9 antibióticos naturais que não requerem prescrição

· 5 de abril de 2015

Não é necessário ir à farmácia nem ao médico para conseguir os melhores antibióticos que existem, e por quê? Porque você pode encontrar antibióticos naturais, sem prescrição nem doses mínimas, tampouco com o risco de gerar dependência nem sofrer efeitos colaterais.

Quer saber quais são esses antibióticos naturais que não requerem prescrição? Então leia o seguinte artigo.

Antibióticos naturais

Portanto, para evitar as infecções, ao invés de ir à farmácia e consumir medicamentos e químicos, você pode optar por uma ou mais opções saudáveis e naturais:

Sementes de toranja

Nas lojas de produtos naturais você pode conseguir o extrato destas sementes, ou você mesmo pode deixá-las secar depois que consumir as frutas e triturá-las em um pilão.

A toranja tem a capacidade de destruir as bactérias, os fungos e os parasitas. Além disso, é um dos antibióticos naturais mais econômicos e que pode ser usado a qualquer idade.

toranja

Alho

Não existem dúvidas de que o alho está presente no ranking dos super alimentos. Muitas são as vantagens deste alimento usado em um milhão de receitas, uma das mais importantes é a propriedade antibacteriana. O alho é utilizado há muitos anos para curar várias doenças epidêmicas, como a peste.

As propriedades bacterianas foram estudadas por Louis Pasteur no século XIX, confirmando que o alho possui a capacidade de matar bactérias, fungos e vírus. O alho também fortalece o sistema imune se for consumido cru, sendo um dos melhores antibióticos naturais.

Equinácea

É uma planta originária da América do Norte e usada pelos nativos, tanto as folhas quanto as raízes, para curar feridas. Além disso, a equinácea tem a capacidade de prevenir infecções, melhorar o sistema imune e estimular a produção de linfócitos.

Estas células desempenham um papel muito importante na hora de defender o organismo contra as doenças, infecções e vírus. Portanto, essa planta norte-americana é eficaz nos tratamentos de febre, gripe e infecções auditivas. Além disso, alivia as inflamações da pele, a dor de garganta e acalma dores digestivas e urinárias.

Recomendamos também a leitura: Controlar o colesterol alto: os 5 melhores remédios caseiros

Equinacea

Própolis

É a substância produzida pelas abelhas no momento que recolhem o pólen ou seiva das plantas e flores. As abelhas usam o própolis para manter a limpeza e a higiene da colmeia, assim como para protegê-la da entrada de intrusos.

Graças a esta substância, as colmeias são o lugar mais esterilizado da natureza. Já fazem milhares de anos que o própolis é usado para proteger contra bactérias e fortalecer o sistema imune.

Nos tempos de Hipócrates, por exemplo, era usado para tratar diferentes feridas e úlceras. É um excelente aliado no inverno porque reduz o risco de gripes, dores de garganta, amidalite, sinusite, resfriados, etc. E se for utilizado de maneira tópica, será perfeito para as infecções fúngicas e bacterianas.

Vitamina C

Muitas frutas e vegetais trazem uma boa quantidade de vitamina C para o nosso organismo. Suas propriedades protetoras são realmente maravilhosas.

É um antioxidante natural, estimula o mecanismo defensivo do corpo. Aqueles que consomem, por exemplo, cítricos, não ficam doentes com tanta frequência. A vitamina C, além disso, elimina vírus, bactérias e toxinas.

Orégano

Se você puder obter o óleo de orégano, melhor. Ele é feito com as folhas desta planta e contém uma substância com excelentes propriedades antibacterianas. Este composto combate muitas infecções e apresenta uma maior eficácia em relação aos antibióticos que são vendidos nas farmácias.

O óleo de orégano destrói os pneumococos, os estafilococos, os estreptococos e os enterococos, responsáveis por diferentes doenças. Também é efetivo no tratamento de cerca de 25 bactérias, incluindo àquelas que são resistentes aos antibióticos químicos.

oregano-Fernando-Stankruns
O óleo de orégano é excelente para os pacientes com infecções intestinais, febre tifoide, infecções do trato urinário, cólera, infecções na pele e úlceras.

Protege dos resfriados, do sarampo e do bócio. Reduz as inflamações nas feridas por arma branca ou por mordidas de animais, assim como também neutraliza o veneno das abelhas, das serpentes e das aranhas.

Recomendamos também a leitura: A dieta sem açúcar: tudo o que precisa saber

Folha de oliveira

O extrato de folha de oliveira pode ser chamado de “substância milagrosa” que é produzida durante o processamento desta planta. Tem propriedades antimicrobianas (protege as olivas dos patógenos).

Além disso, elimina os efeitos prejudiciais dos radicais livres que causam, por exemplo, o envelhecimento prematuro. Por último, o extrato das folhas de oliveira é antioxidante, anti-inflamatório e analgésico.

Astrágalo

Trata-se de uma planta de origem chinesa, não muito conhecida no mundo ocidental, mas muito utilizada na medicina tradicional deste país. Em todo o continente asiático é usada para fortalecer o sistema imune, prevenir a gripe e os resfriados e combater infecções.

Além disso, o astrágalo é anti-inflamatório, antibacteriano e antioxidante, reduz a pressão arterial, fortalece o sistema imune e previne a diabetes.

Chá verde

Te-verde

Talvez você já tenha ouvido falar desta infusão porque é excelente para perder peso e para tratar a retenção de líquidos, no entanto, também oferece outras propriedades. Seu componente mais importante, a epigalocatequina-3-galato (EGCG, por sua sigla em inglês) é eficaz no combate de quase todas as bactérias orais.

É um excelente antibiótico que não pode faltar no dia a dia. Além disso, é delicioso e soma líquidos à sua obrigação diárias de dois litros.

  • MARTINS, Valdinei Sales. Aplicações Medicinais do Alho. Cadernos de Prospecção, v. 2, n. 1, p. 47, 2014.
  • ÁLVARES, Alice da Cunha Morales; ALVIM, Haline Gerica; DE CARVALHO, Clézio Rodrigues. A importância da Glicoproteína-P e Toranja nas Interações Medicamentosas.
  • Vimalanathan, S., Schoop, R., Suter, A., & Hudson, J. Sociedad Española de Fitoterapia.
  • BIANCHINI, L.; BEDENDO, I. P. Efeito antibiótico do própolis sobre bactérias fitopatogênicas. Scientia agricola, v. 55, n. 1, p. 149-152, 1998.