O consumo de chá produz mudanças epigenéticas na mulher para combater o câncer

· 9 de agosto de 2017
Embora o consumo de chá não seja uma garantia para prevenir o aparecimento do câncer, beber duas xícaras por dia pode ajudar a regular o mecanismo do estrogênio.

Não é novidade que o chá é a segunda bebida mais consumida no mundo. O consumo de chá fica atrás apenas do consumo de água.

Qualquer uma de suas variedades é saudável. Seja o delicioso chá verde ou o chá branco, que contém uma grande quantidade de antioxidantes. Ambos são ideais para favorecer vários processos em nosso organismo.

No entanto, entre o grande número de estudos realizados em torno dos surtos de Camellia sinensis e desta infusão um tanto amarga e adstringente, vale a pena mencionar o realizado pela Universidade de Upsala, na Suécia, que nos traz um interessante trabalho onde foi demonstrado que o consumo regular de chá produz mudanças epigenéticas nas mulheres. 

As mudanças epigenética são modificações químicas com a capacidade de “acender” ou “apagar” determinados genes.

No caso das mulheres, foi possível verificar que são ativados determinados genes. Estes são capazes de interagir a modo de proteção ante os processos cancerígenos e com o metabolismo do estrogênio.

Neste artigo mostraremos toda a informação a respeito deste tema que, sem dúvida, será de seu interesse.

O consumo regular de chá é muito positivo para as mulheres

O consumo regular de chá é muito positivo para as mulheres

A diretora deste trabalho é a doutora Weronica Ek, do departamento de imunologia, genética e patologia da Universidade de Upsala, na Suécia.

Para chegar a esta conclusão, foi conduzido um estudo sobre diferentes grupos populacionais da Europa ao longo de 5 anos.

Analisou-se o efeito que o café e o chá poderiam ter a nível genético tanto em homens como em mulheres. Os resultados são expostos abaixo.

Catequinas do chá: agentes anticancerígenos

A primeira coisa que puderam comprovar é que o consumo de café não exercia mudança alguma a nível genético.

No entanto, no caso do chá (sem importar se é verde, preto ou branco) várias coisas realmente interessantes pareciam ocorrer.

  • A primeira é que favorecia diversas mudanças epigenéticas nas mulheres, mas não nos homens.
  • Curiosamente, muitas dessas mudanças epigenéticas foram encontradas nos genes implicados no desenvolvimento e inibição do câncer e no metabolismo dos estrogênios.
  • Estudos anteriores já tinham demonstrado, por exemplo, que o consumo regular de chá verde reduz os níveis de estrogênio.
  • Os componentes farmacologicamente ativos do chá, como é o caso das catequinas, são as que mais têm impacto sobre as células cancerígenas.
  • Tanto os polifenóis como as teaflavinas e as tearubiginas são capazes de proteger nossas células e o próprio DNA frente a proliferação celular e a apoptose.

Pode te interessar: 12 chás ideais para aumentar as defesas do organismo

Por que o chá beneficia mais as mulheres do que os homens?

Por que o chá beneficia mais as mulheres do que os homens?

A resposta a esta pergunta, na verdade, colocou sobre a mesa dos cientistas um aspecto que deve ser analisado em mais detalhe.

  • Pôde ser analisado que as mulheres bebem mais chá do que os homens.
  • Então, o que aconteceria se os homens consumissem a mesma quantidade de chá que as mulheres? Isso é algo que ainda não foi analisado.
  • Por outro lado, pôde-se comprovar que o chá regula o mecanismo do estrogênio de uma forma muito positiva. Isso por si só é algo interessante.
  • Não podemos esquecer que os estrogênios são um grupo de hormônios sexuais femininos. Apesar de serem básicos para cumprir determinadas funções fisiológicas, também mediam em processos carcinogênicos.
  • Por exemplo, se uma mulher é submetida a uma terapia hormonal combinada para tratar a menopausa, ela recebe estrogênio e progestina. Algo que pode contribuir para o aumento do risco de sofrer de câncer de mama ou do endométrio.

 

Catequinas do chá: agentes anticancerígenos

Para concluir

Este trabalho demonstrou que o chá beneficia a mulher ao mediar a ativação dos genes que atuam como protetores contra o desenvolvimento do câncer.

  • Vale destacar que os cientistas ainda desejam conduzir mais estudos para descobrir em detalhes como estas mudanças na epigenética feminina atuam, e se também podem fazer o mesmo no organismo masculino.
  • Por outro lado, é importante saber que o consumo de chá não cura o câncer. Além disso, não poderá evitar em 100% sua possível aparição.

Leia também: Cúrcuma: benefícios na luta contra o câncer

Trata-se de um “protetor”, de um mediador natural da boa saúde. No entanto, como em tudo, é preciso consumir com equilíbrio e moderação.

Por isso, sem importar nosso gênero ou nossa idade, não há nada melhor do que desfrutar de duas xícaras de chá por dia, levar uma vida saudável, nos alimentarmos de forma adequada e evitar hábitos perigosos como o consumo tabaco ou o sedentarismo.

  • Grønbæk, K., Hother, C., & Jones, P. A. (2007). Epigenetic changes in cancer. APMIS. https://doi.org/10.1111/j.1600-0463.2007.apm_636.xml.x
  • Jones, P. A., & Baylin, S. B. (2002). The fundamental role of epigenetic events in cancer. Nature Reviews Genetics. https://doi.org/10.1038/nrg816
  • Kanwal, R., & Gupta, S. (2012). Epigenetic modifications in cancer. Clinical Genetics. https://doi.org/10.1111/j.1399-0004.2011.01809.x
  • Yuan, J. M., Sun, C., & Butler, L. M. (2011). Tea and cancer prevention: Epidemiological studies. Pharmacological Research. https://doi.org/10.1016/j.phrs.2011.03.002