Como o coronavírus afeta os rins?

22 de maio de 2020
A COVID-19 é uma doença que afeta principalmente os pulmões, mas sabemos que também afeta os rins. Alguns estudos realizados na China revelaram essa possibilidade, e agora pesquisadores de todo o mundo estão analisando esta questão.

Saber como o coronavírus afeta os rins é mais uma das questões tratadas pela comunidade científica relacionadas ao desenvolvimento da COVID-19. Novos sintomas surgem todos os dias, bem como novas complicações derivadas da doença.

Esta dúvida surgiu com pacientes que apresentaram um quadro chamado lesão renal aguda em sua hospitalização. Desde que a pandemia teve início na China, os médicos se perguntaram como o coronavírus afeta os rins. Foi daí que surgiu a hipótese de trabalho que foi sendo confirmada ou descartada de acordo com as pesquisas realizadas.

Atualmente, o mecanismo ainda não está claro, mas os nefrologistas concordam que há um certo dano renal causado pelo SARS-CoV-2, cuja frequência varia. Enquanto algumas regiões registraram menos de 1% dos pacientes com lesão renal aguda, em outros países a incidência pode chegar a 30%.

Os pacientes nos quais a COVID-19 afeta os rins têm um prognóstico pior. A lesão renal aguda é difícil de tratar nas unidades de terapia intensiva.

Estudos científicos a respeito de como o coronavírus afeta os rins

No início do surto de coronavírus na China, houve uma série de publicações científicas que alertaram a respeito do possível dano renal provocado pelo SARS-CoV-2. Alguns estudos foram baseados em poucos pacientes, mas outros conseguiram incluir quase 1.000 participantes.

Uma das publicações iniciais analisou a incidência da insuficiência renal aguda em pacientes com coronavírus. A insuficiência renal aguda é a incapacidade dos rins de realizar suas tarefas de filtragem.

No estudo em questão, cerca de 9% dos pacientes apresentaram insuficiência. Isso se traduz na presença de proteinúria, ou seja, a perda de proteínas através da urina. Também ocorre uma elevação de uma substância chamada creatinina no sangue, a qual se torna tóxica quando supera uma determinada quantidade.

Os pacientes com este quadro foram submetidos a uma tomografia renal e as imagens revelaram que 100% deles apresentavam alterações nos rins. Havia principalmente inflamação e acumulação de líquidos.

Outro estudo científico pioneiro a respeito de como o coronavírus afeta os rins também foi realizado na China. Nele, os pesquisadores encontraram casos de insuficiência renal em 3% dos hospitalizados, mas a hematúria, presença de sangue na urina, foi identificada em 40% dos casos.

Saúde renal
Estudos científicos chineses advertiram a respeito do dano renal associado às infecções por coronavírus.

Os três fatores do dano renal provocado pelo coronavírus

Poderíamos dizer que há três aspectos a considerar no que diz respeito ao impacto da COVID-19 nos rins. Esses fatores podem surgir sozinhos ou ser combinados, e a sua presença varia em cada paciente. Às vezes, o dano é diretamente provocado pelo SARS-CoV-2, enquanto em outras situações há um dano indireto derivado do tratamento. 

Os três fatores são:

  • O vírus em si: os nefrologistas concordam que os rins são órgãos atacados diretamente pela doença, assim como os pulmões. Os sistemas respiratório e renal têm em comum substâncias como a renina e a angiotensina, que se vinculam por um receptor que poderia ser a proteína de entrada do SARS-CoV-2 nas células.
  • Sintomas sistêmicos: quando ocorre uma forma grave de COVID-19, muitos órgãos são afetados. É algo similar ao que acontece em casos de pneumonia derivados de outras causas, que podem provocar insuficiência renal por uma cascata de efeitos.
  • O tratamento: embora não exista um protocolo de tratamento para o coronavírus que seja totalmente eficaz, estão sendo analisadas alternativas com diversos medicamentos. Entre eles, há alguns que têm efeitos colaterais renais que podem provocar uma insuficiência.
Coronavírus
O coronavírus entra nas células renais e pode danificá-las, mas elas também podem ser prejudicadas por causa dos medicamentos e tratamentos aplicados no caso.

Como o coronavírus afeta os rins?

A teoria de entrada do SARS-CoV-2 nas células renais reside no conhecimento que se tem de como o coronavírus infecta as células pulmonares. Já sabemos que a chave de entrada é a proteína ACE2.

O vírus pode entrar nas células pulmonares porque as espículas da sua superfície coincidem, em parte, com um receptor que os seres humanos têm: o ACE2. Este receptor, que também é uma proteína, está nos pulmões para intervir na regulação da pressão arterial.

O sistema de regulação a que fazemos referência é o de renina-angiotensina. É um dos pontos fortes do tratamento com medicamentos da hipertensão arterial. Por esta razão, também há suspeitas de que os hipertensos apresentem uma mortalidade maior nesta pandemia.

Os rins também expressam proteínas similares, devido à sua participação no mesmo sistema renina-angiotensina. Existe a hipótese de que a COVID-19 possa seguir um trajeto semelhante nas células renais ao realizado nas células pulmonares.

Os pacientes renais são um grupo de risco?

É preciso ficar claro que os pacientes com doenças renais fazem parte dos grupos de risco durante a pandemia. Portanto, devem manter cuidados preventivos extremos e o isolamento social.

É indispensável que continuem a fazer uso dos seus medicamentos. Caso seja necessário consultar um médico pela presença de sintomas, o profissional deve ter acesso a todo o histórico do paciente para definir o tratamento mais adequado para o caso.

  • Wang, Dawei, et al. “Clinical characteristics of 138 hospitalized patients with 2019 novel coronavirus–infected pneumonia in Wuhan, China.” Jama 323.11 (2020): 1061-1069.
  • Naicker, Saraladevi, et al. “The Novel Coronavirus 2019 epidemic and kidneys.” Kidney International 58.3 (2020): 26-31. (2020).
  • Zhen Li,, Ming Wu,+, Jie Guo et al Caution on Kidney Dysfunctions of 2019-nCoV Patients medRxiv preprint doi: https://doi.org/10.1101/2020.02.08.20021212
  • Zhang, Haibo, et al. “Angiotensin-converting enzyme 2 (ACE2) as a SARS-CoV-2 receptor: molecular mechanisms and potential therapeutic target.” Intensive care medicine (2020): 1-5.
  • Chen N, Zhou M, Dong X, et al. Epidemiological and clinical characteristics of 99 cases of 2019 novel coronavirus pneumonia in Wuhan, China: a descriptive study[J]. Lancet, 2020, 395[10223]: 507-513