Uma pessoa não nasce com autocontrole, aprende a desenvolvê-lo

O autocontrole é o mecanismo que utilizamos para conseguir aquilo que desejamos, mas que requer um tempo de espera. Sabemos que podemos conseguir, mas a questão é se vale a pena.

Provavelmente não existe habilidade psicológica mais importante que o autocontrole. Conseguir o equilíbrio emocional suficiente para resistir a nossos impulsos nos conduz, sem dúvida, a um bem-estar maior.

Vamos nos aprofundar nessa questão.

Aqui estão a maçã e a torta de chocolate e, ainda que você tenha prometido não tocar mais em alimentos que não façam parte de sua dieta, suas mãos se deslizam nervosas até a porção mais apetitosa de sua geladeira.

É provável que essas situações, ou outras semelhantes a elas, nos sejam familiares. É comum que uma meta proposta a longo prazo (por exemplo, perder peso), entre em conflito com outros prazeres mais imediatos (torta de chocolate).

Se conseguirmos controlar esses impulsos de prazer imediato e momentâneo, evitaremos que nossas metas e que nossa motivação para conseguir algo sejam prejudicadas.

Isso é a chave para um grande número de situações vitais.

autocontrole-equilibrio

Por que nos descontrolamos?

Estamos muito comprometidos com a dieta para perder peso mas, no entanto, terminamos sucumbindo e nos entregando à tentação.

O que causa isso?

Poderíamos falar de dois sistemas psicológicos que intervêm no autocontrole: o sistema impulsivo e o reflexivo.

  • Nosso sistema impulsivo rastreia o ambiente em busca de estímulos ou de elementos que nos garantam prazer (a torta, por exemplo). A magnitude desses impulsos não é igual em cada momento, nem em toda pessoa, mas depende de muitas circunstâncias e disposições. Por isso, por exemplo, recomenda-se não ir ao supermercado com fome.
  • Nosso sistema reflexivo atua planejando e elaborando as consequências de nossa conduta. Pensar sobre o que vamos fazer requer muitos recursos e capacidade de autogerenciamento, mas, apesar de custoso, é rentável. Se o realizamos com assiduidade, ir à academia se tornará um hábito, e não um eterno dilema quando temos os sofá aos nossos pés. Lembremos que bastam 21 dias para adquirir um hábito, ou seja, para que nosso corpo adote uma certa conduta.
autocontrole-equilibrio-coracao-razao

A demora da gratificação e o êxito na vida

O melhor exemplo para destacar a importância de ter a capacidade de adiar a satisfação do prazer e tolerar a frustração pode ser encontrado na infância.

Todo mundo sabe que uma criança muitas vezes não consegue aceitar a proibição de brincar de bola num local fechado, ou comer uma guloseima que está à sua frente e quando ninguém está olhando (inclusive, às vezes, mesmo que estejam sendo observadas, comem sem pensar duas vezes).

O psicólogo Walter Mischel deu um passo além e estudou essa questão com um experimento terno, chamado de teste do marshmallow.

Como veremos no vídeo, a demora da gratificação consiste em controlar o impulso imediato de comer a guloseima para, logo em seguida, conseguir mais doces.

Assista ao vídeo aqui

Através desse estudo, foi possível estabelecer uma relação entre o autocontrole e o êxito na vida, pois assume-se que ser capaz de se conter por um benefício maior é a chave de um desenvolvimento bem-sucedido.

8 chaves para o desenvolvimento do autocontrole

Como afirmamos no título que abre este artigo, uma pessoa com autocontrole não nasce assim, ela se torna assim. Por isso, é imprescindível conhecer o que têm em comum as pessoas que conseguem deixar o cigarro, perder peso ou treinar para uma maratona.

  1. Tomam consciência dos riscos e consequências negativas que podem resultar de certas condutas. Ou seja, elaboram regras do tipo “se… então…”, o que ajuda a não se desviarem tão facilmente, graças à antecipação.
  2. Aumentam seu compromisso pessoal, explicando às pessoas com quem convivem quais são seus objetivos e seu plano de ação.
  3. Transformam seus objetivos abstratos em pequenas etapas ou tarefas que têm que cumprir.
  4. Alegram-se com as conquistas parciais e com a realização de suas metas, celebrando-as.
  5. Modificam seus impulsos, estabelecendo uma associação entre o aspecto externo da tentação com algo.
  6. Treinam sua memória para ter os motivos sempre acessíveis em sua mente.
  7. Refletem sobre as situações que correspondem a um risco para seu desempenho.
  8. Realizam pausas e momentos de descanso para conseguir restaurar seus recursos mentais e sua motivação.

Definitivamente, o caminho do autocontrole passa por saber gerenciar nossas tentações e aproveitar nossas forças.

Por isso, cada vez que encontrarmos um dilema entre uma situação imediata e uma meta de longo prazo, não podemos deixar de imaginar nosso sistema reflexivo e nosso sistema impulsivo lutando entre si.

Qual merece ganhar a batalha?

Recomendados para você