Os alimentos podem estar contaminados com o coronavírus?

23 de março de 2020
Com todo o medo que a propagação do coronavírus despertou e está despertando, muitos se perguntam se é possível contrair a doença através dos alimentos. Neste artigo, vamos explicar o que se sabe até o momento.

Com todas as recomendações e alertas associados ao coronavírus (COVID-19), muitas pessoas estão se perguntando se o vírus também pode contaminar os alimentos. Afinal, a maior parte da estratégia contra essa pandemia mundial tem como foco a prevenção. O que devemos saber a respeito?

Em primeiro lugar, temos que ter claro que está em nossas mãos atrasar ou evitar o aumento dos contágios para que as entidades de saúde possam destinar de maneira adequada os recursos disponíveis para enfrentar a situação. Nesse sentido, medidas como lavar as mãos, desinfetar o lar e ficar em casa são ações que podem ajudar.

Entidades como o Centro para o Controle e Prevenção de Doenças sugerem que o vírus pode se manter ativo em algumas superfícies, o que poderia gerar um contágio se uma pessoa tivesse contato com essa superfície e depois tocasse a boca, o nariz ou os olhos. No entanto, é possível se contaminar com o coronavírus por meio dos alimentos?

Alimentos e coronavírus: não há evidência de contaminação

A Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) informou através de um comunicado que não existem estudos que possam confirmar que os alimentos são uma via de contágio do coronavírus. Até a presente data, não há relato de casos de transmissão de vírus por meio da ingestão de algum alimento.

No entanto, são necessárias mais pesquisas que permitam entender esses resultados e estabelecer uma conclusão mais firme. O que sabemos com certeza é que o vírus é pouco resistente ao calor. Por esse motivo, cozinhar os alimentos deve reduzir muito o risco de contágio por meio da alimentação.

Sabendo disso, devemos evitar o consumo de alimentos crus, principalmente se estivermos falando daqueles de origem animal. É necessário ser extremo no que diz respeito a medidas de prevenção no âmbito da alimentação para impedir a propagação do vírus.

Prato de salada com pão
Até a presente data, não há evidências de que os alimentos possam ser uma via de contágio do coronavírus (COVID-19). No entanto, é importante adotar medidas de prevenção.

Temos pouco conhecimento sobre o coronavírus

Apesar da crença de que a transmissão para humanos teve início após o consumo de animais crus, não existem muitos estudos científicos sobre essa doença. De fato, a maior parte dos artigos disponíveis fala sobre as suas características epidemiológicas, mas não sobre tratamentos, fatores de risco ou prevenção.

Por essa razão, é aconselhável ter extrema precaução. Ainda que os alimentos não pareçam ser um vetor de contágio, é necessário tomar medidas rígidas de higiene alimentar. Cozinhar os alimentos por completo e seguir as diretrizes básicas de descongelamento são ações que vão assegurar a ausência de organismos patogênicos.

A necessidade de evitar o contato para não propagar o coronavírus

O melhor que podemos fazer para evitar a propagação do vírus é evitar o contato entre pessoas e manter uma higiene correta das mãos, principalmente depois de tocar superfícies ou manipular objetos. Antes de fazer qualquer receita ou cozinhar qualquer coisa, é imprescindível ter uma boa higiene das mãos para assegurar a ausência de vírus nas mesmas.

Tomar precauções na hora de espirrar ou tossir também é fundamental, pois pode reduzir o raio de ação do vírus. É hora de seguir todas as recomendações sanitárias e estar atento às notícias.

No momento, os métodos de propagação do vírus estão sendo estudados e, em breve, teremos mais informações sobre a sua capacidade de sobreviver nos alimentos. Agora, o melhor é consumir aqueles submetidos a um bom processo de envase.

Mulher pegando alimento na geladeira
Manter uma higiene adequada das mãos antes de manipular os alimentos é uma medida determinante para reduzir qualquer risco de contaminação.

Coronavírus e alimentos: o que deve estar claro?

O desconhecimento sobre o coronavírus e sua rápida propagação estão causando um estado de alarme e um caos social. É imprescindível manter a calma e respeitar as precauções para diminuir, na medida do possível, a rapidez dos contágios. Desse modo, é mais provável que o serviço de saúde seja capaz de atender adequadamente todos os pacientes que estão chegando diariamente aos hospitais.

A higiene alimentar é fundamental, assim como a higiene das mãos. É preciso cozinhar completamente os alimentos, ainda que não tenha sido comprovada a possibilidade da presença do vírus nos mesmos.

Antes de tudo, recomenda-se prudência e um cuidado especial com as pessoas idosas e outros indivíduos que fazem parte dos grupos de risco, pois o vírus pode afetá-los de forma mais grave.