Hábitos saudáveis durante o confinamento

22 de maio de 2020
O fato de estarmos isolados em casa faz com que seja mais difícil manter as relações sociais, uma dieta equilibrada e uma rotina de exercícios. A seguir, confira algumas dicas que podem ser implementadas para tornar a quarentena menos prejudicial para a nossa saúde.

A quarentena imposta por conta da pandemia do coronavírus modificou a vida de grande parte da população mundial. Nesse contexto, ficou muito difícil manter hábitos saudáveis durante o confinamento.

Por um lado, temos as alterações da rotina. Nossos horários foram inevitavelmente modificados, já que estamos dentro de casa o dia todo. Do mesmo modo, já que não saímos tanto, diminuímos nossa exposição solar e a movimentação do corpo.

A disponibilidade de alimentos não é um tema de menor importância. As restrições do funcionamento econômico afetam a oferta de frutas e verduras, por exemplo. Isso tudo sem mencionar que evitamos ir o tempo todo ao mercado, e por isso fazemos uma compra grande e tentamos nos virar com ela durante bastante tempo.

Manter hábitos saudáveis em todo esse contexto de confinamento se torna uma missão impossível, tanto se vivemos sozinhos quanto se moramos com a família ou um grupo. Há um componente de estresse que não deve ser deixado de lado e que é formado, pelo menos em parte, pelo medo de ficar doente.

Vamos compartilhar neste artigo algumas dicas para manter alguns hábitos saudáveis durante o confinamento.

Manter encontros sociais online

As relações sociais são essenciais para o ser humano. Portanto, um hábito saudável durante a quarentena é manter a comunicação com os demais, seja dentro do lar ou fora dele, aproveitando as vantagens que a tecnologia nos traz.

As videochamadas, as mensagens instantâneas e os aplicativos para conferências em grupo são aliados que podem nos ajudar. Não temos que interpretar a tecnologia como inimiga, muito pelo contrário. A sensação de estar acompanhado durante esta crise pode tornar a quarentena mais suportável.

Proteger a saúde ocular

Olhos azuis
O uso de telas de maneira intensiva pode gerar problemas oculares.

Leia também: Como o coronavírus afeta a pele?

Devido ao trabalho online ou às chamadas de vídeo com os amigos que mencionamos no ponto anterior, o tempo passado diante das telas acaba aumentando durante o confinamento. Isso pode afetar a nossa saúde ocular, e por isso devemos prestar atenção ao tema.

Um hábito saudável durante a quarentena é tomar as medidas necessárias para que as telas tenham um nível de brilho adequado e não recebam muito reflexo de luzes artificiais ou de janelas. O brilho adequado cansa menos os nossos olhos e nos permite piscar com frequência.

O uso intensivo de telas faz com que pisquemos menos, o que traz problemas no que diz respeito à lubrificação ocular. Isso pode fazer com que tenhamos a síndrome do olho seco. Não é uma doença de pouca importância, visto que, se continuar durante um certo período de tempo, pode causar outras patologias mais graves.

Um bom conselho é usar a regra 20-20-20 dos oftalmologistas. Essa regra sugere descansar a vista a cada 20 minutos, por cerca de 20 segundos, olhando a 6 metros de distância (20 pés). Isso deve ser feito tanto por crianças quanto por adultos.

Cuide da sua pele com hábitos saudáveis durante o confinamento

Ao permanecer tanto tempo entre quatro paredes e sem exposição externa, nossa pele não recebe a quantidade suficiente de luz solar. Isso gera, por sua vez, uma produção menor de vitamina D.

A vitamina D é vinculada à saúde óssea, à saúde renal e à vitalidade da pele. Em condições normais, o organismo aproveita os raios ultravioletas da radiação solar para formar a vitamina D ativa e funcional, com todos os seus benefícios.

A quarentena nos tira a possibilidade de saídas frequentes ao ar livre, mas seria um hábito saudável buscar um pouco de luz solar. Se você tiver uma varanda, programe-se para passar algum tempo nela nos horários em que houver sol. Você pode fazer a mesma coisa se tiver um quintal. No caso de nenhuma dessas opções ser viável para você, uma alternativa é passar um tempo na janela.

Se você tiver cremes hidratantes, use-os! Ainda que pareça que não estamos precisando, já que estamos dentro de casa, é importante hidratar a pele. Muita gente acha que por estar em casa está protegendo a pele, mas a verdade é que mesmo o ambiente interno tem muitos compostos tóxicos, como os perfumes, os produtos de limpeza e o vapor da cozinha.

Menina com pele ressecada
A pele pode ficar ressecada durante a quarentena, e devemos protegê-la com cremes hidratantes.

Você também pode se interessar: Mitos sobre a alimentação e o coronavírus

Lidar com o estresse

A pandemia é uma situação estressante por si só. Temos medo do desconhecido, e não podemos estimar quanto tempo o confinamento vai durar e se vamos ficar doentes ou não.

Parte da gestão do estresse implica estabelecer uma rotina que ajude o nosso ritmo circadiano. Essa rotina não pode esquecer as horas adequadas de sono, que idealmente não seriam alteradas, ainda que passar todo o dia dentro de casa torne essa meta mais difícil durante o confinamento.

Outro hábito saudável é regular o consumo de informação. Podemos ficar exageradamente nervosos se ficarmos o tempo todo atualizando mentalmente o número de mortos e infectados. Além disso, devemos tomar cuidado com as fake news que circulam por aí; é necessário saber diferenciá-las do jornalismo sério.

Não é impossível ter hábitos saudáveis durante o confinamento

Parece uma missão impossível, mas podemos manter hábitos saudáveis durante o confinamento. Precisamos apenas nos organizar e ser conscientes de que estamos vivendo um período de transição. A quarentena não vai durar para sempre e a vida continuará depois dela, e por isso devemos tentar manter a saúde em bom estado.

  • Ciapponi, Agustin. “Cuarentena sola o combinada con otras medidas de salud pública para controlar COVID‐19: revisión rápida.” (2020).
  • Cossio-Bolaños, Marco. “Actividad física en tiempos de cuarentena por el COVID-19 en niños y adolescentes.” Revista Peruana de ciencia de la actividad fisica y del deporte 7.2 (2020): 2-2.
  • Alvarez, Reinaldo Pierre, and Paul Harris Diez. “COVID-19 en América Latina: Retos y oportunidades.” Revista Chilena de Pediatría 90.2 (2020).
  • Chen, Baoquan, et al. “Análisis de datos visuales y predicción de simulación para COVID-19.” International Journal 6.1 (2020): 79-94.