Identificados os mecanismos cerebrais para parar de fumar

Devemos ter em conta que fumar é um ato mecânico e repetitivo que nos condiciona, principalmente, psicologicamente. O sucesso na hora de abandonar este hábito tão prejudicial

Um estudo recente sobre os hábitos de parar de fumar, publicado na revista JAMA Psychiatry, ofereceu novidades importantes.

Foi revelado que a possível força ou fraqueza de nossos mecanismos cerebrais de inibição do cérebro serve para condicionar a facilidade ou dificuldade de parar de fumar.

Para muitos fumantes, deixar de fumar é algo muito complexo. Quais são as razões?

A nicotina é o primeiro elemento viciante, mas há muito mais.

O comportamento automatizado para parar de fumar

Fumar é um comportamento automatizado e só pode ser controlado (e inibido) por meio de circuitos cerebrais determinados.

Este tipo de circuitos estaria interrompido e não funciona corretamente em muitos fumantes.

A pessoa que fuma um pacote diário de cigarros chegou a transformar este hábito em algo repetitivo, mecanizado, que precisa fazer por uma questão mental.

E isso vai muito mais além do vício da nicotina ou outras substâncias inerentes ao cigarro.

Um dos dados que o estudo lança é que quanto menor nível de oxigenação do sangue do circuito de controle da inibição, maior é a probabilidade de que a pessoa resista à tentação de fumar.

  • Assim, haveria importantes condições neurobiológicas que explicariam porque alguns fumantes têm mais dificuldades para deixar o cigarro.

Com estes dados em mãos, os cientistas analisam o possível potencial dos diferentes tratamentos, sejam farmacológicos ou de mudanças de comportamento.

Estas terapias teriam como finalidade reforçar a comunicação no circuito de controle da inibição dos fumantes, e ajudar estas pessoas a deixarem de fumar.

Leia também: O tabaco desconta dias de sua vida

Detalhes dos testes

Na origem destas pesquisas foram examinadas as redes de controle inibitório nos cérebros de vários fumantes.

Estes eram dependentes da nicotina e se comprometeram a participar de um programa de abandono do hábito de fumar com várias semanas de duração.

No começo do programa, os pesquisadores usaram uma ressonância magnética funcional para monitorar a atividade cerebral. Ao mesmo tempo em que os pacientes que queriam deixar de fumar realizavam tarefas de controle inibitório.

  • Os participantes do estudo tinham que apertar uma tecla do computador cada vez que aparecia um círculo colorido na tela.

Em algumas ocasiões aparecia um círculo de outra cor.

  • As respostas relacionadas com o nível de oxigenação do sangue indicam que o cérebro usava mais recursos para inibir a resposta automática de pressionar a tecla quando aparecia um círculo “estranho”.

Conclusões dos estudos

Depois de dois meses, dentre os participantes que queriam parar de fumar, 50% tinha conseguido.

Os pacientes que não conseguiram parar com o hábito tiveram pontuações tão boas na tarefa de controle inibitório quanto aqueles que abandonaram o cigarro com sucesso, porém, a impressão que dava é de que seu comportamento automatizado era muito forte e muito assimilado.

Estes testes reafirmam que as diferenças biológicas podem ajudar a explicar porque alguns fumantes que estão tentando parar de fumar têm mais sucesso do que outros.

 

Bons hábitos para parar de fumar

O primeiro passo para parar de fumar é identificar os momentos em que existe maior propensão a fumar.

Pela manhã? Depois de comer ou fazer sexo? Dirigindo?

Também funciona pedir ajuda à família, amigos e companheiros de trabalho.

  • É preciso informar a data em que o tratamento começa, para que então o fumante se desfaça de todos os seus cigarros e qualquer rastro deles.
  • Ainda, deve-se limpar tudo o que cheire a cigarro, como roupa e móveis.
  • Naqueles lugares onde havia costume de ter cigarros, pode-se colocar guloseimas, balas ou biscoitos.
  • É efetivo, principalmente para pessoas muito dinâmicas ou nervosas, encontrar atividades que ocupem suas mãos e tenham a mente entretida.

Tente os jogos no celular ou as palavras cruzadas.

Um novo estilo de vida

É preciso mudar os hábitos diários e o horário. Isso supõe uma ajuda para deixar de fumar.

  • Por exemplo, comer em horários diferentes, fazer várias refeições pequenas ao invés de grandes, mudar de quarto e mobília, etc.
  • O exercício é sempre positivo, e também para deixar de fumar. Além de reduzir a ansiedade e o estresse, cria uma sensação de bem estar físico e mental que reduz a necessidade de fumar.
Recomendados para você