O sexo pode curar grande parte de nossos “males”

· 24 de janeiro de 2017
O sexo nos ajuda a nos sentirmos melhor com nós mesmos, já que durante o ato liberamos endorfinas e outras substâncias que favorecem nosso bem-estar, tanto físico quanto psicológico.

O sexo, essa prática natural que tem sido reprimida e ignorada durante séculos, pode curar grande parte de nossos “males”.

De fato, atualmente a sociedade ainda conserva a ideia do sexo como algo que precisamos esconder e de que devemos nos envergonhar.

Porém, graças às pesquisas científicas, sabemos que manter relações sexuais nos oferece maravilhas em todos os níveis:

  • Ameniza a ansiedade e outros estados negativos de humor.
  • Mitiga a insônia.
  • Melhora nossa autoestima.
  • Fortalece nosso sistema imunológico e cardiovascular.
  • Acelera nosso metabolismo.
  • Aumenta nossa expectativa de vida.

As constelações químicas do bem-estar… questão de sexo

Casal querendo sexo

A cascata de substâncias químicas que se precipitam em nosso corpo quando mantemos relações sexuais nos proporciona múltiplos benefícios que constituem uma boa coleção de motivos para manter relações sexuais.

Vejamos alguns deles:

  • O sexo é um reconstituinte estético que favorece a liberação de hormônios que nos ajudam a “ficar mais bonitos”.

Nosso cabelo, nossa pele e nosso olhar, ficam mais iluminados graças ao estrogênio, à testosterona e à síntese de colágeno que são produzidos como consequência da atividade sexual.

  • É mais eficaz do que os cremes antirrugas: a secreção de hormônios como a dehidroepiandrosterona (DHEA) favorece a longevidade.
  • A prolactina é um relaxante natural que explode depois do clímax derivado do contato sexual. Esta substância, além disso, nos permite exalar um odor melhor.
  • O coração também é beneficiado pelo sexo, já que seu efeito protetor é similar ao de praticar exercícios regulares. Durante o sexo os batimentos cardíacos aumentam.
  • Isso também favorece o bom trabalho metabólico de nosso corpo, assim como a tonificação das regiões envolvidas, principalmente a pélvica.

Neste sentido, as contrações da vagina e os espasmos do esfíncter anal e uretral fortalecem nossos músculos e nosso controle sobre eles.

  • O sexo também funciona como um potente analgésico, visto que alivia incômodos físicos graças à liberação de endorfinas e corticosteroides. Estas substâncias têm um efeito sedativo sobre as terminações nervosas.
  • A oxitocina tem efeitos antiestresse e reduz a tensão arterial e o ritmo cardíaco.

 

 Além dos benefícios já comentados, devemos destacar que o sexo oferece grandes benefícios à nível mental, sem efeitos secundários.
Assim, a recomendação feita por Platão sobre “evitar o sexo antes de uma competição”, hoje em dia não tem validade.
Palavra sexo em inglês

Fazer amor melhora seriamente sua saúde

Os benefícios de uma sexualidade saudável são ilimitados. Isso, como é óbvio, transcende o terreno do genital, sendo realmente importante a forma como cuidamos de nosso potencial sexual em todos os níveis da vida.

Por isso, quando falamos de cuidar de nossa relação com o sexo não estamos nos referindo apenas ao ato em si, mas sim à exploração total de nossos desejos, nossas vontades e nossas sensações.

Não podemos esquecer disso e nos limitarmos, visto que estaríamos colocando barreiras em uma parte importantíssima de nossa identidade.

Assim, nos tornarmos sexualmente conscientes nos ajudará a manter um equilíbrio psicológico, físico e emocional, e impedirá que a frustração derivada da incompreensão precipite a aparição de um humor negativo e prejudicial.

Casal se beijando

A exploração, chave para o desfrute de um contato sexual

Para desfrutar das relações sexuais é necessário deixar de um lado as reticências que nos impedem de explorar nosso corpo, nossas sensações e nossos desejos.

Isso é essencial inclusive quando compartilhamos ativamente nossa vida sexual.

É indispensável que exploremos intimamente cada pedaço de nosso corpo, saber do que gostamos e o que não contribui para a nossa satisfação sexual.

Assim, como dissemos em outras ocasiões, não podemos conduzir nosso parceiro para aquilo que gostamos se nós mesmos não soubermos.

O desejo por nosso corpo se apresenta como uma petição emergente de declaração de amor próprio, de satisfação pessoal e de comunicação íntima. Temos que desenvolver nossos sentidos para que captem nossos desejos internos, físicos e emocionais.

Se nos permitirmos a convivência com essa parte tão natural de nosso ser, observaremos rapidamente os benefícios e o bem-estar que nos gera.

Por isso é bom que lavemos nossa mente de preconceitos e nos digamos que, faça bom ou mal tempo, sempre é bom fazer sexo.

Fontes bibliográficas:

Loewenstein, G., Krishnamurti, T., Kopsic, J., & McDonald, D. (2015). Does Increased Sexual Frequency Enhance Happiness? Journal of economic behavior & Organization, 116, 206-218.

Cheng, Z. & Russel, S. (2015). Sex and happiness. Journal of economic behavior & Organization, 112, 26-32.

Brody, S., & Costa, R. M. (2012). Sexual Satisfaction and Health Are Positively Associated With Penile-Vaginal Intercourse but Not Other Sexual Activities. American Journal of Public Health102(1), 6–7. http://doi.org/10.2105/AJPH.2011.300428