Posso amamentar meu bebê se eu tiver coronavírus?

22 de maio de 2020
As mulheres grávidas e aquelas que estão no período de lactação se perguntam se poderão amamentar seus bebês caso testem positivo para o coronavírus. Tanto a Organização Mundial de Saúde quanto outras instituições vinculadas esclareceram a situação. Explicamos mais a seguir.

A gravidez traz muitas perguntas, assim como a maternidade. Nesse contexto de pandemia causado pelo COVID-19, é esperado que as mães acabem se perguntando: eu posso amamentar meu bebê mesmo se eu tiver coronavírus?

Cada vez estão sendo realizados mais testes para confirmar a infecção e existe a possibilidade de que uma mãe, inclusive sem sintomas claros, seja diagnosticada com coronavírus. Lembremos que há países e regiões geográficas pontuais que estão fazendo testes até nos pacientes assintomáticos.

Um resultado positivo para o coronavírus não significa que você vá necessariamente sofrer os sintomas da doença. Grande parte da população, na verdade, é portadora do vírus e é assintomática. O risco está na possibilidade de transmitir o agente infeccioso para outra pessoa, e que ela venha a desenvolver o quadro clínico.

Estamos diante de um vírus que possui uma alta taxa de transmissão, e ele é capaz de contaminar muitas pessoas muito rapidamente. Por isso, as medidas de isolamento social estão sendo implementadas em todo o mundo. Vejamos, então, se uma mãe pode amamentar seu bebê mesmo se for diagnosticada com coronavírus.

Segundo os especialistas, amamentar é sempre a melhor opção

A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugeriu desde o início da pandemia que as mulheres infectadas pelo SARS-CoV-2 devem fazer todo o possível para continuar amamentando. Deverão tomar medidas de precaução especiais, mas não devem interromper o fornecimento de leite materno para seus bebês.

Segundo dados da UNICEF, as crianças que são amamentadas têm uma probabilidade até 6 vezes menor de morte prematura. Isso se deve à proteção que o leite materno fornece em relação às infecções respiratórias e digestivas.

A própria mãe também se beneficia de amamentar, já que as mulheres que o fazem costumam ter menos hemorragias posteriores ao parto e, a longo prazo, um menor risco de câncer de mama e de útero. Esses dois benefícios são um motivo a mais para defender a amamentação, ainda que a mãe tenha testado positivo para o coronavírus.

As organizações médicas internacionais têm sido constantes na sua recomendação de estimular a amamentação materna. Não devemos esquecer também o aspecto financeiro, já que o leite materno é gratuito.

Mãe amamentando bebê
A OMS recomenda continuar com a amamentação materna, ainda que a mãe teste positivo para o coronavírus.

Você também pode se interessar: 8 benefícios da amamentação para a mãe e o bebê

O coronavírus durante a gravidez

Saber se uma mulher pode amamentar seu bebê ou não após um resultado positivo de coronavírus está vinculado à relação entre a gravidez e o COVID-19. Por sorte, a pandemia está sendo menos feroz com as gestantes até o momento. Não foi isso que aconteceu com a pandemia de influenza em 2009, por exemplo.

A mortalidade do vírus não é maior entre o grupo das gestantes, e também não se pode dizer que a gravidez é um fator de risco. As recomendações que foram dadas no início para as gestantes como população vulnerável são apenas um princípio médico de precaução.

A partir de estudos científicos que foram feitos com os coronavírus anteriores que também causaram surtos, como o SARS no ano de 2003, não se pode confirmar que exista uma transmissão vertical. No momento, não há evidência de que a mãe transmita o coronavírus para o feto pela placenta.

Temos também um estudo de observação novo com algumas grávidas infectadas no surto atual de SARS-CoV-2, no qual foi observado um aumento no tempo de hospitalização das gestantes e o requerimento de terapia intensiva. No entanto, ainda não são dados determinantes nem é uma quantidade de pacientes que permita considerar os resultados definitivos.

Mulher grávida dormindo
As mulheres grávidas não transmitem o coronavírus de forma vertical, ou seja, ele não passa para o feto pela placenta.

Leia também: Detecção do coronavírus: o que é o método PCR?

Precauções a serem tomadas se você for amamentar com coronavírus

Ainda que não tenha sido demonstrada a possibilidade de transmissão do coronavírus por meio do leite materno, devemos tomar precauções. A amamentação envolve um contato direto que favorece o intercâmbio de gotículas respiratórias. Do mesmo modo, se a mulher escolher extrair o leite para que ele seja dado por meio de uma mamadeira, devemos ter os mesmos cuidados:

  • Lavar as mãos antes e depois do ato de amamentar.
  • Usar máscara enquanto está dando o peito, ainda que não seja uma máscara médica.
  • Reduzir o contato direto e próximo entre os rostos da mãe do bebê.
  • Lavar bem a mamadeira após ter sido utilizada.

Então, posso amamentar meu bebê mesmo se eu tiver coronavírus?

A resposta é sim. Você pode continuar a amamentar, mesmo com um resultado positivo para coronavírus. Se a mãe tiver sintomas e se sentir fraca, poderá optar por não amamentar diretamente e extrair o leite para que ele seja dado em uma mamadeira. De qualquer modo, se for possível manter a oferta de leite materno para o filho, o ideal é fazer isso.

  • Navarro, Gimeno, and Jose Manuel Martín Morales. “MANEJO DEL RIESGO DE CONGAGIO POR CORONAVIRUS EN MADRES Y RECIÉN NACIDOS.” (2020).
  • Anderson, Philip O. “Breastfeeding and respiratory antivirals: coronavirus and influenza.” Breastfeeding Medicine 15.3 (2020): 128-128.
  • Ranganathan, Ranjitha, Khan Amir Maroof, and Pragti Chhabra. “Antenatal care, care at birth, and breastfeeding during the Coronavirus (COVID-19) pandemic.” Indian Journal of Community Health 32.1 (2020): 17-20.
  • Khan, Naushad, et al. “Coronavirus Effects on Pregnant Women in The World.” Available at SSRN 3569040 (2020).