apresenta a maior taxa de infecções e mortes em geral por COVID-19, os profissionais de saúde infectados por coronavírus somam 4.874, o que equivale a 9% de todos os casos enfrentados pelo país. Já houve 19 pessoas mortas neste setor.

Na Espanha, o número de profissionais de saúde infectados é de aproximadamente 5.400 pessoas, o que corresponde a 12% do número total de pessoas afetadas neste país. Na China, o número relatado é de cerca de 4% de profissionais de saúde infectados com coronavírus em relação ao número total de pessoas infectadas no país.

Por que tantos contágios estão ocorrendo?

Além da surpreendente chegada do COVID-19 às emergências dos hospitais do mundo todo, o grande número de profissionais de saúde infectados por coronavírus pode ser atribuído à falta de equipamentos de proteção individual. A alta repentina da demanda por esses equipamentos tornou muito difícil atender a todas as necessidades ao mesmo tempo.

Associações médicas de vários países relatam que é difícil obter máscaras profissionais e aventais impermeáveis. Em menor grau, as luvas de nitrilo também estão em falta. Tudo isso levou ao racionamento do uso do material disponível. Isso significa que, em muitos casos, os profissionais estão mais expostos ao contágio.

Outra causa é o fato de que espaços comuns, como refeitórios e salas polivalentes, não foram fechados a tempo em todos os hospitais. Como não havia possibilidade de manter a distância social recomendada pela OMS – pelo menos 1,5 metros entre as pessoas – o vírus poderia ter se espalhado mais rapidamente.

Diante dessa realidade, as indústrias médicas de todo o mundo se mobilizaram para produzir mais luvas e máscaras em tempo recorde. Mas eles também precisam produzir respiradores, álcool em gel e produtos de limpeza, que são comumente usados ​​para desinfetar instrumentos médicos e espaços hospitalares.

Profissionais de saúde protegidos
Usar o equipamento adequado é essencial para os profissionais se protegerem do contágio.

Você também pode se interessar: Tipos de testes para detectar o coronavírus

Ajuda aos profissionais de saúde

As recomendações para a população geral, que envolvem consultoria por telefone antes de comparecer a um centro de saúde, também buscam proteger os profissionais. O acúmulo de pacientes nos hospitais expõe ainda mais a todos, inclusive médicos e enfermeiros.

A responsabilidade social de respeitar as medidas de quarentena e isolamento permite impedir a propagação do coronavírus e retardá-lo, para que as equipes de saúde trabalhem sem saturação.

  • Trilla, A. (2020). Un mundo, una salud: la epidemia por el nuevo coronavirus COVID-19. Medicina Clínica, 2020, vol. 154, num. 5, p. 175-177.
  • Pérez-Then, Eddy. “NUEVO CORONAVIRUS 2019-NCOV: IMPACTO EN SALUD GLOBAL New Coronavirus 2019-nCoV: global health impact.”
  • Trilla, Antoni. “Un mundo, una salud: la epidemia por el nuevo coronavirus COVID-19.” Medicina Clinica 154.5 (2020): 175.
  • Trejo González, Roxana, et al. “Which are the prevention measures against Novel Coronavirus (COVID-19)?.” Revista Latinoamericana de Infectología Pediátrica 33.1 (2020): 4-6.
  • Jhony, A. “Protegiendo al personal de la salud en la pandemia Covid-19.” Revista de la Facultad de Medicina Humana 20.2 (2020): 3-3.