De acordo com novo estudo, esta pode ser a PRINCIPAL causa do câncer

· 6 de fevereiro de 2019
Mesmo que uma elevada porcentagem dos casos de câncer não possam ser prevenidos, levar um estilo de vida saudável e evitar hábitos prejudiciais como o tabaco, sempre ajuda.

Tanto a ciência quanto nós mesmos acreditávamos que o câncer tinha duas causas muito concretas: nossa herança genética e o meio ambiente.

Fatores como nossa alimentação, os poluentes ou nossos hábitos de vida, às vezes pouco saudáveis, eram condicionantes quase exclusivos para favorecer um maior ou menor risco na hora de desenvolver um câncer.

Agora veja bem, parece que esta concepção acaba de desmoronar.

De acordo com um macroestudo conduzido por geneticistas da Universidade Johns Hopkins de Baltimore (Estados Unidos) e publicado no mês de março na revista Science, o câncer se deve a causas aleatórias.

Seria um erro aleatório do DNA.

Duas de cada três mutações genéticas que derivam em câncer são o triste resultado de um erro aleatório e das falhas que nossas células cometem cada vez que se dividem.

Os especialistas são muito conscientes de que estes dados vão alcançar certa polêmica.

Mostraremos toda a informação no seguinte artigo.

Dois terços dos cânceres não podem ser prevenidos: a detecção precoce é a chave

O câncer se deve a motivos aleatórios

Sabemos que esta informação pode desesperançar a mais de uma pessoa.

Significa que a prevenção não serve de nada? Que levar uma vida 100% saudável não evitaria novos diagnósticos? A verdade é que não, e ainda mais, este dado responde a algo que muitos já intuíam.

  • São muitas as pessoas que, apesar de manterem uma alimentação saudável, de não fumar, de serem ativos fisicamente e de carecerem de antecedentes genéticos, são diagnosticados com algum tipo de câncer.
  • Os especialistas eram muito conscientes de que havia algo mais na equação, que esse fator desconhecido devia explicar algo que escapa por completo de nossa própria prevenção.
  • Algo que nem todos nós sabemos é como funciona a mecânica quase perfeita de nosso organismo. Nos regeneramos, nossas células se dividem todos os dias para dar forma a processos básicos e essenciais que garantem nossa sobrevivência.
  • No entanto, cada vez que uma célula normal se divide e duplica seu DNA para gerar duas células novas, pode cometer erros.

Não deixe de ler: Câncer de colo de útero: origem e prevenção

O genoma humano tem 3000 milhões de bases, e apesar dessa replicação ser quase perfeita, sempre existe margem para gerar mutações aleatórias.

E aí está o grande problema.

O fator “má sorte” determina o desenvolvimento da doença

Estudos químicos do câncer

Bert Vogelstein, diretor deste projeto de pesquisa, indicou em uma coletiva de impressa que 66% das mutações celulares que derivam em câncer se devem a simples erros na replicação.

  • Por outro lado, 29% dessas replicações se devem a fatores ambientais, enquanto que o modo de vida e herança determinam pouco mais de 5%.
  • Os cientistas o chamam de “fator má sorte”, pois é muito complicado saber em qual momento o erro irá ocorrer, como freá-lo ou como prevenir tais mutações.
  • Na verdade, foi descoberto que quase 77% dos casos de câncer de pâncreas são o resultado de um erro aleatório no DNA durante a divisão celular.

Fatores como o álcool ou o tabaco representam 18% e somente 5% vai para a herança.

Assim acontece, como nos explica o doutor Vogelstein, com relação ao:

95% dos casos seria derivado da “má sorte” na divisão celular. 

Os métodos de diagnóstico precoce estão melhorando

Estes dados nos dirigem para um estado de relativa desesperança. Podemos pensar que o “fator má sorte” pode aparecer mesmo que cuidemos ao máximo de nosso estilo vida. Entretanto, nem tudo é escuro no horizonte.

A ciência está desenvolvendo novas e esperançosas técnicas focadas na detecção precoce.

Uma simples análise poderia detectar o câncer nas primeiras mutações. Isso seria possível, dentro de alguns anos, através de uma amostra de saliva. Um mecanismo que ajudaria mesmo na falta de pistas evidentes da doença.

Descubra também: crioablação, um novo tratamento para o câncer de mama

40% dos diagnósticos de câncer SIM podem ser evitados

o câncer pode ser evitado

Os principais pilares para ganhar a batalha contra o câncer, apesar do temido fator “má sorte”, são dois:

  • detecção precoce
  • prevenção contínua.

Os responsáveis por este trabalho incidem na importância de trabalhar dia a dia nos seguintes aspectos:

  • Criar cidades mais limpas, livres de agentes químicos e cancerígenos.
  • É necessário que cuidemos de nosso estilo de vida.

40% dos novos diagnósticos de câncer podem ser evitados com algo tão básico como:

  • deixar de fumar,
  • comer de forma mais saudável e, antes de tudo, mais natural.

É algo que, sem dúvidas, todos já sabem, mas que nem sempre chegamos a fazer.

Por outro lado, e não menos importante, precisamos também que os organismos sociais e que as instituições sanitárias colaborem. Portanto, é necessário que estabeleçam programas de detecção precoce simples, econômicos e acessíveis para a população.

As revisões periódicas, sejam de mama, de cólon, de pulmão, de ovários, de próstata, etc. São, sem dúvidas, o pilar que nos permitirá tratar com maior efetividade esta doença que, a cada ano, leva milhares de vidas.

Estamos cada vez mais próximos de consegui-lo.

Estamos certos de que em um futuro próximo não teremos uma cura para o câncer, mas sim cem tipos de estratégias e mecanismos para detê-lo e revertê-lo.

Esperamos que sim, mas depende de nós tentar prevenir e assim, aumentar as chances de cura.

Imagem principal cortesia de: wikiHow.com

Achou este artigo interessante? Então, continue na nossa página porque temos muito mais informações para a sua saúde e bem-estar.

  • Vogelstein, B., & Kinzler, K. W. (2004). Cancer genes and the pathways they control. Nature Medicine. https://doi.org/10.1038/nm1087
  • Alonso Sánchez M, Benavides Orgaz Ma, Blanco Guillermo I, B. V., & J, García-Foncillas J, P. S. P. (2006). Cáncer Hereditario. Seom. https://doi.org/10.7203/metode.77.2473
  • Meza-Junco, J., Montaño-Loza, A., & Aguayo-González, Á. (2006). Bases moleculares del cáncer. Revista de Investigacion Clinica. https://doi.org/10.1109/TENCON.2004.1414516
  • Taberlay, P. C., & Jones, P. A. (2011). DNA methylation and cancer. Progress in Drug Research. https://doi.org/10.1007/978-3-7643-8989-5_1
  • World Cancer Research Fund / American Institute for Cancer Research. (2007). Food, Nutrition, Physical Activity, and the Prevention of Cancer: a gloubal perespective. In: Food, Nutrition, Physical Activity, and the Prevention of Cancer: a Global Perspective. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004